LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Escritos de São Francisco
  • Cartas
  • Carta 2 aos Fiéis

TEXTO ORIGINAL

2 - Epistola ad Fideles

(Recensio posterior) In nomine Domini Patris et Filii et Spiritus Sancti. Amen.

1 Universis christianis religiosis, clericis et laicis, masculis feminis omnibus qui habitant in universo mundo, frater Franciscus, eorum servus et subditus, obsequium cum reverentia, pacem veram de caelo et sinceram in Domino caritatem.

2 Cum sim servus omnium, omnibus servire teneor et administrare odorifera verba Domini mei.

3 Unde in mente considerans, quod cum personaliter propter infirmitatem et debilitatem mei corporis non possim singulos visitare, proposui litteris praesentibus et nuntiis verba Domini nostri Jesu Christi, qui est Verbum Patris, vobis referre et verba Spiritus Sancti, quae spiritus et vita sunt (Joa 6,64).

4 Istud Verbum Patris tam dignum, tam sanctum et gloriosum nuntiavit altissimus Pater de caelo per sanctum Gabrielem angelum suum in uterum sanctae ac gloriosae virginis Mariae, ex cuius utero veram recepit carnem humanitatis et fragilitatis nostrae.

5 Qui, cum dives esset (2Cor 8, 9) super omnia, voluit ipse in mundo cum beatissima Virgine, matre sua, eligere paupertatem.

6 Et prope passionem celebravit pascha cum discipulis suis et accipiens panem gratias egit et benedixit et fregit dicens: Accipite et comedite, hoc est corpus meum (Mt 26,26).

7 Et accipiens calicem dixit: Hic est sanguis meus novi testamenti, qui pro vobis et pro multis effundetur in remissionem peccatorum (Mt 26,27).

8 Deinde oravit Patrem dicens: Pater, si fieri potest, transeat a me calix iste.

9 Et factus est sudor eius sicut guttae sanguinis decurrentis in terram (Lc 22,44).

10 Posuit tamen voluntatem suam in voluntate Patris dicens: Pater, fiat voluntas tua (Mt 26,42); non sicut ego volo, sed sicut tu (Mt 26,39).

11 Cuius Patris talis fuit voluntas, ut filius eius benedictus et gloriosus, quem dedit nobis et natus fuit pro nobis, se ipsum per proprium sanguinem suum sacrificium et hostiam in ara crucis offerret;

12 non propter se, per quem facta sunt omnia (cf Joa 1,3), sed pro peccatis nostris,

13 relinquens nobis exemplum, ut sequamur vestigia eius (cf 1Petr 2,21).

14 Et vult ut omnes salvemur per eum et recipiamus ipsum puro corde et casto corpore nostro.

15 Sed pauci sunt, qui velint eum recipere et salvi esse per eum, licet eius iugum suave sit et onus ipsius leve (cf Mt 11,30).

16 Qui nolunt gustare, quam suavis sit Dominus (cf. Ps 33,9) et diligunt tenebras magis quam lucem (Joa 3,19) nolentes adimplere mandata Dei, maledicti sunt;

17 de quibus dicitur per prophetam: Maledicti qui declinant a mandatis tuis (Ps 118,21).

18 Sed, o quam beati et benedicti sunt illi qui Deum diligunt et faciunt sicut dicit ipse Dominus in evangelio: Diliges Dominum Deum tuum ex toto corde et ex tota mente et proximum tuum sicut te ipsum (Mt 22,37,39).

19 Diligamus igitur Deum et adoremus eum puro corde et pura mente, quia ipse super omnia quaerens dixit: Veri adoratores adorabunt patrem in spiritu et veritate (Joa 4,23).

20 Omnes enim, qui adorant eum, in spiritu veritatis oportet eum adorare (cf Joa 4,24).

21 Et dicamus ei laudes et orationes die ac nocte (Ps 31,4) di-cendo: Pater noster, qui es in caelis (Mt 6,9), quia oportet nos semper orare et non deficere (Lc 18,1).

22 Debemus siquidem confiteri sacerdoti omnia peccata nostra; et recipiamus corpus et sanguinem Domini nostri Jesu Christi ab eo.

23 Qui non manducat carnem suam et non bibit sanguinem suum (cf Joa 6,55.57), non potest introire in regnum Dei (Joa 3,5).

24 Digne tamen manducet et bibat, quia qui indigne recipit iudicium sibi manducat et bibit, non diiudicans corpus Domini (1Cor 11,29), id est non discernit.

25 Faciamus insuper fructus dignos poenitentiae (Lc 3,8).

26 Et diligamus proximos sicut nos ipsos (cf Mt 22,39).

27 Et si quis non vult eos amare sicut se ipsum, saltim non inferat eis mala, sed faciat bona.

28 Qui autem potestatem iudicandi alios receperunt iudicium cum misericordia exerceant, sicut ipsi volunt a Domino misericordiam obtinere.

29 Iudicium enim sine misericordia erit illis qui non fecerint misericordiam (Jac 2,13).

30 Habeamus itaque caritatem et humilitatem; et faciamus eleemosynas, quia ipsa lavat animas a sordibus peccatorum (cf. Tob 4,11; 12,9).

31 Homines enim omnia perdunt, quae in hoc saeculo relinquunt; secum tamen portant caritatis mercedem et eleemosynas, quam fecerunt, de quibus habebunt a Domino praemium et dignam remunerationem.

32 Debemus etiam ieiunare et abstinere a vitiis et peccatis (cf Sir 3,32) et a superfluitate ciborum et potus et esse catholici.

33 Debemus etiam ecclesias visitare frequenter et venerari clericos et revereri, non tantum propter eos, si sint peccatores, sed propter officium et administrationem sanctissimi corporis et sanguinis Christi, quod sacrificant in altari et recipiunt et aliis administrant.

34 Et firmiter sciamus omnes, quia nemo salvari potest, nisi per sancta verba et sanguinem Domini nostri Jesu Christi, quae clerici dicunt, annuntiant et ministrant.

35 Et ipsi soli ministrare debent et non alii.

36 Specialiter autem religiosi, qui renuntiaverunt saeculo, tenentur plura et maiora facere, sed ista non dimittere (cf Lc 11,42).

37 Debemus odio habere corpora nostra cum vitiis et peccatis, quia Dominus dicit in evangelio: Omnia mala, vitia et peccata a corde exeunt (Mt 15,18-18; Mc 7,23).

38 Debemus diligere inimicos nostros et benefacere his, qui nos odio habent (cf Mt 5,24; Lc 6,27).

39 Debemus observare praecepta et consilia Domini nostri Jesu Christi.

40 Debemus etiam nosmetipsos abnegare (cf Mt 16,24) et ponere corpora nostra sub iugo servitutis et sanctae obedientiae, sicut unusquisque promisit Domino.

41 Et nullus homo teneatur ex obedientia obedire alicui in eo, ubi committitur delictum vel peccatum.

42 Cui autem obedientia commissa est et qui habetur maior, sit sicut minor (Lc 22,26) et aliorum fratrum servus.

43 Et in singulos fratres suos misericordiam faciat et habeat, quam vellet sibi fieri, si in consimili casu esset.

44 Nec ex delicto fratris irascatur in fratrem, sed cum omni patientia et humilitate ipsum benigne moneat et sustineat.

45 Non debemus secundum carnem esse sapientes et prudentes, sed magis debemus esse simplices, humiles et puri.

46 Et habeamus corpora nostra in opprobrium et despectum, quia omnes per culpam nostram sumus miseri et putridi, foetidi et vermes, sicut dicit Dominus per prophetam: Ego sum vermis et non homo, opprobrium hominum et abiectio plebis (Ps 21,7).

47 Nunquam debemus desiderare esse super alios, sed magis debemus esse servi et subditi omni humanae creaturae propter Deum (1Petr 2,13).

48 Et omnes illi et illae, dum talia fecerint et perseveraverint usque in finem, requiescet super eos Spiritus Domini (Is 11,2) et faciet in eis habitaculum et mansionem (cf Joa 14,23).

49 Et erunt filii Patris caelestis (cf Mt 5,45), cuius opera faciunt.

50 Et sunt sponsi, fratres et matres Domini nostri Jesu Christi (cf Mt 12,50).

51 Sponsi sumus, quando Spiritu Sancto coniungitur fidelis anima Jesu Christo.

52 Fratres enim sumus, quando facimus voluntatem patris eius, qui est in caelo (cf Mt 12,50);

53 matres quando portamus eum in corde et corpore nostro (cf 1 Cor 6, 20) per amorem et puram et sinceram conscientiam, parturimus eum per sanctam operationem, quae lucere debet aliis in exemplum (cf Mt 5,16).

54 O quam gloriosum et sanctum et magnum habere in caelis Patrem!

55 O quam sanctum, paraclitum, pulchrum et admirabilem habere sponsum!

56 O quam sanctum et quam dilectum, beneplacitum, humilem, pacificum, dulcem et amabilem et super omnia desiderabilem habere talem fratrem et filium, qui posuit animam suam pro ovibus suis (cf Joa 10,15) et oravit patrem pro nobis dicens: Pater sancte, serva eos in nomine tuo, quos dedisti mihi (Joa 17,11).

57 Pater, omnes, quos dedisti mihi in mundo, tui erant et mihi eos dedisti (Joa, 17,6).

58 Et verba, quae dedisti mihi, dedi eis; et ipsi acceperunt et cognoverunt vere, quia a te exivi et crediderunt, quia tu me misisti (Joa 17,8); rogo pro eis et non pro mundo (cf Joa 17,9); benedic et sanctifica eos (Joa 17,17).

59 Et pro eis sanctifico me ipsum, ut sint sanctificati in (Joa 17,17) unum sicut et nos (Joa 17,11) sumus.

60 Et volo Pater, ut ubi ego sum et illi sint mecum, ut videant claritatem meam (Joa 17,24) in regno tuo (Mt 20,21).

61 Ei autem qui tanta sustinuit pro nobis, tot bona contulit et conferet in futurum, omnis creatura, quae est in caelis, in ter-ra, in mari et in abyssis reddat laudem, gloriam, honorem et benedictionem (cf Apoc 5,13),

62 quia ipse est virtus et fortitudo nostra, qui est solus bonus, solus altissimus, solus omnipotens, admirabilis, gloriosus et solus sanctus, laudabilis et benedictus per infinita saecula saeculorum. Amen.

63 Omnes autem illi, qui non sunt in poenitentia et non recipiunt corpus et sanguinem Domini nostri Jesu Christi,

64 et operantur vitia et peccata, et qui ambulant post malam concupiscentiam et mala desideria, et non observant, quae promiserunt,

65 et serviunt corporaliter mundo carnalibus desideriis, curis et sollicitudinibus huius saeculi et curis huis vitae,

66 decepti a diabolo, cuius filii sunt et eius opera faciunt (cf Joa 8,41), caeci sunt, quia verum lumen non vident Dominum nostrum Jesum Christum.

67 Sapientiam non habent spiritualem, quia non habent Filium Dei in re, qui est vera sapientia Patris; de quibus dicitur: Sapientia eorum devorata est (Ps 106,27).

68 Vident, agnoscunt, sciunt et faciunt mala; et scienter perdunt animas.

69 Videte, caeci, decepti ab inimicis nostris scilicet a carne, a mundo et a diabolo, quia corpori dulce est facere peccatum et amarum servire Deo, quia omnia mala, vitia et peccata de corde hominum exeunt et procedunt (cf Mc 7,21.23), sicut dicit Dominus in evangelio.

70 Et nihil habetis in hoc saeculo neque in futuro.

71 Putatis diu possidere vanitates huius saeculi, sed decepti estis, quia veniet dies et hora, de quibus non cogitatis et nescitis et ignoratis.

72 Infirmatur corpus, mors appropinquat, veniunt propinqui et amici dicentes: Dispone tua.

73 Ecce uxor eius et filii eius et propinqui et amici fingunt flere.

74 Et respiciens videt eos flentes, movetur malo motu; cogitando intra se dicit: Ecce animam et corpus meum et omnia mea pono in manibus vestris.

75 Vere, iste homo est maledictus, qui confidit et exponit animam suam et corpus et omnia sua in talibus manibus;

76 unde Dominus per prophetam: Maledictus homo qui confidit in homine (Jer 17,5).

77 Et statim faciunt venire sacerdotem; dicit ei sacerdos: “Vis recipere poenitentiam de omnibus peccatis tuis?”.

78 Respondet: “Volo”. “Vis satisfacere de commissis et his quae fraudasti et decepisti homines sicut potes de tua substantia?”.

79 Respondet: “Non”. Et sacerdos dicit: “Quare non?”.

80 “Quia omnia disposui in manibus propinquorum et amico-rum”.

81 Et incipit perdere loquelam et sic moritur ille miser.

82 Sed sciant omnes, quod ubicumque et qualitercumque homo moriatur in criminali peccato sine satisfactione et potest sa-tisfacere et non satisfecit, diabolus rapit animam eius de corpore suo cum tanta angustia et tribulatione, quantam nullus scire potest, nisi qui recipit.

83 Et omnia talenta et potestas et scientia, quam putabat habere (cf Lc 8,18), auferetur ab eo (Mc 4,25).

84 Et propinquis et amicis relinquit, et ipsi tollent at divident substantiam eius et dicent postea: “Maledicta sit anima eius quia potuit plus dare nobis et acquirere quam non acquisivit”.

85 Corpus comedunt vermes, et ita perdit corpus et animam in isto brevi saeculo et ibit in inferno, ubi cruciabitur sine fine.

86 In Nomine Patris et Filii et Spiritus Sancti. Amen.

87 Ego frater Franciscus, minor servus vester, rogo et obsecro vos in caritate, quae Deus est (cf 1 Jn 4,16), et cum voluntate osculandi vestros pedes, quod haec verba et alia Domini nostri Jesu Christi cum humilitate et caritate debeatis recipere et operari et observare.

88 Et omnes illi et illae, qui ea benigne recipient, intelligent et mittent aliis in exemplum, et si in ea perseveraverint usque in finem (Mt 24,13), benedicat eis Pater et Filius et Spiritus Sanctus. Amen.

TEXTO TRADUZIDO

2 Carta aos Fiéis

(Segunda redação) Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

1 A todos os cristãos religiosos, clérigos e leigos, homens e mulheres, a todos os que moram no mundo inteiro, Frei Francisco, seu servo e súdito: submissão com reverência, paz verdadeira do céu e sincera caridade no Senhor.

2 Como sou servo de todos, a todos estou obrigado a servir e a prestar-lhes em serviço as odorosas palavras de meu Senhor.

3 Por isso, considerando na mente, que, em pessoa, pela enfermidade e debilidade do meu corpo, não poderia visitar a cada um, me propus, por meio desta carta e de mensageiros, anunciar-lhes as palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo, que é Palavra do Pai, e as palavras do Espírito Santo, que são espírito e vida (Jo 6,64).

4 Esta Palavra do Pai, tão digna, tão santa e gloriosa, foi anunciada pelo altíssimo Pai lá do céu, por meio de seu santo anjo Gabriel, no útero da santa e gloriosa Virgem Maria, de cujo útero recebeu a verdadeira carne de nossa humanidade e fragilidade.

5 O qual, sendo rico (2 Cor 8,9) sobre todas as coisas, quis ele mesmo escolher a pobreza no mundo com a beatíssima Vir-gem, sua mãe.

6 E perto da paixão, celebrou a Páscoa com seus discípulos e tomando o pão, deu graças e o abençoou e partiu, dizendo: Tomai e comei, este é meu corpo (Mt 26,26).

7 E tomando o cálice disse: Este é meu sangue do Novo Testamento, que por vós e por muitos será derramado para remissão dos pecados (Mt 26,27).

8 Depois orou ao Pai dizendo: Pai, se for possível, afaste-se de mim este cálice.

9 E seu suor tornou-se como gotas de sangue que caíam na terra (Lc 22,44).

10 Mas colocou sua vontade na vontade do Pai, dizendo: Pai, faça-se tua vontade (Mt 26,42); não como eu quero, mas como tu (Mt 26,39).

11 A vontade desse Pai foi que seu Filho, bendito e glorioso, que nos deu e nasceu por nós, se oferecesse por seu próprio sangue, como sacrifício e hóstia na ara da cruz;

12 não para si, por quem foram feitas todas as coisas (cfr. Jo 1,3), mas por nossos pecados,

13 deixando-nos exemplo, para que sigamos suas pegadas (cfr. 1Pe 2,21).

14 E quer que todos nos salvemos por ele e o recebamos com coração puro e com nosso corpo casto.

15 Mas são poucos os que querem recebê-lo e ser salvos por ele, embora seu jugo seja suave e sua carga leve (Mt 11,30).

16 Os que não querem provar como é suave o Senhor (cfr. Ps 33,9) e amam as trevas mais do que a luz (Jo 3,19), não querendo cumprir os mandamentos de Deus, são malditos;

17 sobre eles é dito pelo profeta: Malditos os que se afastam de teus mandamentos (Ps 118,21).

18 Mas, oh! como são bem-aventurados e benditos aqueles que amam a Deus e fazem como diz o próprio Senhor no Evangelho: Amarás ao Senhor teu Deus com todo o coração e com toda a mente e a teu próximo como a ti mesmo (Mt 22,37,39).

19 Amemos, pois, a Deus e adoremo-lo com coração puro e mente pura, porque buscando isto sobre todas as coisas, disse: Os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e verdade (Jo 4,23).

20 Pois todos os que o adoram, é preciso que o adorem no Espírito da verdade (cfr. Jo 4,24).

21 E digamos-lhe louvores e orações dia e noite (Sl 31,4) dizendo: Pai nosso, que estás nos céus (Mt 6,9), porque é preciso que oremos sempre e não desfaleçamos (Lc 18,1).

22 Devemos certamente confessar ao sacerdote todos nossos pecados; e receba-mos dele o corpo e o sangue de nosso Se-nhor Jesus Cristo.

23 Quem não come sua carne e não bebe seu sangue (cfr. Jo 6,55, 57), não pode entrar no reino de Deus (Jo 3,5).

24 Mas coma e beba dignamente, porque quem recebe indignamente come e bebe sua própria condenação, não distinguindo o corpo do Senhor (1Cor 11,29), isto é, não o discerne.

25 Façamos, além disso, frutos dignos de penitência (Lc 3,8).

26 E amemos o próximo como a nós mesmos (cfr. Mt 22,39).

27 E se alguém não quiser amá-lo como a si mesmo, pelo menos não lhes cause mal, faça o bem.

28 Mas os que receberam o poder de julgar os outros, exerçam o julgamento com misericórdia, como eles mesmos querem obter misericórdia do Senhor.

29 Pois haverá juízo sem misericórdia para aqueles que não fizerem misericórdia (Tg 2,13).

30 Portanto, tenhamos caridade e humildade, e façamos esmolas, porque elas lavam a alma das manchas dos pecados (cfr. Tb 4,11; 12,9).

31 Pois os homens perdem tudo que deixam neste século, mas levam consigo o preço da caridade e as esmolas que fizeram, pelas quais obterão do Senhor prêmio e digna remuneração.

32 Também devemos jejuar e abster-nos dos vícios e pecados (cfr. Sir 3, 32) e do excesso de comidas e bebida, e ser católicos.

33 Também devemos visitar as igrejas freqüentemente e venerar os clérigos e reverenciá-los, não só por eles, se forem pecadores, mas pelo ofício e administração do santíssimo corpo e sangue de Cristo, que sacrificam no altar e recebem e administram aos outros.

34 E saibamos firmemente todos que ninguém pode salvar-se, senão pelas santas palavras e o sangue de nosso Senhor Jesus Cristo, que os clérigos pronunciam anunciam e administram.

35 E só eles devem administrar e não outros.

36 E especialmente os religiosos, que renunciaram ao século, estão obrigados a fazer mais e maiores coisas, mas sem omitir estas (cfr. Lc 11,42).

37 Devemos ter ódio a nossos corpos com os vícios e pecados, porque diz o Senhor no Evangelho: Todos os males, vícios e pecados saem do coração (Mt 15,18 s.; Mc 7,23).

38 Devemos amar a nossos inimigos e fazer o bem aos que nos têm ódio (cfr. Mt 5,44; Lc 6,27).

39 Devemos observar os preceitos e conselhos de nosso Senhor Jesus Cristo.

40 Devemos também negar a nós mesmos (cfr. Mt 16,24) e por nossos corpos sob o jugo da servidão e da santa obediência, como cada um prometeu ao Senhor.

41 E ninguém tenha que obedecer por obediência a alguém naquilo em que se comete delito ou pecado.

42 Mas aquele a quem foi encomendada a obediência e que é tido como maior, seja como menor (Lc 22, 26) e servo dos outros irmãos.

43 E para com cada um de seus irmãos faça e tenha a misericórdia, que quisera que a ele se fizesse, se estivesse em caso semelhante.

44 E não se irrite contra o irmão pelo delito do ir-mão, mas benigna-mente o admoeste e suporte com toda paciência e humildade.

45 Não devemos ser sábios e prudentes segundo a carne (1Cor 1,26), mas antes devemos ser simples, humildes e puros.

46 E tenhamos nossos corpos em opróbrio e desprezo, porque todos, por nossa culpa, somos miseráveis e podres, hediondos e vermes, como diz o Senhor pelo profeta: Eu sou um verme e não um homem, opróbrio dos homens e desprezo do povo (Sl 21,7).

47 Nunca devemos desejar estar acima dos outros, antes devemos ser servos e submissos a toda humana criatura por Deus (1 Pd 2,13).

48 E todos, eles e elas, enquanto isso fizerem e perseverarem até o fim, descansará sobre eles o Espírito do Senhor (Is 11,2) e fará neles habitação e morada (cfr. Jo 14,23).

49 E serão filhos do Pai celeste (cfr. Mt 5,45), cujas obras fazem.

50 E são esposos, irmãos e mães de nosso Senhor Jesus Cristo (cfr. Mt 12,50).

51 Somos esposos, quando pelo Espírito Santo une-se a alma fiel a Jesus Cristo.

52 Somos certamente irmãos, quando fazemos a vontade de seu Pai, que está no céu (cfr. Mt 12,50);

53 mães, quando o levamos no coração e em nosso corpo (cfr. 1Cor 6,20) pelo amor e a consciência pura e sincera; o damos à luz pela santa operação, que deve iluminar os outros com o exemplo (cfr. Mt 5, 16).

54 Oh! como é glorioso e santo e grande, ter nos céus um Pai!

55 Oh! como é santo, ter um esposo consolador, bonito e admirável!

56 Oh! como é santo e como é querido ter tal irmão e tal filho, agradável, humilde, pacífico, doce, amável e mais desejável do que todas as coisas, que deu a vida por suas ovelhas (cfr. Jo 10,15) e orou ao Pai por nós dizendo: Pai santo, guarda em teu nome, os que me deste (Jo 17,11).

57 Pai, todos os que me deste no mundo, eram teus e os deste a mim (Jo 17,6).

58 E as palavras que me deste, eu lhes dei; e eles as receberam e conheceram verdadeiramente que saí de ti e creram que tu me enviaste (Jo 17,8); rogo por eles e não pelo mundo (cfr. Jo 17,9); abençoa-os e santifica-os (Jo 17,17).

59 E por eles santifico a mim mesmo, para que sejam santificados na (Jo 17,19) unidade, como também nós (Jo 17,11) o somos.

60 E quero, Pai, que onde eu estou também eles estejam comigo, para que vejam minha glória (Jo 17, 24) em teu reino (Mt 20,21).

61 Mas àquele que por nós suportou tantas coisas, que nos trouxe e trará tantos bens no futuro, toda cria-tura que há nos céus, na terra, no mar e nos abismos retri-bua louvor, glória, honra e bênção (cfr. Apoc 5,13),

62 porque ele é força e fortaleza nossa, o único bom, o único altíssimo, o único onipotente, admirável, glorioso, o único santo, louvável e bendito pelos infinitos séculos dos séculos. Amém.

63 Mas todos aqueles que não estão em penitência e não recebem o corpo e o sangue de nosso Senhor Jesus Cristo,

64 e operam vícios e pecados, e que andam atrás da má concupiscência e dos maus desejos, e não observam o que prometeram,

65 e servem corporalmente o mundo pelos cuida-dos e preocupações deste século e pelos cuidados desta vida,

66 enganados pelo diabo, de quem são filhos e cujas obras fazem (cfr. Jo 8,41), são cegos, porque não vêm a luz verdadeira, nosso Senhor Jesus Cristo.

67 Não têm a sabedoria espiritual, porque não têm o Filho de Deus em si, que é a verdadeira sabedoria do Pai, e deles se diz: Sua sabedoria foi devorada (Sl 106, 27).

68 Vêem, conhecem, sabem e fazem o mal, e perdem as almas conscientemente.

69 Vêde, cegos, enganados por nossos inimigos, a saber, pela carne, pelo mundo e pelo diabo, que para o corpo é doce fazer o pecado e amargo servir a Deus, porque todos os males, vícios e pecados do coração dos homens saem e procedem (cfr. Mc 7, 21, 23), como diz o Senhor no Evangelho.

70 E nada tendes neste século nem no futuro.

71 Por longo tempo calculais possuir as vaidades deste século. mas estais enganados, porque virá o dia e a hora em que não pensais, e não sabeis e ignorais.

72 Adoece o corpo, aproxima-se a morte, vêm os parentes e amigos dizendo: Dispõe de teus bens.

73 Eis sua mulher, parentes e amigos fingindo chorar.

74 Olha e os vê chorando; é levado por um mau passo; pensa consigo mesmo, e diz: Ponho a alma, o corpo e todas as minhas coisas em vossas mãos.

75 Verdadeiramente amaldiçoado é esse homem, que confia e expõe alma, corpo e todas as suas coisas em tais mãos;

76 por isso, diz o Senhor pelo profeta: Maldito o homem que confia no homem (Jr 17,15).

77 E logo fazem vir o sacerdote; diz-lhe o sacerdote: “Queres receber a penitência de todos teus pecados?”.

78 Responde: “Quero”. “Queres satisfazer como podes com teus bens, pelos pecados e por essas coisas em que defraudaste e enganaste as pessoas?”.

79 Responde: “Não”. E o sacerdote diz: “Por que não?”.

80 “Porque distribuí tudo nas mãos dos parentes e amigos”.

81 E começa a perder a fala e assim morre aquele miserável.

82 Mas saibam todos que, onde quer e como quer que morra o homem em pecado mortal sem satisfação, se podia satisfazer e não satisfez, o diabo arrebata sua alma de seu corpo, com tanta angústia e tribulação, como ninguém pode saber, a não ser quem o sofre.

83 E todos os talentos e poder e ciência, que pensava ter (cfr. Lc 8,18) ser-lhe-ão tirados (Mc 4,25).

84 E deixa-o para os parentes e amigos, e eles tomarão e dividirão sua riqueza e dirão depois: “Maldita seja sua alma, porque podia dar-nos e conseguir mais do que conseguiu,”.

85 Os vermes comem o corpo; e assim perde corpo e alma neste breve século e irá para o inferno, onde será atormentado sem fim.

86 Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

87 Eu, frei Francisco, vosso menor servo, vos rogo e conjuro, na caridade que é Deus (cfr. 1 Jo 4,16), e com a vontade de beijar vossos pés, que deveis receber e pôr em prática e observar estas e as outras palavras de nosso Senhor Jesus Cristo com humildade e caridade.

88 E todos aqueles e aquelas que benignamente as receberem, entenderem e enviarem a outros para exemplo, e se nelas perseverarem até o fim (Mt 24,13), bendiga-os o Pai e o Filho e o Espírito Santo. Amém.