LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • Legenda dos Três Companheiros

TEXTO ORIGINAL

Legenda Trium Sociorum - 49

49. 
1 Sequenti ergo die, vir Dei a dicto cardinali est coram summo pontifice praesentatus, cui totum suum sanctum propositum patefecit. 
2 Ipse vero pontifex, cum esset discretione praecipua praeditus, votis sancti debito modo assensit, et exhortans ipsum ac fratres suos de multis, benedixit eis dicens: “Ite cum Domino, fratres, et sicut ipse vobis inspirare dignabitur omnibus poenitentiam praedicate. 
3 Cum autem omnipotens Deus vos multiplicaverit numero maiori et gratia, referetis nobis, et nos plura his concedemus ac maiora vobis securius committemus”. 
4 Volens autem dominus papa scire utrum concessa et concedenda essent secundum Domini voluntatem, priusquam sanctus ab ipso recederet, dixit ei et sociis: 
5 “Filioli nostri, vita vestra videtur nobis nimis dura et aspera, licet enim credamus vos esse tanti fervoris quod de vobis non oporteat dubitare, tamen considerare debemus pro illis qui secuturi sunt vos, ne haec via nimis ipsis aspera videatur”. 
6 Cumque videret eorum fidei constantiam et anchoram spei firmissime roboratam in Christo, ita ut nollent a suo fervore divertere, dixit beato Francisco: 
7 “Fili, vade et ora Deum ut tibi revelet si id quod quaeritis de sua voluntate procedit, quatenus nos scientes Domini voluntatem, tuis desideriis annuamus”.

TEXTO TRADUZIDO

Legenda dos Três Companheiros - 49

49. 
1 No dia seguinte, o homem de Deus foi apresentado pelo cardeal ao Sumo Pontífice, a quem tornou patente todo seu santo propósito. 
2 O Pontífice, como era notável por sua discrição, concordou, no devido modo, com os desejos do santo e, exortando a ele e aos seus irmãos acerca de muitas coisas, abençoou-os dizendo: “Ide com o Senhor, irmãos, e assim como ele se dignar inspirar-vos, pregai a penitência a todos.
3 E quando Deus onipotente vos multiplicar com maior número e graça, no-lo referireis, e nós vos concederemos mais do que isso, encarregando-vos de coisas mais importantes”. 
4 Desejando, porém, o Senhor Papa saber se o que havia concedido e o que havia de conceder era conforme a vontade do Senhor, antes que o santo se despedisse, disse a ele e aos seus companheiros: 
5 - “Filhinhos nossos, a vossa vida nos parece muito dura e áspera, embora acreditemos que tendes tamanho fervor que não podemos duvidar de vós, mas temos que pensar naqueles que haverão de seguir-vos, para que esse caminho não lhes pareça áspero demais”. 
6 Vendo que, pela constância de sua fé e pela âncora da esperança firmemente robustecida em Cristo, não queriam retroceder em seu fervor, disse ao bem-aventurado Francisco: 
7 “Filho, vai e pede a Deus que te revele se o que vós procurais procede de sua vontade, porquanto, sabendo a vontade do Senhor, daremos nosso consentimento aos teus desejos”.