LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Liber de Laudibus Beati Francisci - 9

    Caput IX - De quibusdam miraculis, et primo de contractis erectis.

    9 1 Porro sicut in vita sic et post transitum claris signorum prodigiis mirificare non desinit Dominus Sanctum suum; de quibus hic aliqua subiiciuntur exempla.

    Puella quaedam per annum habens collum monstrnose plicatum et caput humero sic annexum, quod non nisi ex obliquo respicere poterat, ad Sancti sepulcrum delata, dum caput sub arca, in qua pretiosus sanctissimi corporis thesaurus erat abstonditus, posuisset, confestim collum exiit, ut ex sui mutatione subita stupefacta coeperit fugere ac plorare. Apparebat in humero, cui caput applicatum fuerat, fovea quaedam propter situm, quoniam infirmitas fuerat diuturna.

    2 Nicolaus de Fulgineo crus sinistrum habens contractum nimio dolore gravatus in tantum, quod vicinos vix ob clamores dormire dimitteret, cum nulla eum medicamenta iuvarent, vovens se beato Francisco fecit, se ad tumulum eius portari. Ubi cum nocte orasset, extenso crure, magno exhilaratus gaudio sine baculo ad propria remeavit.

    3 Puer unus crus habens contractum, ita quod genu pectori et calcaneum natibus adhaerebat, ad sepulcrum beati Francisci portatus plena subito sanitate convaluit.

    4 Puella quaedam Eugubina cum contractis manibus omnium membrorum officia per annum integrum amisisset, ad tumulum sancti Francisci cum imagine cerea deportata, cum ibi per octo dierum spatium moraretur, die una omnia eius membra propriis sunt usibus restituta.

    5 Alius puer de Montenigro ante fores ecclesiae, ubi Sancti corpus quiescit, per plures recubans dies, quia nec ire poterat nec sedere — a cingulo enim infra omnibus erat virtutibus et membrorum officio destitutus — quadam die introductus in ecclesiam ad tactum sepulcri sanus et incolumis effectus est. Dicebat autem, quod iuvenis quidam in habitu fratrum stans supra sepulcrum manum eius ad pira, quae sibi porrigere videbatur, extentam accipiens eum erexit et curatum foras educens disparuit.

    6 Quidam alius, civis Eugubinus, cum filium contractum, ita quod tibiae natibus adhaerentes erant penitus, ad sancti Patris tumulum detulisset, sanum et incolumen eum recepit.

    7 Puella quaedam apud Nursiam languore diu percussa tandem daemone vexata innotuit. Nam saepe stridens dentibus se ipsam dilacerabat nec praecipitia vitans nec discrimina pavens, sicque loquela privatam et membrorum officiis destitutam parentes eam ligatam in grabato super iumentum Assisium detulerunt. Cumque in die Circumcisionis dominicae coram altari Sancti proiecta iaceret, quid subito, nescio, evomescens, surrexit continuo et altere deosculans ab omni morbo plene curata in Dei laudem et Sancti prorupit.

    8 Rigomagnus dioecesis Vulteranae vix manibus per terram se trahere valens, a matre propria propter monstruosam turgiditatem relictus, devovit se beato Francisco fuitque continuo liberatus.

    9 In eadem dioecesi mulieres duae consanguineae, cum sic essent contractae, ut se penitus movere non possent, nisi ab aliis portarentur, excoriatis manibus, quibus se movendo nitebantur, ex solo voto sunt redditae sanitati.

    10 Iacobus de oppido Bonizi cum adeo esset mirabiliter curvus atque contractus, quod os eius genibus adhaereret, mater eius ipsum ad quoddam oratorium beati Francisci portavit et oratione pro ipsius liberatione ad Dominum facta, sanum et incolumem ad domum illum reduxit.

    11 In Vico Albo cuiusdam mulieris manus sicca meritis sancti Patris reliquae similis est facta.

    12 In civitate Capuae mulier quaedam sepulcrum sancti Francisci personaliter visitare devovit, sed propter causam rei familiaris voti emissi oblita dextri lateris usum subito perdidit. Caput et brachium contractis nervis, in aliquam partem volvere non valebat; sicque tota plena doloribus vicinos suos ululatu continuo fatigabat. Transeuntes autem duo fratres ante domum ipsius, rogati a sacerdote quodam, ad miseram intraverunt. Quae de omisso voto confessa, benedictione ab illis recepta, eadem hora sana surrexit et per poenam sapientior facta sine mora quod voverat adimplevit.

    13 Bartholomaeus de Narnio sub umbra cuiusdam arboris dormiens usum ex toto pedis et tibiae perdidit. Quod, cum pauperrimus esset, miseratus, amator pauperum Franciscus in somnis sibi apparens (cfr. Mat 2,13) ad quendam locum ire praecepit. At cum se ille [illic?] pertraheret, sed a recto tramite declinaret, audivit vocem dicentem sibi (cfr. Act 9,4): “Pax tibi (cfr. Dan 10,19); ego sum ille cui te vovisti”. Et perducens illum ad locum, manum, ut illi videbatur, super pedem et aliam super tibiam eius posuit et membra sic arida restauravit. Hic aetatis erat provectae (cfr. Ios 13,1) et sex annorum spatio fuerat sic contractus.

    14 In comitatu Narniensi puer quidam tem enormi contractione tibiam retortam gerebat, quod nullo modo nisi duorum suffragio baculorum poterat ambulare. Hic ab infantia infirmitate detentus, mendicus effectus, patrem et matrem minime cognoscebat. Qui meritis beati Francisci a dicto periculo liberatus sine baculo, quo voluit, liber ivit.

    15 In Fanensi civitate quidam contractus erat, cuius tibiae ulceribus plenae natibus adhaerebant. Quae tantum exhalabant foetorem, quod hospitalarii nullo modo volebant eum in hospitali recipere. Qui meritis beati Francisci, cuius misericordiam invocavit, se paulo post gavisus est liberatum.

    16 In civitate Narnii mulier quaedam per octo annos manum habuit desiccatam nil cum ea agere valens operis. Cui beatus Franciscus in visione apparuit et manum eius extendens reliquae adaequavit et sanavit.

    TEXTO TRADUZIDO

    Livro dos Louvores de São Francisco - 9

    Capítulo IX - Alguns milagres, e primeiro dos contraídos endireitados

    9 1 Ora, tanto na vida, quanto depois do trânsito, o Senhor não cessou de glorificar seu santo por claros exemplos de milagres; damos aqui alguns exemplos.

    Uma menina, que por um ano tinha o pescoço monstruosamente dobrado e a cabeça tão ligada ao ombro que só podia olhar de esguelha. Levada ao sepulcro do santo, quando pôs a cabeça sob a arca em que estava escondido o precioso tesouro do santíssimo corpo, soltou-se o pescoço na hora, de modo que, assustada por sua repentina transformação, começou a fugir e a chorar. No ombro em que a cabeça estivera dobrada aparecia uma cavidade por causa da posição, porque a enfermidade fora longa.

    2 Nicolau de Foligno tinha a perna esquerda contraída, sofrendo por uma dor enorme, que mal permitia aos vizinhos dormirem pelos gritos. Como nenhum medicamento o ajudasse, consagrando-se por voto ao bem-aventurado Francisco, fez-se carregar ao túmulo dele. Aí, tendo orado a noite inteira, estendeu a perna e voltou para casa numa alegria enorme, sem bastão.

    3 Um menino que tinha a perna aleijada de modo que o joelho aderia ao peito e o calcanhar às nádegas, levado ao sepulcro do bem-aventurado Francisco, restabeleceu-se subitamente com plena saúde.   

    4 Uma menina de Gubbio, perdidas por um ano inteiro as funções de todos os membros por causa das mãos aleijadas, foi levada ao túmulo de São Francisco com uma imagem de cera. Tendo ficado lá pelo espaço de oito dias, certo dia teve restituídas as funções de todos os seus membros.

    5 Um outro menino, de Montenigro, deitando-se por muitos dias diante da porta da igreja em que repousa o corpo do santo, porque não podia nem andar; nem sentar-se, pois da cintura para baixo estava destituído de todas as forças e da função dos membros, introduzido certo dia na igreja, ao tocar o sepulcro, ficou são e salvo. Dizia que um jovem, vestido com o hábito dos frades e que estava de pé sobre o sepulcro, tomando a mão dele estendida para as peras que lhe parecia oferecer, o ergueu e, conduzindo-o curado para fora, desapareceu.

    6 Um outro, cidadão de Gubbio, tendo ao túmulo do santo pai um filho tão aleijado que as pernas estavam completamente aderentes às nádegas, recebeu-o são e incólume.

    7 Em Nórcia, uma menina atingida por uma doença durante muito tempo, finalmente revelou-se atormentada por um demônio. Pois, muitas vezes, rangendo os dentes, dilacerava a si mesma, não evitava precipícios nem temia riscos, e assim os parentes a levaram amarrada em um leito sobre um jumento a Assis, sem fala e sem poder usar os membros. E, no dia da Circuncisão do Senhor, ao jazer colocada diante do altar do santo, vomitou de repente não sei o que, levantou-se imediatamente e, beijando o altar, curada plenamente de toda doença, prorrompeu em louvor a Deus e ao santo.

    8 Riccomagno, na diocese de Volterra, mal conseguindo arrastar-se pelo chão com as mãos, abandonado pela própria mãe por causa do monstruoso inchaço, consagrou-se por voto ao bem-aventurado Francisco e foi libertado imediatamente.

    9 Na mesma diocese, duas mulheres consanguíneas eram tão aleijadas que não podiam absolutamente mover-se, a não ser carregadas por outros.Tendo esfolado as mãos em que se apoiavam para mover-se, só de fazer um voto ficaram curadas.

    10 Tiago, do castelo de Poggibonsi, era tão espantosamente encurvado e aleijado que sua boca aderia aos joelhos. Sua mãe levou-o a um oratório do bem-aventurado Francisco, fez uma oração ao Senhor pela libertação dele, e o levou são e salvo para casa.

    11 Em Vicalvi, pelos méritos do santo pai, a mão seca de uma mulher tornou-se semelhante à outra.

    12 Na cidade de Cápua, uma mulher fez voto de visitar pessoalmente o sepulcro de São Francisco, mas, esquecida do voto pelos problemas familiares, perdeu subitamente o uso do lado direito. Com os nervos contraídos, não conseguia virar a cabeça e o braço para nenhum lado; e assim, toda cheia de dores, perturbava seus vizinhos com contínuos gritos. Rogados por um sacerdote, dois frades que passavam pela frente de sua casa foram ver a infeliz. Confessando-se pelo voto não cumprido e tendo recebido deles a bênção, levantou-se curada na mesma hora e, mais sábia pelo castigo, sem demora cumpriu o voto que fizera.

    13 Bartolomeu de Narni, dormindo à sombra de uma árvore, perdeu totalmente o uso do pé e da perna. Como era muito pobre, Francisco, que ama os pobres, teve pena, apareceu-lhe em sonhos (cf. Mt 2,13), mandou que ele fosse a certo lugar. E, como ele se arrastou, mas desviando-se do caminho certo,ouviu uma voz que lhe dizia (cf. At 9,4): “A paz esteja contigo (cf. Dn 10,19); eu sou aquele a quem te consagraste por voto”. E, conduzindo-o ao lugar, colocou uma mão, assim lhe parecia, sobre o pé e a outra sobre a perna dele e restaurou os membros tão ressecados. Ele era de idade avançada (cf. Js 13,1) e estivera assim aleijado pelo espaço de seis anos.

    14 No condado de Narni, um menino tinha a perna torta por tão enorme contração que de modo algum podia andar a não ser com o auxílio de duas muletas. Impedido pela doença desde a infância, tornou-se mendigo e nem conhecia pai e mãe. Libertado desse mal pelos méritos do bem-aventurado Francisco, andava livre sem muleta para onde queria.

    15 Na cidade de Fano, havia um aleijado cujas pernas, cheias de úlceras, aderiam às nádegas. Elas exalavam tão grande mau cheiro que os serviçais do hospital não queriam recebê-lo de modo algum. Pelos méritos do bem-aventurado Francisco, cuja misericórdia invocou, pouco depois se alegrou, libertado.

    16 Na cidade de Narni, uma mulher teve uma mão seca por oito anos e nada conseguia fazer com ela. O bem-aventurado Francisco apareceu-lhe em visão e, estendendo a mão dela, igualou-a à outra e a curou.