LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • Legenda dos Três Companheiros

TEXTO ORIGINAL

Legenda Trium Sociorum - 17

17. 
1 Cumque sic in ieiunio et fletu (cfr. Ioel 2,12) ferventer et assidue Dominum exorasset, de sua diffidens virtute et industria, spem suam totaliter iactavit in Dominum (cfr. Ps 54,23; 36,5), qui eum licet in tenebris manentem perfuderat quadam ineffabili laetitia et illustraverat mirabili claritate. 
2 Ex qua nimirum totus ignitus, fovea relicta, iter arripuit versus Assisium, impiger festinus et laetus. 
3 Et fiduciae Christi armis munitus divinoque calore succensus, seipsum arguens de pigritia et vano timore, manibus et ictibus persequentium se exposuit manifeste. 
4 Quem videntes illi qui prius noverant eum sibi miserabiliter exprobrabant insanumque ac dementem clamantes, lutum platearum et lapides proiciebant in eum (cfr. Ps 17,43; Ioa 8,59). 
5 Cernentes enim eum sic a pristinis moribus alteratum et carnis maceratione confectum, totum quod agebat exinanitioni et dementiae imputabant. 
6 Sed miles Christi (cfr. 2Tim 2,3), in his omnibus ut surdus pertransiens nulla fractus aut mutatus iniuria, Deo gratias referebat. 
7 Cum autem rumor huiusmodi fieret per plateas et vicos civitatis (cfr. Cant 3,2) de ipso, tandem pervenit ad patrem, qui audiens talia in ipsum a concivibus fieri, statim surgit quaerere ipsum, non ad liberandum sed potius ad perdendum. 
8 Nulla enim moderatione servata, currit tanquam lupus ad ovem, et torvo oculo ac hirsuta facie illum respiciens iniecit impie manus in ipsum. 
9 Pertrahens autem illum ad domum et per plures dies in carcere tenebroso recludens, nitebatur eius animum verbis et verberibus flectere ad saeculi vanitatem.

TEXTO TRADUZIDO

Legenda dos Três Companheiros - 17

17. 
1 Enquanto orava assim ao Senhor, no jejum e no pranto, fervorosa e assiduamente, não confiando na sua força e habilidade, lançou sua esperança totalmente no Senhor, que, mesmo permanecendo ele nas trevas, banhara-o numa alegria inefável e o iluminara com uma claridade admirável. 
2 Todo aceso por essa luz, saiu da cova e tomou o caminho de Assis, sem preguiça, rápido e alegre. 
3 Munido das armas da confiança em Cristo e abrasado pelo calor divino, censurando-se pela preguiça e vão temor, expõe-se abertamente às mãos e aos golpes dos perseguidores. 
4 Quando o viram, aqueles que antes o haviam conhecido injuriavam-no sem compaixão, chamando-o de insano e demente, e jogavam contra o barro das praças e pedras. 
5 Vendo-o tão mudado dos antigos costumes e acabado pela mortificação da carne, atribuíam tudo o que fazia ao esgotamento e à loucura. 
6 Mas o soldado de Cristo passou como um surdo por tudo isso e, não quebrado nem mudado por nenhuma injúria, dava graças a Deus. 
7 Como corresse esse boato sobre ele pelas praças e becos da cidade, chegou finalmente ao pai, que ao ouvir que os seus concidadãos faziam tais coisas contra ele, levantou-se imediatamente para buscá-lo, não para libertá-lo, antes para perdê-lo. 
8 Sem observar moderação alguma, correu como um lobo contra a ovelha e, fixando-o com olhar turvo e rosto irado, lançou impiedosamente as mãos contra ele. 
9 Arrastando-o para casa, e mantendo-o, por muitos dias, trancado num cárcere tenebroso, esforçava-se, com palavras e açoites, por fazer seu ânimo se inclinar para a vaidade do século.