LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Escritos de São Francisco
  • Proposta de vida
  • Regra não bulada

TEXTO ORIGINAL

Regra não Bulada - 5

DE CORRECTIONE FRATRUM IN OFFENSIONE

1 Ideoque animas vestras et fratrum vestrorum custodite; quia “horrendum est incidere in manus Dei viventis” (Hebr 10,31).

2 Si quis autem ministrorum alicui fratrum aliquid contra vitam nostram praeciperet vel contra animam suam, non teneatur ei obedire; quia illa obedientia non est, in qua delictum vel peccatum committitur.

3 Verumtamen omnes fratres qui sunt sub ministris et servis, facta ministrorum et servorum considerent rationabiliter et diligenter,

4 et si viderint aliquem illorum carnaliter et non spiritualiter ambulare pro rectitudine vitae nostrae, post tertiam admonitionem, si non se emendaverit, in capitulo Pentecostes renuntient ministro et servo totius fraternitatis nulla contradictione impediente.

5 Si vero inter fratres ubicumque fuerit aliquis frater volens carnaliter et non spiritualiter ambulare, fratres, cum quibus est, moneant eum, instruant et corripiant humiliter et diligenter.

6 Quod si ille post tertiam admonitionem noluerit se emendare, quam citius possunt, mittant eum vel significent suo ministro et servo, qui minister et servus de eo faciat sicut sibi secundum Deum melius videbitur expedire.

7 Et caveant omnes fratres tam ministri et servi quam alii, quod propter peccatum alterius vel malum non turbentur vel irascantur, quia diabolus propter delictum unius multos vult corrumpere;

8 sed spiritualiter, sicut melius possunt, adiuvent illum qui peccavit, quia non est sanis opus medicus, sed male habentibus (cfr. Mt 9,12 cum Mc 2,17).

9 Similiter omnes fratres non habeant in hoc potestatem vel dominationem maxime inter se.

10 Sicut enim dicit Dominus in evangelio: “Principes gentium domi-nantur eorum, et qui maiores sunt potestatem exercent in eos” , (Mt 20,25), non sic erit inter fratres (cfr. Mt 20,26a);

11 et quicumque voluerit inter eos maior fieri sit eorum minister (cfr. Mt 20,26b) et servus;

12 et qui maior est inter eos fiat sicut minor (Lc 22,26).

13 Nec aliquis frater malum faciat vel malum dicat alteri;

14 immo magis per caritatem spiritus voluntarie serviant et obediant invicem (cfr. Gal 5,13).

15 Et haec est vera et sancta obedientia Domini nostri Jesu Christi.

16 Et omnes fratres, quoties declinaverint a mandatis Domini et extra obedientiam evagaverint, sicut dicit propheta (Ps 118, 21), sciant se esse maledictos extra obedientiam quousque steterint in tali peccato scienter.

17 Et quando perseveraverint in mandatis Domini, quae promiserunt per sanctum evangelium et vitam ipsorum, sciant se in vera obedientia stare, et benedicti sint a Domino.

TEXTO TRADUZIDO

Regra não Bulada - 5

DA CORREÇÃO DOS FRADES EM PECADO

1 Portanto guardai vossas almas e as dos vossos frades; porque "é horrível cair nas mãos do Deus vivo" (Hb 10,31.

2 Por isso se algum dos ministros desse ordem a algum dos frades contra nossa vida ou contra sua alma, não terá que obedecer-lhe; porque não é obediência essa em que se comete delito ou pecado.

Entretanto, todos os frades que estão sob os ministros e servos, considerem os feitos dos ministros e servos racional e diligentemente,

4 e se virem que algum deles caminha carnal e não espiritualmente, em vez da retitude de nossa vida, se não se emendar depois da terceira admoestação, denunciem-no no capítulo de Pentecostes ao ministro e servo de toda a fraternidade, sem que o impeça nenhuma contradição.

5 Mas se entre os frades, onde quer que seja, houver algum frade que queira andar carnal e não espiritualmente, os frades, com os quais está, avisem-no, instruam e corrijam humilde e diligentemente.

6 E se ele, depois da terceira admoestação, não quiser se emendar, mandem-no o mais depressa que puderem ou avisem seu ministro e servo, o qual ministro e servo faça dele como, segundo Deus, melhor lhe parecer conveniente.

7 E guardem-se todos os frades, tanto ministros e servos como os outros, de perturbar-se ou irar-se pelo pecado ou mal do outro, porque o diabo quer corromper muitos pelo delito de um;

8 mas, espiritualmente, como melhor puderem, ajudem o que pecou, porque não precisam de médico os sãos mas os que estão mal (cfr. Mt 9,12 com Mc 2,17).

9 Semelhantemente, todos os frades não tenham nisso poder ou domínio entre si.

10 Pois, como diz o Senhor no evan-gelho: "Os príncipes dos povos os dominam, e os que são maiores exercem poder sobre eles", (Mt 20,25), mas não será assim entre os irmãos (cfr. Mt 20,26);

11 e todo que quiser entre eles ser o maior seja seu ministro (cfr. Mt 20,26) e servo;

12 e quem é o maior entre eles faça-se como o menor (Lc 22,26). 13 E nenhum frade faça mal ou fale mal ao outro;

14 antes, pela caridade do espírito, sirvam e obedeçam uns aos outros (cfr. Gl 5,13).

15 E esta é a verdadeira e santa obediência de nosso Senhor Jesus Cristo.

16 E todos os frades, quantas vezes se desviarem dos mandatos do Senhor e vagarem fora da obediência, como diz o profeta (Sl 118,21), saibam que são malditos fora da obediência enquanto estiverem em tal pecado cientemente.

17 E quando perseverarem nos mandatos do Senhor, que prometeram pelo santo evangelho e por sua vida, saibam que estão na verdadeira obediência, e são abençoados pelo Senhor.