LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Liber de Laudibus Beati Francisci - 9,3

    III - De mutis et surdis curatis

    27 Quaedam mulier in Apuliae partibus diu loquelam perdiderat et respirationis liberae facultatem. Cui nocte dormienti apparuit beatissima Virgo Maria dicens: “Si vis fieri sana, perge ad ecclesiam beati Francisci apud Venusium et optatam ibi recipies sanitatem”. Ivit mulier ad dictam Sancti ecclesiam ibique pleno corde poscens suffragium et statim massa carnis evomita, cunctis cernentibus, fuit mirifice liberata.

    28 In oppido Nicosino sacerdos quidam mutus et insanus effectus ad invocationem beati Francisci loquelae officium, ab insania liberatus, assequitur.

    29 In Aretina dioecesi mulier per septennium muta Deum magno desiderio pro linguae dissolutione rogabat. Et ecce dormiens duo sibi assistentes fratres monuerunt, ut se beato Francisco voveret. Quibus libenter obtemperans corde vovit, quia loqui non poterat, et mox excitata simul vigiliae redditur et loquelae.

    30 Iuvenis quidam, Villa nomine, nec ambulare poterat neque loqui; pro quo mater, facto voto, ceream imaginem ad Sancti sepulcrum cum magna reverentia portavit. Quae domum regrediens ambulantem reperit filium et loquentem.

    31 Homo quidam Perusinae dioecesis loquela omnino privatus, os semper ferens apertum horribiliter oscitabat gutturque valde inflatum habebat. Qui cum ad sepulcrum beati Francisci venisset velletque ad illud attingere, sanguinem multum evomuit et peroptime liberatus coepit loqui et os claudere et, sicut erat necessarium, aperire.

    32 Mulier quaedam lapidem habens in gutture prae nimio ardore linguae ariditatem incurrit. Quae non valens loqui, multis medicamentis adhibitis in nullo iuvata, beato Francisco se in corde devovit et subito, carne aperta, lapidem per guttur emisit.

    33 Bartholomaeus de castro Ceperani per septennium privatus auditu, ipsum ad invocationem beati Francisci recepit.

    34 Mutus et surdus a nativitate, de quo alibi habes, apud castrum Plebis ad hospitis votum statim curatus, respiciens sursum inter alia dixit: “Video sanctum Franciscum hic superius stantem, qui venit ad impendendum mihi loquelam”. Et sic formata protulit verba, quasi omni tempore audiens locutus fuisset. Concurrunt homines, qui noverant eum prius et stupore repleti magnis Deum et Sanctum laudibus extulerunt.

    TEXTO TRADUZIDO

    Livro dos Louvores de São Francisco - 9,3

    III - Mudos e surdos curados

    27 Uma mulher da região da Apúlia perdera por muito tempo a fala e a faculdade de respirar livremente. Numa noite, enquanto dormia, apareceu-lhe a Beatíssima Virgem Maria, dizendo: “Se queres ficar curada, vai à igreja do bem-aventurado Francisco, em Venosa, e receberás a saúde desejada”. A mulher foi a essa igreja do santo e aí, pedindo de todo o coração a graça, vomitou na mesma hora uma massa de carne, e ficou maravilhosamente livre, sob o olhar de todos.

    28 Na cidade de Nicósia, um sacerdote que ficara mudo e insano, invocando o bem-aventurado Francisco, readquiriu a fala e foi libertado da insanidade.

    29 Na diocese de Arezzo, uma mulher, muda por sete anos, rogava com muito desejo a Deus para que se lhe soltasse a língua. Enquanto dormia, dois frades que a assistiam aconselharam-na a consagrar-se por voto ao bem-aventurado Francisco. Obedecendo-lhes de boa vontade, fez voto no coração, por não poder falar, e logo, excitada, acordou e recuperou a fala.

    30 Um moço chamado Villa, não podia andar nem falar; a mãe, tendo feito o voto por ele, levou uma imagem de cera com grande reverência ao sepulcro do bem-aventurado Francisco. Ao voltar para casa, encontrou o filho a andar e a falar.

    31 Um homem da diocese de Perusa, completamente privado da fala, bocejava horrivelmente, sempre com a boca aberta, e tinha a garganta muito inchada. Tendo ido ao sepulcro do bem-aventurado Francisco e querendo tocá-lo, vomitou muito sangue e, perfeitamente libertado, começou a falar e a fechar e abrir a boca como era necessário.

    32 Uma mulher, que tinha uma pedra na garganta, sentia tanto ardor que ficou com a língua seca. Não conseguindo falar, em nada ajudada pelos muitos remédios usados, consagrou-se dentro do coração por voto ao bem-aventurado Francisco e, abrindo-se de repente a sua carne, soltou a pedra pela garganta.

    33 Bartolomeu, do castelo de Ceprano, privado da audição por sete anos, recuperou-a ao invocar o bem-aventurado Francisco.

    34 Um surdo-mudo de nascença, sobre o qual tendes notícia em outro lugar, em Città della Pieve, imediatamente curado por um voto do hospedeiro, olhando para cima, entre outras coisas disse: “Vejo São Francisco de pé aqui em cima, que vem para me dar a fala”. E assim proferiu palavras formadas, como se sempre tivesse falado e ouvido. Acorreram as pessoas que o conheciam antes e, cheias de estupefação, exaltaram a Deus e ao santo com grandes louvores.