LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Legenda Maior - XIV,2

    2 
    1 Ut autem viro Dei cumulus meritorum accresceret, quae omnia vere in patientia consummantur, coepit infirmitatibus multimodis laborare tam graviter, ut vix in eo membrum aliquod remaneret absque ingenti passionis dolore. 
    2 Ad hoc tandem per varias et diuturnas ac continuas aegritudines deductus est, ut consumptis iam carnibus quasi sola cutis ossibus (cfr. Iob 19,20; Lam 4,8) cohaereret. 
    3 Cumque duris corporis angeretur doloribus, illas suas angustias non poenarum censebat nomine, sed sororum. 
    4 Cum autem semel gravius solito dolorum urgeretur aculeis, quidam frater simplex dicit ad eum: ”Frater, ora Dominum (cfr. Sir 38,9), ut mitius tecum agat, manum enim suam plus debito super te gravare (cfr. Ps 31,4) videtur”. 
    5 Quo audito, vir sanctus cum eiulatu exclamans ait: ”Nisi nossem in te simplicem puritatem, tuum ex nunc abhorrerem consortium, qui ausus fueris circa me divina iudicia reprehensibilia iudicare”. 
    6 Et licet totus esset attritus gravis prolixitate languoris, proiciens se in terram, ossa debilia duro casu collisit. 
    7 Et deosculans humum: ”Gratias”, inquit, ”tibi ago, Domine Deus (cfr. Ioa 11,41), de omnibus his doloribus meis seque, mi Domine, rogo ut centuplum, si tibi placuerit, addas; 
    8 quia hoc erit mihi acceptissimum, ut affligens me dolore, non parcas (cfr. Iob 6,10), cum tuae sanctae voluntatis adimpletio sit mihi consolatio superplena”. 
    9 Videbatur propterea fratribus, quod quasi alterum Iob viderent, cui cum languor cresceret carnis, crescebat simul et vigor mentis. 
    10 Ipse autem obitum suum longe ante praescivit, dieque transitus imminente, dixit fratribus sui corporis tabernaculum deponendum (cfr. 2Pet 1,14) in proximo, quemadmodum sibi fuerat revelatum a Christo.

    TEXTO TRADUZIDO

    Legenda Maior - XIV,2

    2 
    1 Para que fosse aumentado para o homem de Deus o acúmulo de méritos, que na verdade consuma-se todo na paciência, começou a sofrer tão gravemente de muitas doenças, que mal sobrara nele algum membro que não padecesse uma grande dor. 
    2 No final, foi levado por essas várias, diuturnas e contínuas doenças a um estado em que, com as carnes já consumidas, parecia estar em pele e ossos. 
    3 E como sofria dores muito fortes no corpo, não chamava suas angústias de penas mas de irmãs. 
    4 Mas, uma vez, quando estava sofrendo pontadas da doença mais graves do que o comum, disse-lhe um frade simples: “Irmão, ora ao Senhor para que te trate mais brandamente, pois parece que sua mão está pesando sobre ti mais do que devia”. 
    5 Quando ouviu isso, o homem santo exclamou com um grande gemido: “Se não conhecesse tua simples pureza, eu não ia querer mais ter a tua companhia, porque ousaste julgar repreensíveis os juízos divinos a meu respeito”. 
    6 E embora seu corpo estivesse todo triturado pela multiplicidade do sofrimento, jogando-se no chão, bateu os fracos ossos com uma dura queda. 
    7 E, beijando o chão, disse: “Graças te dou, Senhor Deus, por todas estas minhas dores, e peço que as centupliqueis, se for do vosso agrado; 
    8 porque eu vou gostar muito que não me poupes, afligindo-me com a dor, pois a minha consolação super plena é o cumprimento da tua santa vontade”. 
    9 Por isso os frades achavam que estavam vendo um outro Jó, para quem, quando crescia o sofrimento da carne, crescia junto o vigor da mente. 
    10 Ele mesmo soube muito antes quando seria sua morte e, estando iminente o dia da passagem, disse a seus frades que o tabernáculo do corpo deveria ser deixado em breve, como lhe fora revelado por Cristo.