LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Secunda Vita (2Cel) - 82

    De quadam visione quae facit ad paupertatem.

    Caput L.

    82 
    1 Libet hic sancti visionem referre memoria dignam. 
    2 Nocte quadam, longa tandem oratione conclusa, lente soporatus obdormit. 
    3 Introducitur anima illa sancta in sanctuarium Dei (cfr. Ps 72,17), videtque per somnium (cfr. Gen 20,3) inter alia dominam quamdam sic se habentem: Caput aureum videbatur, argentea pectus et brachia, venter crystallinus, et deinceps in infimis ferrea; alta erat statura (cfr. Dan 2,32-33), subtili compage ac regula coaptata. 
    4 Verumtamen egregiae formae (cfr. Ez 23,23) domina mantello sordido tegebatur. 
    5 Mane surgens (cfr. Gen 24,54) beatus pater sancto homini fratri Pacifico recitat visionem, non tamen elucidat quid praetendat. 
    6 Hanc, etsi multi fuerint interpretati pro libitu, non ab re credo praedicti Pacifici interpretationem tenere, quam in ipso auditu suggessit ei Spiritus Sanctus (cfr. Ioa 14,26). 
    7 “Haec”, inquit, “domina egregiae formae (cfr. Ez 23,23) formosa anima sancti Francisci est. 
    8 Caput aureum contemplatio et sapientia aeternorum: pectus et brachia de argento (cfr. Dan 2,32) eloquia Domini (cfr. Ps 11,7) sunt corde meditata (cfr. Ps 118,11) et opere adimpleta (cfr. Gen 11,6): 
    9 rigida crystallus sobrietatem, splendida castitatem designat: ferrum firma perseverantia est: 
    10 porro sordidum mantellum despectum corpusculum crede, quo anima pretiosa (cfr. Prov 6,26) contegitur”. 
    11 Multi attamen, spiritum Dei habentes (cfr. Dan 4,5; 1Cor 7,40), dominam istam, velut sponsam patris, intelligunt paupertatem. 
    12 “Istam”, inquiunt, “fecit gloriae praemium auream, famae praeconium argenteam, una foris et intus absque loculis professio crystallinam, finalis perseverantia ferream. 
    13 Huic autem praeclarae dominae mantellum sordidum animalium hominum (cfr. 1Cor 2,14) reputatio texuit”. 
    14 Plures oraculum istud religioni coaptant, successionem temporum cursu Danielis sequentes. 
    15 Sed ad patrem pertinere hinc maxime liquet, quod arrogantiam vitans, interpretari penitus noluit. 
    16 Et quidem si stillasset ad ordinem, non muto silentio pertransisset.

    TEXTO TRADUZIDO

    Segunda Vida (2Cel) - 82

    Sobre uma visão relacionada com a pobreza.

    Capítulo 50.

    82 
    1 Quero contar aqui uma visão memorável do santo. 
    2 Certa noite, depois de concluir uma longa oração, acabou adormecendo lentamente. 
    3 Sua santa alma foi levada para o santuário de Deus e viu em sonhos, entre outras coisas, uma senhora que assim se apresentava: cabeça de ouro, peito e braços de prata, ventre de cristal e, daí para baixo, nas extremidades, de ferro . Era de estatura alta, talhe esbelto e bem proporcionada. 
    4 Mas a senhora cobria suas belas formas com um manto sórdido. 
    5 Quando se levantou, pela manhã, o bem-aventurado pai contou a visão ao santo homem que era Frei Pacífico, mas sem revelar o que pretendia. 
    6 Muita gente já deu suas interpretações como quis, mas não acho fora de propósito apresentar a que foi dada pelo próprio Frei Pacífico, que lhe sugeriu o Espírito Santo, quando ouviu o caso. Disse: 
    7 “Essa mulher de forma egrégia é a alma de São Francisco. 
    8 A cabeça de ouro é a contemplação e a sabedoria das coisas eternas. O peito e os braços de prata são as palavras de Deus meditadas no coração e cumpridas em obras. 
    9 A dureza do cristal demonstra sua sobriedade e o esplendor, sua castidade. O ferro é a firmeza da perseverança. 
    10 E podemos crer que o manto miserável é o pobre corpo que continha aquela preciosa alma”. 
    11 Muitos outros, porém, que possuem o espírito de Deus, acharam que essa senhora era a pobreza, como esposa do santo pai. 
    12 Dizem que “ela foi feita de ouro pelo prêmio da glória, de prata pela glória de sua fama, cristalina por ser a mesma por dentro e por fora sem nada para esconder, e de ferro porque perseverou até o fim. 
    13 O manto sórdido desta preclara senhora foi tecido para ela pela reputação que tem entre os homens animais”. 
    14 Muitos aplicam esse oráculo à religião, de acordo com a sucessão de tempos de Daniel. 
    15 Mas podemos acreditar que se referia principalmente ao pai, que, para evitar a vanglória, se recusou absolutamente a dar uma interpretação. 
    16 Não teria deixado passar em mudo silêncio se se referisse à Ordem.