LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Legenda Maior - Miraculis V,1

    V - De liberatis a vinculis et carceribus. 

    1 
    1
    In Romania Graecum cuiusdam domini servientem contigit de furto fallaciter accusari. 
    2 Quem dominus terrae in arcto carcere mandavit includi et graviter vinculari, domina vero domus miserta servi (cfr. Mat 18,27), quem indubitanter credebat a culpa sibi imposita innocentem, pro liberatione ipsius apud virum precibus insistebat devotis. 
    3 Verum non acquiescente viri sui duritia obstinata, recurrit domina supplex ad sanctum Franciscum et eius pietati voto commendavit insontem. 
    4 Protinus affuit miserorum adiutor et virum in carcere positum misericorditer visitavit (cfr. Mat 25,36.43). 
    5 Solvit vincula, carcerem fregit, innocentem manibus apprehensum foras eduxit et ait: ”Ego sum ille cui domina tua te devote commisit”. 
    6 Cumque ille timore magno corriperetur et pro descensu altissimae rupis voraginem circuiret, subito liberatoris sui virtute inveniens se in plano, rediit ad dominam suam; 
    7 relataque per ordinem miraculi veritate, devotam dominam ad Christi amorem et reverentiam servi eius Francisci ferventius inflammavit.

    TEXTO TRADUZIDO

    Legenda Maior - Milagres V,1

    V – Sobre os libertados de cadeias e cárceres. 

    1 
    1
    Na România, aconteceu que um grego, que servia a um senhor, foi acusado falsamente de furto. 
    2 O dono da terra mandou fechá-lo num cárcere apertado e acorrenta-lo pesadamente. Mas a dona da casa, compadecida do servo, a quem considerava sem dúvida inocente, insistia com preces piedosas junto de seu marido para libertá-lo. 
    3 Mas como a dureza teimosa de seu marido não concordou, a senhora recorreu suplicante a São Francisco, e, por um voto, recomendou o inocente à sua piedade. 
    4 Acudiu logo o protetor dos miseráveis e visitou misericordiosamente o homem colocado no cárcere. 
    5 Soltou as correntes, arrebentou o cárcere, pegou o inocente pelas mãos e levou-o para fora, dizendo: “Eu sou aquele a quem tua senhora recomendou devotamente”. 
    6 Ele ficou com muito medo e, como tinha que descer de uma rocha altíssima, precisava ir pela beira de um precipício, de repente, por virtude de seu libertador, percebeu que já estava no chão e voltou para sua senhora. 
    7 Contou em ordem a verdade do milagre e inflamou a devota senhora mais ferventemente no amor de Cristo e na reverência a seu servo Francisco.