LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • Bernardo de Bessa
  • Livro dos Louvores de São Francisco

TEXTO ORIGINAL

Liber de Laudibus Beati Francisci - 2

Caput II - De primorum discipulorum informatione.

2 1 Reversus a summo Pontifice beatus Franciscus praedicandi auctoritate suscepta recolligebat se cum ceteris fratribus iuxta civitatem Assisii in quadam tugurio derelicto, quod ita angustum erat ut in eo sedere aut quiescere vix valerent magnarum et pulchrarum domuum strenuissimi contemptores.

2 In tanta etiam inopia rerum erant, ut saepissime omni panis solatio destituti solis quas per Assisii plana petebant rapis essent contenti.

3 Persequebantur eos parentes et alii deridebant, quia eo tempore nullus iuvenis inveniebatur, qui propter Dominum omnia sua relinqueret et eleemosynam peteret ostiatim.

4 Nullum pro his murmur, nulla querimonia resonat, sed corde placido mens plena gaudio conservat patientiam.

5 Multiplicati postea fratres in omni perfectione sub sancti Patris magisterio profecerunt.

6 Erant vero sicut nomine sic mentis humilitate minores, qui omnibus subditi existentes semper quaerebant humilitatis locum et officium exercerei et in quo quaedam fore injuria videretur, spiritu caritatis ferventes (cfr. Rom 12,11) miro modo se invicem diligebant.

7 Cum enim aliquando pariter convenirent, ibi spiritualis amoris spiculum resultabat.

8 Quid plura? Casti amplexus, suaves affatus, osculum sanctum, dulce colloquium, risus modestus, iucundus aspectus et manus ad obsequium indefessa.

9 [Et quidem cum cuncta terrena despicerent] et se nunquam amore privato diligerent, sed totius amoris affectum in commune refunderent, se ipsos, ut aliorum subvenirent necessitati, impendere satagebant non sua, sed quae Christi (cfr. Phip 2,4.21) et proximi sunt quaerentes.

10 Unde semel fatuo quodam lapides iacente in fratres, alter frater se opposuit ictibus, malens se percuti, quem socius laederetur.

11 In caritate et humilitate fundati (cfr. Eph 3,17) unus reverebatur alium, quasi dominus suus esset.

12 Quicumque inter eos officio vel gratia praecellebat, humilior et vilior ceteris videbatur.

13 Si quis casu diceret quod alii displiceret, non poterat quiescere, donec ei cum humilitate maxima diceret culpam suam.

14 Desiderabiliter conveniebant, delectabilius simul erant, sed gravis erat utrinque separatio, amarum divortium;

15 sed nihil obedientiae sanctae audebant praeponere obedientissimi milites, qui nihil scientes discernere in praeceptis ad iniuncta quaeque, omni contradictione remota, quasi praecipites concurrebant.

16 Quidquid enim praecipiebatur eis, putabant praeceptum esse per Domini voluntatem, et ideo erat eis suave et facile omnia adimplere.

17 Poscebant sollicite, ne mitterentur in terras, unde fuerant oriundi, ut verbum propheticum observarent: Extraneus factus sum fratribus meis et peregrinus filiis matris meae (Ps 68,9).

18 Semper erant in gaudio spiritus, quia turbationis materiam non habebant.

19 In tribulationibus, sicut homines in magno lucro positi, exsultabant et Deum pro suis persecutoribus exorabant (cfr. Mat 5,44). Quod multi videntes convertebantur ad eos.

20 Quando ad eos declinabant divites huius mundi, recipiebant eos alacriter et benigne, ut ipsos revocarent a malo et ad poenitentiam provocarent.

21 Ubicumque inveniebant homines in viis vel in plateia, confortabant eos, ut Creatorem suum diligerent et timerent.

22 Apud sacerdotes hospitabantur libentius quam apud altos saeculares.

23 Quando vero non poterant ibi esse, interrogabant, quis esset in loco timens Deum, apud quem possent honestius hospitari.

24 Et licet essent nimium pauperes, semper tamen ad compartiendas eleemosynas sibi datas omnibus se petentibus largi erant.

25 Terrena omnia sic strenuissime contemnebant, ut vix extreme vitae necessaria recipere paterentur, sola tunica intus et foris quandoque repetiata, femoralibus vilibus et rudi pro cingulo fune contenti.

26 Nullus in habitu cultus, sed despectus multus et vilitas apparebat.

27 Noctibus saepe, cum necessario carerent hospitio, in cryptis vel clibanis latitabant; diebus vero in locis honestis manibus propriis quae noverant laborantes omnes, cum quibus erant, ad exemplum humilitatis et patientiae provocabant.

28 Itaque eos induerat patientiae virtus, ut saepe opprobria [et] contumelias passi, verberati, nudati, nullius patrocinio se tuentes cuncta sic humiliter sustinerent, ut in ore ipsorum non nisi vox laudum et gratiarum (cfr.  Is 51,3) resonaret.

29 Vix aut nunquam a Dei laude cessabant, sed quotidiana discussione, quidquid egerant recolligentes pro bene actis gratias [Deo], pro neglectis et incaute commissis gemitus et lacrymas persolvebant.

30 Relictos a Deo [se] fore putabant, si non se in spiritu devotionis solita pietate cognoscerent visitari.

31 Cum orationibus vellent incumbere, ne per somnii subreptionem oratio turbaretur, diversis sibi adminiculis providebant.

32 Si quis eis [aliquid] cibi vel potus, ut assolet, pro labore itineris vel alia de causa surriperet, multorum se dierum abstinentia cruciabant.

33 Tanta maceratione carnis incentiva reprimere satagebant, ut saepe corpus in glacie non abhorrerent nudare vel inter spinarum aculeos effusione sanguinis irrigare.

34 Tantam sibi afflictionem quilibet faciebat, quod videbatur habere odio semetipsum.

35 Pacem et mansuetudinem ad omnes servantes cuncta summo studio scandala devitabant.

36 De se humiliter, pie de aliis, maxime sacerdotibus, sentiebant.

37 Cum enim sacerdos quidam fratri dixisset: “Vide, ne sis hypocrita”, ille hypocritam se putavit dicens: “Sacerdos est qui dixit, potestne mentiri sacerdos?”.

38 Dolebat moestus et anxius, donec Sanctus sacerdotis verbum sagaciter excusavit.

39 Linguam suam miro silentii studio refrenabant; vix enim tempore necessario loquebantur, nec de ipsorum ore scurrile vel otiosum quippiam procedebat.

40 Sensus omnes ita mortificatos habebant, ut vix aliquid in visu vel auditu liberet, nisi quod religionis intentio deposcebat.

41 Simplex [erat in] eis aspectus, incessus modestus, defixis in terram oculis mentem in coelo habebant.

42 Sanctus enim eos docebat non solum carnis vitia, sed etiam exteriores sensus, per quos mors intrat ad animam, mortificare debere.

43 Nam cum Otto imperator ad suscipiendam coronam imperii per partes illas cum magna pompa transiret, sanctissimus Pater cum reliquis iuxta viam ipsius transitus in praedicto existens tugurio nec ad videndum foris exivit nec aliquem permisit respicere praeter unum, ut ei denuntiaret constanter, gloriam hanc sibi modicum duraturam.

44 Apostolica in eo vigebat auctoritas, et ideo nesciebat regibus et principibus adulari.

45 Quotidianam quoque inquisitionem fratrum diligentissime faciebat nihil impune relinquens, si quid minus ratione deprehenderet perpetratum, omnemque ab eis negligentiam abigebat.

46 Fratres autem non [ea tantum, quae] fraterno consilio vel paterno imperio eis dicebat, sed [etiam] quae ipsum velle aliquando deprehendebant indicio, efficacissime adimplere studebant.

47 Dicebat enim ad perfectionem inducens, veram obedientiam fore non solum Praelati verbo, sed etiam agnitae voluntati parere, et subditum facere quod Praelatum vel signo perciperet velle.

48 Sic etiam fratres repleverat sancta simplicitas, sic eos cordis puritas possidebat, ut duplicitatem animi penitus ignorarent, quia sicut una fides, sic unus spiritus (cfr. Eph 4,4.5) erat in eis, una voluntas et morum concordia, conformitas mentium et pietas actionum.

49 Haec sunt documenta pii Patris, quibus non solum lingua, sed opere et veritate (cfr. 1Ioa 3,18) novos filios informabat et in quibus apostolicae vitae propositum et studium renovabat.

50 Quod ut approbatum approbaretur in coelo, cuidam sancto viro in illius novitatis principio per visionem ostensum fuit, quod beati Apostoli Petrus et Paulus Domino Iesu de renovatione vitae ipsorum quotidie gratias agentes pro conservatione istius Religionis orabant.

51 Quod cum beato Francisco innotuit, ait: “Si beati Petrus et Paulus pro nobis quotidie orant, dignum est, ut et nos ipsos quotidiana reverentia veneremur”.

52 Inde factum est, ut in memoria Apostolorum, quae fit in singulis Horis in Officio beatae Virginis, ipsi duo Apostoli nominatim exprimantur, cum prius secundum Ecclesiae Romanae consuetudinem non fieret in illis orationibus nisi omnium Apostolorum memoria generalis.

53 Tunc enim additum est illis orationibus, scilicet: Protege, Domine, et: Exaudi nos, Deus; et: Apostolorum tuorum Petri et Pauli, cum prius diceretur: et omnium Apostolorum tuorum etc.

TEXTO TRADUZIDO

Livro dos Louvores de São Francisco - 2

Capítulo II - A formação dos primeiros discípulos

2 1 Retornando da visita ao sumo pontífice, quando recebeu a permissão de pregar, o bem-aventurado Francisco recolheu-se com os outros frades perto da cidade de Assis, num tugúrio abandonado que era tão estreito que mal podiam sentar-se ou descansar os valorosos desprezadores das casas grandes e bonitas. 

2 Estavam também em tão grande penúria de coisas que, muitas vezes, privados do conforto de um pão, contentavam-se unicamente com os nabos que pediam pelas planícies de Assis. 

3 Os parentes os perseguiam, e os outros zombavam deles, porque naquele tempo não se encontrava jovem algum que por causa do Senhor abandonasse todos os seus bens e pedisse esmola de porta em porta. 

4 Nenhuma murmuração por estas coisas, nenhuma queixa ressoa, mas o espírito, cheio de alegria, conserva a paciência com o coração tranqüilo.

5 Depois, multiplicados; os irmãos progrediram em toda a perfeição sob o magistério do santo pai. 

6 Pois eram menores tanto de nome quanto pela humildade de espírito: sendo submissos a todos, sempre procuravam os lugares desprezados e exercer ofício em que parecesse haver alguma desonra; fervorosos em espírito (cf. Rm 12,11) de caridade, pois amavam-se mutuamente de modo admirável. 

7 Quando, alguma vez, se reuniam, saltava o ferrão do amor espiritual.

8 Que mais? Castos abraços, conversas suaves, ósculo santo, doce colóquio, riso modesto, semblante gracioso e mão incansável para servir. 

9 E como desprezavam todas as coisas terrenas e não tinham amizades particulares, pois colocavam em comum toda afeição de amor, tratavam de dedicar-se à necessidade dos outros, procurando não suas coisas, mas as que são de Cristo (cf. Fl 2,4.21) e do próximo.

10 Por isso, uma vez em que um louco jogou pedras nos frades, um irmão se expôs às pedradas, preferindo ser atingido para que não fosse ferido um companheiro.

11 Fundados na caridade (cf. Ef 3,17) e na humildade, um respeitava o outro como seu senhor.

12 Quem sobressaía entre eles pelo ofício ou pela graça parecia mais humilde e vil que os demais. 

13 Se por acaso dizia algo que desagradasse ao outro, não podia descansar enquanto não lhe confessasse sua culpa com a maior humildade. 

14 Gostavam de se reunir, tinham mais prazer em estar, e para todos a separação era pesada, amargo o afastamento; 

15 mas nada ousavam antepor à santa obediência os tão obedientes cavaleiros que, não sabendo fazer qualquer distinção nas coisas que lhes eram mandadas, iam logo fazer tudo que lhes era mandado, sem contradizer. 

16 Porque achavam que tudo que lhes era ordenado era mandado por vontade do Senhor, e por isso lhes era suave e fácil cumprir tudo.

17 Pediam com solicitude que não fossem enviados às terras de onde eram provenientes, para observarem a palavra do profeta: Tornei-me estrangeiro para os meus irmãos peregrino para os filhos de minha mãe (Sl 68,9).

18 Estavam sempre na alegria de espírito, porque não tinham motivo de perturbação. 

19 Nas tribulações, como homens em posição de grande lucro, exultavam e rezavam a Deus pelos seus perseguidores (cf. Mt 5,44). Muitos, ao verem isto, se convertiam a eles. 

20 Quando os ricos deste mundo se dirigiam a eles, acolhiam-nos alegre e bondosamente, para afastá-los do mal e incentivá-los à penitência.

21 Onde encontravam pessoas, nas estradas ou nas praças, exortavam-nas a amar e temer seu Criador. 

22 Preferiam hospedar-se em casas de sacerdotes mais que em casas de seculares importantes.

23 Quando não podiam estar aí ficar, perguntavam se havia no lugar alguém temente a Deus, com quem pudessem hospedar-se mais honestamente. 

24 E, mesmo sendo muito pobres, sempre eram abertos ao partilhar as esmolas que lhes eram dadas com todos os que lhes pediam.

25 Desprezavam tão valorosamente as coisas terrenas que mal admitiam receber o extremamente necessário à vida, contentes só com a túnica, às vezes remendada por dentro e por fora, com calções vis e uma corda grosseira como cíngulo. 

26 Nada havia rebuscado no hábito, mas muito desprezo e vileza.

27 Muitas vezes, quando não encontravam de noite a hospedagem necessária, escondiam-se em grutas e fornos; de dia, trabalhando todos com as próprias mãos em lugares honestos nos ofícios que tinham aprendido, incentivavam a todos, com que estavam, ao exemplo da humildade e da paciência. 

28 E de tal modo haviam sido revestidos pela virtude da paciência que, muitas vezes, sofrendo opróbrios e afrontas, açoitados, despidos, suportavam tão humildemente tudo isso, sem se valer da proteção de ninguém, que na boca deles não ressoava senão a voz dos louvores e da ação de graças (cf. Is 51,3).

29 Dificilmente ou nunca descuidavam do louvor de Deus, mas, recolhendo em revisão diária tudo o que haviam feito, davam graças a Deus pelas boas ações, gemiam e choravam pelas negligenciadas e incautamente cometidas. 

30 Achavam que tinham sido abandonados por Deus quando não sentiam que tinham sido visitados pela costumeira piedade no espírito de devoção. 

31 Quando queriam aplicar-se às orações, para que a oração não fosse perturbada pelo engano furtivo do sono, providenciavam para si diversos recursos.

32 Se alguém lhes roubasse algum alimento ou bebida, pelo cansaço da viagem ou por outra causa, - como acontece -, mortificavam-se com a abstinência de muitos dias. 

33 Esforçavam-se por reprimir os impulsos carnais com tanta mortificação que muitas vezes não tinham medo de se despir no gelo nem de se banhar em sangue nas pontas dos espinhos. 

34 Cada um buscava tão grande tormento que parecia odiar a si mesmo. 

35 Conservando a paz e a mansidão para com todos, evitavam todos os escândalos com o máximo cuidado.

36 Pensavam sobre si mesmos com humildade; sobre os outros, principalmente os sacerdotes, com piedade. 

37 Quando um sacerdote disse a um irmão: “Trata de não ser hipócrita”, ele se julgou hipócrita, dizendo: “Foi um sacerdote que disse; pode um sacerdote mentir?” 

38 Lamentava-se, triste e ansioso, até que o santo justificou habilmente a palavra do sacerdote.

39 Refreavam a língua com admirável esforço de silêncio; pois só falavam quando necessário, e de sua boca não procedia nada de inconveniente ou ocioso.

40 Mantinham todos os sentidos tão mortificados que dificilmente lhes agradava ver ou ouvir alguma coisa, a não ser o que o propósito da Religião pedia. 

41 Seu aspecto era simples, o andar modesto; com os olhos fixos na terra, tinham a mente no céu.

42 Pois o santo ensinava-os que deviam mortificar não somente os vícios da carne, mas também os sentidos exteriores, pelos quais a morte entra na alma. 

43 Por isso, quando o Imperador Otão passou com grande pompa por aquelas regiões para receber a coroa do império, o santíssimo pai, permanecendo com os demais no predito tugúrio perto da estrada por onde passaria, não saiu para vê-lo nem permitiu a ninguém que olhasse, com exceção de um, para que lhe anunciasse constantemente que essa glória lhe duraria pouco. 

44 Ele tinha uma vigorosa autoridade apostólica, e por isso não sabia adular reis e príncipes.

45 Também examinava diligentemente os irmãos todos os dias, e não deixava nada impune se surpreendesse alguma coisa feita com pouco empenho, e afastava deles toda negligência. 

46 E os irmãos esforçavam-se por cumprir com a maior eficácia não somente as coisas que ele lhes dizia como conselho fraterno ou como ordem paterna, mas também as que, às vezes, eles percebiam por algum indício que ele queria. 

47 Pois dizia, induzindo-os à perfeição, que a verdadeira obediência consistia em obedecer não só à palavra do prelado, mas também o que sabiam que ele queria. 

48 Enchera assim os frades de santa simplicidade, e estavam tão possuídos pela pureza de coração, que ignoravam completamente a duplicidade de espírito, porque, assim como neles havia uma só fé, assim também havia um só espírito (cf. Ef 4,4.5), uma só vontade e concórdia de costumes, uma só conformidade das mentes e piedade das ações.

49 Estes são os ensinamentos do piedoso pai, com os quais formava os novos filhos não só com a língua, mas com obras e na verdade (cf. 1Jo 3,18) e nos quais renovava o propósito e o esforço da vida apostólica. 

50 Para que o aprovado fosse aprovado também no céu, mostrou-se a um homem santo por uma visão que os bem-aventurados apóstolos Pedro e Paulo, dando graças todos os dias ao Senhor Jesus pela renovação da vida deles, oravam pela conservação desta Religião. 

51 Quando o bem-aventurado Francisco soube disso, falou:  “Se os bem-aventurados Pedro e Paulo oram todos os dias por nós, é digno que também nós os veneremos com reverência cotidiana”.

52 Foi por isso que, na memória dos apóstolos que se faz em cada hora no oficio da Bem-aventurada Virgem, estes dois apóstolos são expressamente nomeados, quando antes, segundo o costume da Igreja romana, só se fazia naquelas orações a memória geral de todos os apóstolos. 

53 Então, às orações “Protegei, Senhor” e “Atendei-nos, ó Deus” foi acrescentado: dos vossos Apóstolos Pedro e Paulo, quando antes se dizia:de todos os vossos apóstolos, etc.