LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • Bernardo de Bessa
  • Livro dos Louvores de São Francisco

TEXTO ORIGINAL

Liber de Laudibus Beati Francisci - 6

Caput VI - De occupatione

6 1 Instabat vir sanctus semper in bono proficere, tepidos et nulli se negotio familiariter applicantes cito ex ore Domini evomendos (cfr. Apoc 3,16) esse commemorans. 2 Nullus apparere coram eo poterat otiosus, quin mordaci eum dente corrigeret. 3 Volebat, ut fratres semper vel orationi, vel alicui bonae operationi vacarent. 4 Gavisus est audiens, fratres in quodam eremitorio Hispaniae ad hoc sic divisisse tempus, ut hebdomadis pars una curae domesticae, altera contemplationi vacaret. 5 Ubi die quadam, cum unus de contemplantibus non venisset ad mensam, inventus est in cella humi prostratus et in modum crucis extensus nec anhelitu nec motu, quod vivus esset, apparens, ardebat ad caput eius et pedes unum candelabrum cellam fulgore miro modo illustrans;6 dimissus in pace, lumine subito disparente, redit frater in hominem et ad mensam protinus veniens dixit culpam suam de mora.

7 Contra morbum accidiae Sanctus dicebat: “Servus Dei pro aliquo, ut assolet, perturbatus illico ad orationem surgere debet et tamdiu coram summo Patre persistere, donec reddat ei sui salutaris laetitiam (cfr. Ps 50,4)”.

8 Occupabatur pro tempore circa praedicationem et proximorum salutem. 9 Quantum enim in doctrina et hominum conversione profecerit, soli notum est Deo, qui ad docendum et intelligendum Scripturas aperuit ei sensum (cfr. Luc 24,45).

10 Quidam Cardinalis de obscuris eum interrogans dixit: “Ego te non tamquam litteratum, sed tamquam spiritum Dei habentem (cfr. 1Cor 7,40) interrogo et tuae responsionis intellectum libenter accipio, quia ipsum a solo Deo scio procedere (cfr. Ioa 15,26; Mat 4,4)”. 11 De illo verbo Ezechielis: Si non annuntiaveris impio impietatem suam, animam eius de manu tua requiram (cfr. Ez 3,18), interrogatus, an singulis, quos in mortali esse scimus, annuntiare teneamur, dixit:12 “Si verbum universaliter debet intelligi, taliter ego accipio, quod servus Dei (cfr. Dan 6,20) sic debet vita et sanctitate ardere in se, ut luce (cfr. Ioa 5,35) exempli et lingua conversationis (cfr. 1Tim 4,12) omnes impios reprehendat. 13 Sic enim splendor vitae eius et odor famae ipsius annuntiabit omnibus iniquitatem eorum”.

14 Ipse quidem non solum docebat exemplo, verum etiam verbo signis sequentibus confirmato (cfr. Mar 16,20), de quibus in vita ipsius invenies. 15 Tango quod apud Alexandriam Lombardiae vulgatum est contigisse. 16 Invitatus a quodam Deum timente rogatusque, ut propter sancti Evangelii observantiam de omnibus appositis manducaret (cfr. Luc 10,8), ad mensam appositum sibi membrum caponis cuidam ad ostium propter Deum sibi subveniri simulate petenti, audito Dei nomine, suppositum pani transmisit.17 Quod ille nequam reservans, Sancto in crastinum praedicante, clamavit in populo dicens: “Talis est Franciscus iste, quem honoratis ut Sanctum. 18 Videte carnes, quas mihi sero, cum comederet, dedit”. 19 Tunc eum increpantibus omnibus, eo quod piscis videbatur quod asserebat membrum caponis, tandem et ipse miser obstupefactus miraculo, compulsus est confiteri quod ceteri fatebantur et coram omnibus veniam postulavit a Sancto exponens, quam habuerat nefariam voluntatem. 20 Redierunt autem carnes ad suam speciem, postquam rediit praevaricator ad (cfr. Is 46,8) mentem.

21 In expulsione daemonum et gratia sanitatum magna Sanctus potentia claruit. 22 In cruce maxime eius opera erant. Nam per signum crucis caecos illuminavit, pellebat daemones variosque remediabat languores. 23 Apud Ortas vir quidam strumam ad similitudinem magni panis inter scapulas gerens ab eo signatus sic fuit subito plenarie liberatus, ut nec vestigium aliquod remaneret.

24 Sed et populorum fervens devotio panes ei et res comestibiles ad benedicendum saepius offerebat, quibus longo tempore divino munere sine corruptione servatis, ad eorum gustum corpora morbida curabantur. 25 Nam et probatum est, pervalidas tonitruorum et grandinum tempestates horum virtute repelli. 26 Sic a chordae vel vestium eius tactione fugabantur morbi, fugiebant febres et salus concupita redibat.

27 Cum venisset ipse ad militis cuiusdam hospitium, cuius unicus filius submersus et diu quaesitus, non poterat inveniri funebrium iuvenis, et lugentium gemitibus pio ut erat pectore miseratus, cum iam tempus adesset, quo sua Christus mirabilia pro fidei catholicae quam vir sanctus praedicabat confirmatione ostenderet, 28 fusis ad eum sicut piis ita et devotis, ut consueverat, precibus, et certum locum, quo mortuus per vestem detinebatur in flumine, designando et inventum, illo qui suscitat mortuos invocato, mirabiliter suscitando domum a duplici perhibetur absolvisse moerore. 29 Ecce fidelis servus, misericordem Dominum imitatus, qui matris filium viduae unicum, motus misericordia (cfr. Luc 7,12-14), suscitavit! Ecce alter Helias et Eliseus, qui hospitum filios suscitasse leguntur!

30 Parebant et sibi ratione carentia. Inter alia, cum semel eius praedicationem ranae tumultuantes in lacu prope fores ecclesiae impedirent, silentium illis, ut et ipse Deum laudare posset, indixit. 31 Quae ulterius tacuerunt, donec alio postmodum tempore ad eandem reversus ecclesiam, cum eas post verbum suum semper tacuisse didicisset, praecepit, ut suum laudarent more solito Creatorem, dolens, quod ipsas tanto tempore retardasset. 32 Duo haec, scilicet de ranis et iuvene suscitato, longaevi temporis senes ad partes deferentes se vidisse testati sunt; unus, frater Veritas dicebatur, cuius sepulcrum fertur miraculis illustrari.

33 Parere quoque ipsa insensibilia videbantur. Celebrato semel apud Assisium capitulo generali, frater Monaldus et alii XXX circiter fratres remanserant, beato Francisco de salute animae locuturi. 34 Quibus ipse in crastino recedere volentibus prandium dari iussit.35 Dispensatore vero non nisi unum modicum panem habente, misit ad Claram pauper Franciscus, ut pro dicto prandio, si quos haberet, mitteret sibi panes.36 Ipsa tres solum panes tunc habuit et duos misit. Quos ille cum alio modico in minutas divisos particulas mensae apposuit dicens: “Iste est panis caritatis”.37 Quid plura? Ex tribus panibus satiati sunt fratres illi et de residuo unum plenum capisterium est sublatum.

38 Plura sunt signa, quae nec memoria nec scriptura iam tenet, quibus suum Christus signiferum et praeconem Franciscum insigniens eius doctrinam vere indubitabili certitudine comprobavit. 39 Nos autem otium, quod est mors animae, non labores in doctrina et aliis, cum ad laborandum venerimus, declinemus; exemplo Patris, immo ipsius Christi docemur, qui fuit pauper et in laboribus a inventute (cfr. Ps 87,16) sua.40 Legi de quodam fratre, qui qualibet die L Psalmos dicebat, ut eum Dominus a poena purgatorü custodiret. 41 Nocte quadam, cum in orationibus pernoctaret, apparuit ei Salvator cum beata Virgine et ad dexteram Christi partem erat crux magna attingens usque ad coelum. 42 Et ait Dominus illi oranti: “Labora secure et poenitentiam age, quia ego, dum essem in mundo, semper in labore fui”. 43 Nos ergo Christum et sanctum Franciscum in labore sequamur, ut eis in requie coniungamur. 44 Laboriosus dominus servum non diligit otiosum.

TEXTO TRADUZIDO

Livro dos Louvores de São Francisco - 6

Capítulo VI - A ocupação

6 1 O santo homem insistia sempre em progredir no bem, lembrando que os tíbios e os que não se dedicavam assiduamente a nenhuma ocupação seriam logo vomitados da boca (cf. Ap 3,16) do Senhor.2 Ninguém podia apresentar-se ocioso diante dele, sem que ele o corrigisse de maneira mordaz. 3 Queria que os frades se dedicassem sempre ou à oração ou a alguma boa obra. 4 Alegrou-se ao ouvir que os irmãos, num eremitério da Espanha, tinham de tal modo dividido o tempo que uma parte da semana era dedicada aos cuidados domésticos e a outra à contemplação. 5 Lá, certo dia, como um dos que contemplavam não tivesse vindo à mesa, foi encontrado na cela prostrado no chão e estendido em forma de cruz, não parecendo, nem pela respiração nem pelo movimento, que estivesse vivo. Ardia à cabeça e aos pés dele um candelabro que de modo admirável iluminava a cela com fulgor; 6 tendo sido deixado em paz, ao desaparecer subitamente a luz, o irmão voltou a si e, indo diretamente à mesa, confessou a sua culpa pela demora.

7 Contra a doença da acídia o santo dizia: “O servo de Deus, perturbado por causa de alguma coisa, como acontece, deve levantar-se imediatamente para rezar e persistir diante do sumo Pai, até que ele lhe restitua a alegria de sua salvação” (cf. Sl 50,14).

8 Ocupava-se, conforme o tempo, com a pregação e com a salvação do próximo. 9 Pois, quanto progrediu no ensinamento e na conversão dos homens só é dado saber a Deus, que lhe abriu a inteligência para ensinar e entender as Escrituras (cf. Lc 24,45).

10 Um cardeal, interrogando-o sobre pontos obscuros, disse: “Eu te interrogo não como letrado, mas como quem tem o espírito de Deus (cf. 1Cor 7,40), e aceito de boa vontade o sentido de tua resposta, porque sei que procede unicamente de Deus” (cf. Jo 15,26; Mt 4,4). 11 Questionado se somos obrigados a alertar a cada um que sabemos estar em pecado mortal, em vista da palavra de Ezequiel: Se não denunciares ao ímpio a sua impiedade, pedirei à tua mão contas da alma dele (cf. Ez 3,18), ele disse: 12 “Se a palavra deve ser entendida de modo universal, eu entendo que o servo de Deus (cf. Dn 6,20) tanto deve arder dentro si pela vida e pela santidade que repreenda a todos os ímpios pela luz (cf. Jo 5,35) do exemplo e pela linguagem do modo de vida (cf. 1Tm 4,12). 13 Assim, pois, o esplendor de sua vida e o odor da sua fama denunciarão a todos as iniquidades deles”.

14 Ele mesmo ensinava não só pelo exemplo, mas também pela palavra, confirmada com os sinais que a acompanhavam (cf. Mc 16,20), alguns dos quais encontrarás na vida dele. 15 Trato do que se divulgou ter acontecido em Alexandria da Lombardia.16 Convidado por um temente a Deus e rogado para que comesse de tudo o que fosse colocado à mesa (cf. Lc 10,8) por causa da observância do santo Evangelho, ao ouvir o nome de Deus, ele deu, colocando-o sobre o pão, um pedaço do frango que lhe fora servido, a alguém que lhe pedia com fingimento que o ajudasse por amor de Deus. 17 Aquele malvado guardou-o e, estando o santo a pregar no dia seguinte, clamou no meio do povo, dizendo: “Esse é o Francisco que honrais como santo. 18 Vede a carne que me deu à tarde, quando comia”. 19 Então, repreendendo-o todos, pelo fato de que parecia peixe o que ele asseverava ser um pedaço de frango, estupefato também ele pelo milagre, finalmente foi compelido a confessar o que os outros afirmavam e pediu perdão ao santo diante de todos, expondo a má intenção que tivera. 20 E a carne voltou à sua forma, depois que o pecador voltou (cf. Is 46,8) à razão.

21 Foi famoso o grande poder do santo na expulsão de demônios e na graça das curas. 22 Usava principalmente a cruz. Pois, por meio do sinal-da-cruz, iluminava cegos, expulsava demônios e curava várias doenças. 23 Em Orte, um homem portador de uma escrófula semelhante a um grande pão entre as espáduas, foi de repente plenamente libertado quando ele o tocou, de modo que não sobrou nenhum vestígio.

24 Mas a fervorosa devoção das pessoas oferecia-lhe também muitas vezes pães e coisas comestíveis para benzer. Por meio delas, conservadas por graça divina por longo tempo sem se corromperem, curavam-se os doentes que as provavam. 25 Também ficou provado que enormes tempestades de trovoadas e granizos foram repelidas por sua virtude. 26 Assim pelo toque de seu cordão ou roupas as doenças eram afastadas, fugiam as febres e voltava a saúde desejada.

27 Uma vez chegou à hospedaria de um cavaleiro, cujo filho único se afogara e, longamente procurado, não se pôde encontrar o cadáver do jovem. Por seu terno coração, compadecido dos gemidos dos que choravam, e como já tinha chegado o tempo em que Cristo confirmaria suas maravilhas em prol da fé católica que o santo homem pregava, 28 dirigindo a Cristo piedosas e devotas preces, como costumava, conta-se que libertou a casa de duas tristezas, pois indicou o lugar exato em que o morto estava preso pela roupa no rio e, depois de invocar aquele que ressuscita os mortos, ressuscitou admiravelmente o que foi encontrado. 29 Eis o servo fiel a imitar o misericordioso Senhor que, movido de misericórdia, ressuscitou o filho único da mãe viúva (cf. Lc 7,12-14). Eis outro Elias outro Eliseu que, como se lê, ressuscitaram os filhos dos hospedeiros!

30 Até os irracionais lhe obedeciam. Entre outros casos, uma vez, rãs barulhentas no lago perto da igreja lhe impediam a pregação. Ele lhes impôs silêncio, para que também pudesse louvar a Deus.31 Elas se calaram. Até que, em outra ocasião, quando voltou à mesma igreja e ficou sabendo que se haviam calado definitivamente depois que ele mandou, ordenou que louvassem o Criador a seu modo, lamentando-se por tê-las retardado tanto tempo.32 Velhos dos tempos antigos, contando por toda parte, testemunharam que viram estes dois episódios, o das rãs e o do jovem ressuscitado. Um se chamava Frei Véritas, cujo sepulcro se diz ser iluminado por milagres.

33 Pareciam obedecer-lhe até os seres insensíveis. Uma vez, celebrado em Assis o Capítulo geral, Frei Monaldo e outros trinta frades ficaram para falar com o bem-aventurado Francisco sobre a salvação da alma.34 Como iam embora no dia seguinte, mandou que lhes dessem almoço. 35 O despenseiro só tinha um único pão pequeno, o pobre Francisco mandou pedir a Clara que lhe enviasse pães para esse almoço, caso os tivesse. 36 Ela estava só com três pães, e mandou dois. Ele os colocou à mesa juntamente com o outro pão pequeno, divididos em partes diminutas, dizendo: “Este é o pão da caridade”. 37 O que mais? Aqueles irmãos se saciaram com os três pães, e do que sobrou se recolheu uma peneira cheia.

38 Muitos são os sinais, que já nem a memória nem a escrita conservam, pelos quais Cristo, tornando insigne seu porta-bandeira e arauto, comprovou com certeza verdadeiramente indubitável o seu ensinamento. 39 Nós, porém, afastemos o ócio que é a morte da alma, não os trabalhos do ensino e de outras ocupações, pois viemos para trabalhar; somos instruídos pelo exemplo do pai, ou melhor, do próprio Cristo que foi pobre e trabalhou desde a sua juventude (cf. S1 87, 16). 40 Li a respeito de um irmão que diariamente rezava 50 salmos para que o Senhor o guardasse da pena do purgatório. 41 Certa vez, ao passar a noite em oração, apareceu-lhe o Salvador, com a Bem-aventurada Virgem, e ao lado direito de Cristo havia uma grande cruz que chegava até ao céu.42 E o Senhor disse ao que rezava “Trabalha com segurança e faz penitência, porque eu, enquanto estava no mundo, sempre trabalhei”. 43 Portanto, sigamos o Cristo e São Francisco no trabalho, para nos unirmos a eles no descanso. 44 O Senhor laborioso não ama o servo ocioso.