LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Prima Vita (1Cel) - 51

    Caput XIX - De custodia qua super fratres vigilabat, et de contemptu sui et vera humilitate.

    51. 
    1 Reversus est vir beatissimus Franciscus corporaliter ad fratres suos, a quibus, sicut dictum est, numquam spiritualiter recedebat. 
    2 Cauta et diligenti examinatione omnium acta perquirens, felici semper curiositate in subditis ferebatur, nihil impune relinquens, si quid minus recti deprehenderet perpetratum. 
    3 Et primo quidem spiritualia vitia decernebat, deinde diiudicabat corporalia, ad ultimum exstirpans occasiones omnes, quae peccatis solent aditum aperire. 
    4 Omni studio, omni sollicitudine custodiebat sanctam et dominam paupertatem, non patiens, ne quando ad superflua perveniret, nec vasculum in domo aliquod residere, cum sine ipso utcumque posset extremae necessitatis evadere servitutem. 
    5 Impossibile namque fore aiebat satisfacere necessitati et voluptati non obedire. 
    6 Cocta cibaria vix aut rarissime admittebat, admissa vero saepe aut conficiebat cinere, aut condimenti saporem aqua frigida exstinguebat. 
    7 O quoties per mundum ambulans ad praedicandum Evangelium Dei (cfr. Rom 1,1), vocatus ad prandium a magnis principibus, qui eum miro venerabantur affectu, gustatis parumper carnibus propter observantiam sancti Evangelii, reliquum, quod comedere videbatur, deponebat in sinu, manu ori adducta, ne quis posset perpendere quod agebat. 
    8 De potu vini quid dicam, cum nec ipsam aquam, desiderio sitis aestuans, ad sufficientiam libere pateretur?

    TEXTO TRADUZIDO

    Primeira Vida (1Cel) - 51

    Capítulo 19 - Do cuidado que tinha pelos irmãos e do desprezo de si mesmo e da verdadeira humildade.

    51. 
    1 São Francisco voltou materialmente ao convívio dos seus frades, embora espiritualmente jamais se tivesse afastado, como dissemos. 
    2 Interessava-se continuamente pelos seus, procurando saber com prudência e atenção o que todos estavam fazendo, e não deixava de repreendê-los por alguma coisa errada que descobrisse. 
    3 Olhava primeiro os defeitos espirituais, depois os exteriores, e por último tratava de remover todas as ocasiões que costumam abrir as portas aos pecados. 
    4 Com todo o cuidado e especial solicitude cuidava da santa senhora pobreza. Para impedir que se chegasse a ter coisas supérfluas, não permitia que tivessem em casa a menor vasilha, se fosse possível passar sem ela sem cair na extrema necessidade. 
    5 Dizia que era impossível satisfazer a necessidade sem condescender com o prazer. 
    6 Nunca ou raramente admitiu pratos cozidos. Se os aceitava, muitas vezes misturava-lhes cinza ou lhes tirava o sabor do tempero com água fria. 
    7 Quantas vezes, andando pelo mundo a pregar o Evangelho de Deus, foi convidado para almoçar com grandes príncipes que tinham toda admiração e veneração por ele, e mal provava os pratos de carne para observar o santo Evangelho: ia guardando o resto dentro da roupa, embora parecesse estar comendo. Punha a mão na frente da boca, para que ninguém percebesse o que estava fazendo. 
    8 Quanto a tomar vinho, que poderei dizer, se até quando estava morto de sede não admitia beber a água que bastasse?