LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Liber de Laudibus Beati Francisci - 7

    Caput VII - De tribus Ordinibus

    7 1 Doctrinae Francisci elucet maxime fructus in tribus ab eo statutis Ordinibus.

    2 Primus est fratrum Minorum, cuius propositum est secundum Evangelium in paupertate et humilitate Domino famulari et poenitentiam praedicare. 3 Hunc vero Deo acceptum innumera in professoribus signa testantur. 4 Quis enim enarrare sufficiat, quantis in eis et per eos miraculorum prodigiis illustraverit Dominus statum istum! 5 Veniam autem ad visiones et expressas vocationes, revelationes vel paucas, quae a personis delatae fidelibus memoriae iam occurrunt, per quas professionis huius perfectionem dignatus est Dominus evidentissime comprobare.

    6 Narrabat sanctae memoriae pater frater Haymo, quondam Generalis Minister, fuisse quendam in Anglia Praesulem, qui raptus in visu ad coelicas mansiones nec ibi fratres Minores inter Religiosos alios videns, cum super hoc miraretur, apparens ei pulcherrima dominarum beatissima Dei Mater occurrit, [et] quid animo volverit, inquisivit. 7 Cui cum Episcopus super hoc mirari se diceret, quod nullos in illa beatitudine fratres Minores videret, quos tantos militans Dei Ecclesia reputaret; respondit: “Veni mecum et ego tibi, ubi maneant, indicabo”. 8 Et ostendens ei fratres Christo Domino familiariter adhaerentes: “Vide, inquit, sub alis Iudicis sunt, salva cum istis animam tuam”.9 Considerans Episcopus visionis gratiam et Matris Dei consilium salutare fratrum Minorum ingressus est Ordinem, annuente domino Gregorio Papa IX.

    10 Quidam Religiosi sub pallio beatae Virginis referuntur ostensi; ita et fratres ab ipsa Dei Matre sub velamento alarum Filii Dei ostenduntur tamquam utrique Cherubini bini et conformes.

    11 Praesul ante dictus creditur fuisse dominus Radulphus, de cuius constat ingressu, magister in theologia et episcopus Herfordensis. 12 Praeter istum feruntur fuisse et alii duo Radulphi, ambo doctores theologi, quorum alter intravit Ordinem Parisius hoc modo. 13 Cum semel studens obdormisset ad librum, apparuit ei diabolus et visum sibi auferre comminans dixit: “Ego te cum stercoribus excaecabo”.

    14 Evigilans magister cum iterum dormitaret, diabolum in visu sibi eadem replicantem et verbo et digitis usque ad oculos repulit dicens: “Non tu me, sed ego te excaecabo”. 15 Et ecce die sequenti, cum sederet in cathedra lectionis, recepit ex Anglia litteras cuiusdam Episcopi pingues sibi reditus offerentis. 16 Et interpretans divitias stercora, quibus eum diabolus excaecare volebat, contemptis omnibus, fratrum Minorum Ordinem est ingressus.

    17 Iamdudum ego per Theotoniae partes et Flandriae cum Ministro transiens Generali celebri tunc, et post plures iterum annos repetita cum fratribus collatione accepi, quendam fuisse canonicum, venerabilem valde virum, ad ingressum Ordinis mira per visum curatione perductum. 18 Non omnes forte per multa iam tempora circumstantias teneo, sed de ingressu et curatione personae non dubius, probabile prout recolo factum narro. 19 Erat canonicus ille vir nobilis et reverenda persona, timens Dominum et beatae Euphemiae virgini speciali devotione subiectus.

    20 Qui quamvis delicatus et aetatis provectae iam esset, de salute tamen animae, quae solet in divitiis periclitari, sollicitus manumque ad fortia mittere (cfr. Prov 31,19) cupiens optabat, a Domino viam sibi salvationis ostendi, 21 iuxta verbum Prophetae dicentis: Vias tuas, Domine, demonstra mihi et semitas tuas edoce me (Ps 24,4). 22 Notam mihi fac viam in qua ambulem, quia ad te levavi animam meam (Ps 142,8).23 Per virginem quoque praefatam, quam in suam assumpserat advocatam, ad statum saluti suae congruum dirigi iugi supplicatione poscebat.

    24 Infudit tandem Dominus cordi eius, ut in beati Francisci Ordine mundo renuntiaret perfecte. 25 Erat autem infirmus et deformem in gutture strumam gerens; 26 propter quod eum Minister fratrum recipere differebat et a proposito suo caute, prout poterat, retrahebat commendans eius statum ut salutiferum et honestum et pro multis quae facere poterat bonis operibus fructuosum. 27 Percipiens ille diffugium et ob hoc non modicum contristatus, cum vice quadam se orationi dedisset, levis ei somnus obrepsit. 28 Et ecce beata cui devotus erat Euphemia in visu sibi cum claro virginum comitatu apparens Ordinis fratrum Minorum suasit ingressum, receptionis ipsum curando removit obstaculum, et quod Ordinem sustinere facile posset, curationem ipsam indubitabile dedit signum. 29 “Hoc, inquit, sit tibi pro signo, quod ab omni languore te curo”.

    30 Mox loco strumae aperto in gutture omnique tumoris illius proiecta foris materia, clausum demum aperturae locum manu superducta curavit virumque in omnibus plene restituit sanitati. 31 Evigilans dominus ille se perfecte curatum invenit. 32 Et receptus pro voto ad Ordinem fuit ibi sanctissime conversatus. 33 Qui tanta in Domino dicitur convaluisse virtute, ut nec senectute nec assuetis deliciis impeditus, labores Ordinis facile sustineret possetque longe amplius ire pedes, quam consueverat prius eques.

    34 Vir illustrissimus Iohannes imperator Constantinopolitanus beati Francisci habitum divina praemonitus revelatione suscepit. 35 Fertur ipse, fratribus suis singulos consequentibus comitatus, solus fuisse sine hereditate relictus, templi vel hospitalis militiae deputandus. 36 Sed cum esset iuvenis sicut genere clarus sic strenuitate conspicuus, Deo regente, prius regni Ierosolymitani, deinde imperii dignitatem adeptus, pluribus fuit honoribus illustratus generum habens ipsum imperatorem Romanum. 37 Fuit autem maximus fidei orthodoxae defensor et infidelium impugnator.

    38 Qui cum circa ultimum vitae suae recogitaret devote, quanta sibi [Deus] contulerat bona viventi, immissum [est] ei coelitus, ut creditur, desiderium maximum praesciendi, cuiusmodi finem concederet morienti. 39 Aliquanto tempore in hoc desiderio et ob hoc instanti ad Deum supplicatione perstiterat, cum nocte quadam illi apparuit dormienti venerabilis homo quidam albis indutus fratrum Minorum, habitum, chordam et soleas in manibus suis ferens et vocans imperatorem ex nomine: 40 “Iohannes, inquit, quia de fine tuo sollicite desideras modum scire, noveris, te in isto habitu moriturum et hoc esse voluntatis divinae”.

    41 Evigilans imperator et secundum hominem tantam sui futuram humiliationem horrescens eos, qui prope ipsum more regio quiescebant, clamoroso gemitu excitavit; quibus tamen occurrentibus indicati clamoris causam noluit indicare. 42 Sequenti nocte viri duo similiter albis induti sibi apparuerunt in somnis, praeostensum habitum, chordam quoque ac soleas deferentes et voluntatis divinae esse, quod [in] illo moreretur habitu, replicantes. 43 Horruit ut prius spiritus eius et expergefactus ingemiscendo clamavit, nec tamen causam festinantibus ad eum cubiculariis revelavit. 44 Tertia nocte tres similiter viri apparuerunt in visu, albis instar priorum induti, dictum sibi habitum, chordam et soleas afferentes et sicut prius de ipsius in illis futuro transitu repetentes et adiicientes dicebant:45 “Non credas, haec illusionem vel somnium vanum esse, sed sicut dicimus, in veritate complendum”.

    46 Excitatus imperator iubet statim, fratrem Angelum confessorem suum vocari. Qui veniens imperatorem in stratu suo lacrymantem invenit. Cui et dixit: “Scio, cur me vocastis, et de vobis eadem quae vobis est mihi visio revelata”. 47 Post paucos dies tertiana febris imperatorem arripuit et deliberato consilio, ingressus Ordinem iuxta visionis tenorem suos ibi dies feliciter consummavit. 48 Sed cum adhuc vivens infirmitatis et debilitatis gravedine impediretur a consuetis in Ordine humilitatis officiis exercendis, memorabili verbo devotum mentis affectum dicitur expressisse: 49 “O dulcissime Domine, inquit, Iesu Christe, utinam ego, qui deliciose in pompa saeculi vixi, in vestibus pretiosis indutus, modo in isto habitu eleemosynam cum sacco ad collum petendo te pauperem et humilem vere pauper et humilis sequi possem!”

    50 In quo vir tantus maximum reliquit exemplum, ut ad ea, quae sunt paupertatis et humilitatis, nec magni nec mediocres et multo minus alii erubescant.51 Implevit in hoc voto quod sibi nobiles in isto solent Ordine vindicare, ut scilicet humiliores et mitiores et simpliciores exsistant; nimirum mansuetudinis et humilitatis sobrietas maximum est nobilitatis insigne.52 Saepe ignobiles nobilitat gratia, et ex nobilibus ignobiles superbiae vel ignaviae facit noxa. 53 Et quid vilius quam ex nobili rusticus fieri? 54 Nec spernendi sunt infimi genere, quibus datum est Domino militare; nulla maior est nobilitas quam militem Christi esse.

    55 Sed ut coepta prosequar, felicis memoriae frater Gulielmus, Minister quondam Aquitaniae, referebat, quendam in urbe Carnoti fuisse magistrum per votum Ordini fratrum Minorum astrictum. 56 Qui tempus ad intrandum Ordinem fratribus assignatum transgressus, cum ad scaccos ante fores ecclesiae beatae Mariae Virginis luderet, subito visum amisit. 57 Quod cum sensisset, nec hoc adverterent circumstantes, ludum cum manu destruxit et vocans puerum, manu super eius humerum posita, ecclesiam introivit, 58 ubi ante Virginis altare prostratus Matri Dei cum fletu et devotione promisit, quod, si restitueret ei visum, ipse Ordinem fratrum Minorum sine dilatione intraret.

    59 Recepto mox lumine, venit ad fratres eisque diem, quo intraret Ordinem, assignavit. 60 Sed rursum transgrediens verbum suum, cum in eodem quo prius loco iterum luderet et iterum factus caecus intrasset ecclesiam sicut prius, post multas lacrymas, promissione beatae Virgini rursum facta, quod si amissum redderet sibi visum, intrare Ordinem ulterius non differret, tandem visum, sed tardius quam prima vice recepit. 61 Nihilominus tamen iterum est mentitus promissum Ordinis negligendo et procrastinando ingressum.

    62 Tertio ut prius factus caecus et ecclesiam ingressus ut prius coram altari Matris Dei devotissime flevit et visum iterum, licet multo tardius, solita iterato de ingressu Ordinis promissione, recepit. 63 Videns igitur, quia necesse haberet reddere votum suum, quod tantis experimentis probaverat, Deo et beatae Virgini fore gratum, narravit quae sibi contigerant omnia fratribus et Ordinem iuxta promissa intravit.

    64 Post ingressum Ordinis non omnino veterem deposuit hominem, nec communem Ordinis voluit sequi vitam. 65 Sub praetextu necessitatis semper calceatus incedere, in infirmitorio comedere, semper et in culcitra iacere volebat, hiemis tempore post Missam ad coquinam, ut se calefaceret, festinabat. 66 Cum sic fratres fere per duos annos infirmam eius conversationem, pro eo maxime quod honorabilis persona in saeculo fuerat, non sine magna displicentia tolerassent, nocte quadam ei per visum beatus Franciscus apparuit dicens: “Rogo te, fili, ut me aliquantulum portes”. 67 Renuit ille; “non possum, inquiens, te portare, cum sim debilis et infirmus et tu sis magnus et ponderosa persona”. Sed cum Sanctus nihilominus se ab eo rogaret portari, accipiens eum ille per tibias trahebat caput eius per terram.

    68 Beatus Franciscus clamabat dicens: “Laedis me, laedis me, male me portas”. Sed alio respondente: “Non possum aliter te portare”, tractus sic Sanctus multum conquerebatur de eo. 69 Mane facto intravit post Missam, ut consueverat, iste coquinam suumque ibi somnium recitavit. 70 Respondit discretus quidam frater hoc audiens [et] dixit ei: “Vere ita est, ut vidisti. Tu enim laedis et male portas beatum Franciscum, scilicet Ordinem suum, quem per terram trahis propter terrenam et infimam vitam, quam ducis carnaliter et inordinate vivendo”. 71 Qui cum fratris interpretationem audiret et intelligeret, verum esse, rediit ad cor suum, pelliciam et calceamenta deposuit, infirmitorium et plumarum mollitiem non curavit, sed communem Ordinis quam neglexerat vitam assumens conversus est in virum alterum, totus spiritualis et religiosus admodum factus et optimus deinde praedicator. 72 Iste, licet negligens differendo, non tamen omnino adversus a proposito videbatur.

    73 Sed exemplum terribile contra ingratos de vocatione ad Ordinem retro aspicientes animo indurato narravit, ut dicitur, venerabilis pater frater Iohannes Anglicus, qui post magisterium in theologia Parisius archiepiscopus Cantuariensis est factus. 74 Dicebat, quod clericus quidam Parisius Ordinem fratrum Minorum se intraturum promiserat; sed cum indui iam deberet, litteram de terra sua recepit, quod factus erat canonicus cuiusdam ecclesiae cathedralis. 75 Qui ab Ordinis ingressu resiliens, cum in ecclesia sua medium fere annum fuisset, gravem infirmitatem incurrit; et monitus a canonicis, ut sua confiteretur peccata, tamquam desperans confiteri nolebat.

    76 Tunc rogaverunt canonici fratres Minores, ut ad infirmum venirent eumque ad confessionem inducerent.77 Venientes autem fratres, cum [eum] valde iam debilem invenissent, ad confessionem de peccatis suis more boni Christiani et veri catholici faciendam, quanta poterant diligentia, monuerunt. 78 Quibus ille respondit: “Non me, fratres, super hoc moneatis. Ego enim damnatus sum; confiteri non possum. 79 Nam priusquam ad me venissetis, fui ante Dei conspectum adductus, qui valde mihi terribilem vultum ostendit et dixit: ‘Vocavi, et renuisti (cfr. Prov 1,24), et ideo vade ad poenas aeternas’”. 80 Et cum hoc dixisset, statim coram omnibus diem clausit extremum. 81 Vere iudicia Dei abyssus multa (cfr. Ps 35,7), nec scire quis potest, cur alium misericorditer liberat, alium iuste damnat.82 Quia tamen spirituum est ponderator Dominus (Prov 16,2), non tantum exteriora, ut homines, iudicat, sed interiora cordis infallibiliter intuetur.

    83 Non aestimo tam pro status approbatione quam pro perseverantiae commendatione tacendum quod Parisius contigisse accepi. 84 Ibi magister quidam Ordinem fratrum Minorum intravit, quem de eleemosynis mater sua nutriverat et sollicite de sua sustentaverat paupertate. 85 Doluit mater de filio, quem pro commodo temporali perditum reputabat. Venit ad ipsum, ut ad statum pristinum revocaret.86 Ostendit ei pectus et ubera, clamans et replicans, in quanta miseria eum nutriverat, alia quaeque proponens, quae ipsum poterant ad exitum provocare.87 Compassus filius matri suae concussus est animo et tentatus ita, quod in crastino proponebat exire.88 Quia tamen non agebat malitia, sed occulta diaboli fraude sub specie pietatis deceptus, orationi se dedit, ut consueverat, ante imaginem Crucifixi et dicebat Deo: “Nolo te dimittere, Domine, sed matri, quae me care in penuria magna nutrivit, intendo necessaria providere”.89 Cumque sic orans imaginem Crucifixi respiceret, vidit de lateris vulnere Crucifixi sanguinem emanare et audivit vocem Domini sic dicentis: “Ego carius te nutrivi quam mater et isto sanguine te redemi, nec me deberes dimittere propter matrem”. 90 Stupefactus ipse tam de sanguine quam de voce, omni tentatione devicta, remansit in Ordine, matri non immerito Christum praeponens dicentem in Evangelio: Qui amat patrem aut matrem plus quam me, non est me dignus (Mat 10,37).

    91 Giratherus de Barama, monachus Ordinis sancti Benedicti in monasterio suo non valens vivere, ut optabat, cum se propter hoc ad monasterium alind transtulisset nec ibi etiam optatam spiritus quietem inveniret, totum se contulit ad orandum, legens omni die psalterium et ieiunans, ut sibi Dominus viam salutis, per quam ei servire acceptabiliter posset, ostendere dignaretur. 92 Post plures vero dies in oratione et ieiunio consummatos vidit in somniis beatum Franciscum et ante ipsum Evangelii textum et suppositam Evangelio regulam. 93 Interrogans monachus et de his quae videbat instructus, mirabatur, regulam Evangelio supponi. “Propter hoc, ait Sanctus, Evangelio supponitur regula, quia super Evangelium est fundata”. 94 Multis itaque diebus orans monachus et ieiunans, scire affectans, si placeret Deo status, quem visio portendebat, rogabat supplex, ut, si sic esset, haec sibi visio iterum appareret.

    95 Cum sic orasset, apparuit ei iterum beatus Franciscus cum Evangelio et regula, sicut prius.96 Tertia nihilominus vice consuetum orandi et ieiunandi modum iterans monachus magis ac magis certior effici votis omnibus affectabat, si ostensus ei status acceptabilis Deo esset. 97 Et apparens ei beatus Franciscus eodem per omnia modo quo prius ipsum ad Ordinem recipere videbatur. 98 Patiebatur autem monachus ille gravem in tibia morbum et dixit beato Francisco: “Non credent mihi fratres neque recipient”. Et ait Sanctus: “De tibia tua curatus es et hoc pro testimonio erit tibi”. 99 Et sicut in somniis viderat sic evigilatus se curatum invenit. 100 Qui requirens Ordinem cum a Ministro minus receptibilis differretur, retulit visionem praemissam et ostensionem collati beneficii. 101 Itaque receptus ad Ordinem fuit religiosae conversationis et sancte in Coloniensi Provincia commoratus. 102 Hoc ad nos fratres illarum partium detulerunt.

    103 Religiosum fratrem, et quem probatum in Ordine novimus esse virum, per fratres, qui ab ipso audierant, retulisse accepi, quod quidam Cisterciensis frater ex monasterio quodam dioecesis Tolosanae ad eum veniens et petens ad beati Francisci Ordinem recipi, 104 dixit ei, quendam defunctum monasterii sui fratrem, quem viventem habuerat socium inter ceteros praedilectum, ad eum sicut ante mortem, cum infirmitate ultima laboraret, sub promissionis divinae conditione promiserat, nocte quadam venisse ipsumque vocasse ad capitulum conversorum.105 Quem cum amplexari dilectionis gratia voluisset, “non poteris, ait defunctus, me tangere vel videre”.106 Cum frater ab eo requireret, quid narraret et qualiter sibi esset, respondit: “Periculosum est vivere; mihi, ait, bene erit”. 107 “Nondum, inquit alius, tibi bene est?”. Respondit: “Nondum!”. Ostendit enim, se adhuc fore purgandum et suffragiis indigere.

    108 Requirente iterum fratre de statu Religionis suae et aliquorum Ordinum aliorum et de quibusdam Religiosis quam saecularibus sibi notis personis, regularium quorundam maxime Ordinum, multos damnari et personas illas, de quibus nominatim quaesierat, omnes, paucis exceptis, damnatas esse respondit. 109 Et de aliquibus damnationis exprimens causas familiaria multa dixit.

    110 Ego autem status, quos de plurium damnatione notavit, non exprimo, quia omne, quod aliis derogat, si causa non urget, melius subticetur. Omnes enim boni sunt Ordines, si serventur; 111 De fratribus vero Minoribus requisitus dixit, se nullum damnatum vidisse adhuc et illos qui ad purgatorii locum descenderant, statim purgatos coelitus evolasse. 112 Socium autem ad perseverantiam commonens quaedam quae sibi tetigit vitia cavere suasit.

    113 Sic quod nunc attinet beati Francisci Ordinem paucis verbis non mediocriter extulit. 114 Si ex fine optimo libere assecuto praeambula status sinceritas ponderetur, praecedens meritum finis probat. 115 Nec mirum, si facile illi purgantur, qui pure viventes in extrema paupertate, in frigore et nuditate plurimisque laboribus allis propter Dominum suum agunt purgatorium in praesenti.

    116 Ecce testimonium de cuiusdam odio vel favore indebito non suspectum Ordini datum ab inferis, sicut per alias visiones de coelis.

    117 In Vasconia quendam magnae virtutis fratrem primum Gonsalvum, postea dictum Antonium, natione Hispanum, qui cum Cisterciensis Ordinis monachus esset, devote oranti pulcherrima specie ornatuque mirabilis fertur apparuisse puella, quae ipsum, ut secum contraheret, invitavit. 118 Quo fortiter respuente, pro eo quod monachus et castitatis esset professor, propter quod eum uxorem ducere non liceret; 119 “immo, inquit ipsa, oportet, ut me in sponsam assumas. Ego enim sub nomine Religionis fratrum Minorum, cuius speciem et typum gero, hoc loquor; quantum ad Religionem, intrando tibi desponsans, in ea salvaberis”. 120 Et dictis huiusmodi verbis disparuit.

    121 Alia vice vidit beatum Franciscum et cum eo alium sanctum fratrem Gulielmum, cuius vulgata miraculis [ossa] in ecclesia beati Francisci quiescunt.122 Vidit simul et lectum pulcherrimum, quem sanctus ille Gulielmus, cum esset ab eo interrogatus, beati Francisci esse respondit. 123 “Et ego, dicebat Antonius, in eo cubare volo, ut possim dicere, quod in lecto sic pulcro iacuerim”. 124 Post visionem huiusmodi cum monachi vellent eum in Abbatem assumere, Ordinem fratrum Minorum tamquam beati Francisci lectum intravit.

    125 Quem per Romanam Curiam instanter monachi repetentes, cum inter alia praetendissent, maiorem esse austeritatem Ordinis sui quam fratrum, fertur ipse dixisse: “Non venerunt isti ad Curiam mendicando et pedites sicut ego”. 126 Repulsis per summum Pontificem monachis, frater in Ordine remanens tantae devotionis dicitur exstitisse, ut lacrymas ad votum — quod dictu mirabile est — inter ipsos instantium sibi hominum tumultus haberet.

    127 Otiosa nunquam, sed de Deo iugiter et sic loquebatur ferventer, ut ebrius aliquando videretur, cum tamen vinum non nisi in sacrificio Domini, vel aliud inclinans [ad ebrietatem] biberet. 128 Tanto etiam animarum zelo fervebat, ut indefessus praedicationi et confessionibus audiendis insisteret.

    129 Docebat fratres pure confiteri, ferventer orare, verba otiosa vitare, quod si sic facerent, supra spem in virtute proficerent. 130 Huius actus et gratiae in miraculis sibi factae tempus requirunt.

    131 Nunc de vocatione propositum est. Sed accepta a Deo probatur esse Religio, ad quam ipse personas speciali vocat indicio et quam primo in viris perfectis tamquam in montibus sanctis (Ps 86,1) fundavit, clarissimis deinde personis tamquam politis lapidibus decoravit. 132 Intraverunt episcopi, abbates, archidiaconi et solemnes in theologia magistri; principes quoque ac proceres aliique innumeri dignitate, nobilitate et scientia conspicui; flos denique nobilitatis atque scientiae. 133 Si exemplum quaeritur, omissis omnibus aliis, magister et frater Alexander maior mundi clericus sive theologus suo fuisse tempore memoratur, et miles in armis valentior dominus Iohannes, rex et imperator praedictus, qui de imperatore factus est frater Minor, ut impleat Dominus in Francisco illud propheticum: Ego ante te ibo et gloriosos terrae humiliabo (Is 45,2).

    134 Fratres autem in Ordine probatissimos celebresque in theologia doctores quis numeret?135 Nec tacenda laus Christi humilia exaltantis, mirabiliter providentis, ut in Minorum Ordine maximus in dignitate ac probitate inveniretur miles, sic etiam maximus in theologia et philosophia magister. 136 et etiam maximus inventus est praedicator, videlicet magister frater Iohannes de Rupella dictus, religiositate, scientia et discretione clarissimus tantique ingenii, ut propriorum magistrorum subtilitati adiiciens praedicationis et lectoriae in theologica Facultate artem et modos traderet exquisitos. 137 Erant eius et dicti Alexandri solemnia et utilia valde scripta.

    138 Fuit enim post eum venerabilis pater frater Odo Rigaldi genere clarus, sed clarior moribus, magister in theologia, similiter deinde Rothomagensis ecclesiae archipraesul, famosissimus praedicator. 139 Qui tractus et coactus ad Curiam, vita et doctrina ut prius in Ordine sic excellenter in regimine fulsit, ut forma Praesulum censeretur.

    140 Secundus a beato Francisco institutus Ordo est virginum et continentium matronarum, cuius propositum est Deo sub clausura perpetuo in silentio et carnis maceratione servire. 141 Prima fuit beata Clara, devotissima beati Francisci discipula. 142 Quas videns ipse iuxta doctrinam suam sanctissime conversantes sub professione altissimae paupertatis, ei et aliis in simili conversatione profitentibus paupertatem suum et fratrum consilium auxiliumque promisit. 143 Idem paupertatis propositum beata Clara semper eiusque usque hodie monasterium tenuit.

    144 Tertius Ordo est fratrum et sororum de poenitentia, clericis, laicis, virginibus, viduis et coniugatis communis, cuius propositum est in domibus propriis honeste vivere, operibus pietatis intendere, pompam saeculi fugere. 145 Unde videas inter eos nobiles aliquando milites vel alios magnos secundum saeculum viros cum mantellis honestis nigris pellibus involutos, in humili tam veste quam equitatura cum indigentibus sic conversari modeste, ut eos vere Deum timentes non dubites. 146 Istis a principio frater assignabatur Minister, sed nunc suis in terra dimittuntur Ministris, ut tamen a fratribus tamquam confratres et eodem patre geniti consiliis et auxiliis foveantur.

    147 In regulis seu vivendi formis Ordinis istorum dictandis sanctae memoriae dominus Papa Gregorius in minori adhuc officio constitutus, beato Francisco intima familiaritate coniunctus, devote supplebat quod viro sancto iudicandi scientia deerat. 148 Nec tamen Sanctus his contentus Ordinibus satagebat omnium hominum generi salutis et poenitentiae viam dare.149 Unde parochiali cuidam sacerdoti dicenti sibi, quod vellet suus, retenta tamen ecclesia, frater esse, dato vivendi et induendi modo, dicitur indixisse, ut annuatim, collectis ecclesiae fructibus, daret pro Deo quod de praeteritis superesset.

    150 Sic Dominus servum suum Franciscum fecit crescere in gentem magnam (cfr. Gen 12,2), sic benedictionem omnium gentium dedit illi (cfr. Sir 44,25).

    TEXTO TRADUZIDO

    Livro dos Louvores de São Francisco - 7

    Capítulo VII - As três Ordens

    7 1 O fruto do ensinamento de Francisco brilha principalmente nas três Ordens por ele fundadas.

    2 A primeira é a dos Frades Menores, cujo propósito é servir ao Senhor em pobreza e humildade e pregar a penitência. 3 Que esta é aceita por Deus foi confirmado por inúmeros sinais dos que a professaram. 4 Pois, quem poderia contar com quantos prodígios e milagres o Senhor iluminou este estado neles e por eles? 5 Vamos ver as visões e vocações expressas, ou  as revelações, por poucas que sejam, que já são recordadas por pessoas fiéis, pelas quais o Senhor se dignou comprovar da maneira mais evidente a perfeição desta profissão.

    6 Narrava o padre Frei Haymon, de santa memória, outrora ministro geral, que houve na Inglaterra um bispo que, arrebatado em visão às mansões celestiais, não viu os frades menores entre os outros religiosos. Quando se admirou, apareceu e veio ao seu encontro a mais bela das senhoras, a Beatíssima Mãe de Deus, e perguntou o que ele estava pensando. 7 Como o bispo lhe disse que se admirava de não ver naquela beatitude nenhum frade menor, que ele achava serem tantos a militar na Igreja de Deus, ela respondeu: “Vem comigo, e eu te indicarei onde estão”. 8 E, mostrando-lhe os irmãos familiarmente unidos ao Cristo Senhor, disse: “Vê, estão sob proteção do Juiz, salva com eles a tua alma”. 9 Considerando graça da visão e o salutar conselho da Mãe de Deus, o bispo entrou na Ordem dos Frades Menores, com a anuência do senhor Papa Gregório IX.

    10 Alguns religiosos são apresentados sob o manto da Bem-aventurada Virgem; assim também os frades são mostrados pela própria Mãe de Deus envoltos pela proteção das asas do Filho de Deus, como os querubins, dois a dois e semelhantes.

    11 Crê-se que o referido prelado tenha sido o senhor Rodolfo, cujo ingresso consta, mestre em teologia e bispo de Hereford. 12 Além deste, conta-se ter havido outros dois Rodolfos, ambos doutores teólogos, um dos quais entrou na Ordem em Paris, deste modo: 13 Uma vez, ao estudar, dormiu sobre o livro, apareceu-lhe o demônio e, ameaçando tirar-lhe a visão, disse: “Eu te cegarei com esterco!

    14 Quando acordou, por ter cochilado mais uma vez, o mestre o repeliu o demônio que repetia as mesmas coisas pondo-lhe o dedo nos olhos e dizendo: “Tu não, sou eu que vou te cegar”. 15 E eis que no dia seguinte, quando se sentou na cátedra de lente, recebeu da Inglaterra uma carta de um bispo que lhe oferecia gordos rendimentos. 16 Interpretou as riquezas como esterco com que o demônio queria cegá-lo, desprezou tudo e entrou na Ordem dos Frades Menores.

    17 Há tempos, passei pela região da Alemanha e de Flandres com o então célebre ministro geral, e de novo, depois de muitos anos, em mais uma refeição com os frades, ouvi dizer que um cônego, homem muito venerável, fora levado a entrar na Ordem por uma admirável cura através de uma visão. 18 Pode ser que eu não me lembre de todas as circunstâncias por tanto tempo que passou, mas, sem duvidar da entrada e da cura da pessoa, conto o fato que provavelmente foi como lembro. 19 Aquele cônego era um homem nobre e reverendo, temente ao Senhor e dedicado à virgem Santa Eufêmia por devoção especial, .

    20 Embora fosse delicado e já de idade avançada, solícito pela salvação de sua alma, que costuma periclitar nas riquezas, e desejando lançar mão a coisas mais fortes (cf. Pr 31,19), desejava que lhe fosse mostrada pelo Senhor a via da salvação, 21 de acordo com a palavra do profeta que diz: Mostrai-me, Senhor, vossos caminhos e ensinai-me vossas veredas (Sl 24,4).22 Revelai-me vosso caminho que devo seguir, porque a vós eu elevarei a minha alma (Sl 142,8). 23 Por meio da mencionada virgem, que ele tomara como sua advogada, também pedia em contínua súplica para ser dirigido ao estado favorável à sua salvação.

    24 Finalmente, o Senhor infundiu-lhe no coração que renunciasse perfeitamente ao mundo na Ordem do bem-aventurado Francisco. 25 Mas ele era doente e tinha uma deforme escrófula na garganta. 26 Por isso, o ministro dos irmãos adiava recebê-lo e o afastava cautamente de seu propósito como podia, recomendando sua situação como salutar, honesta e frutuosa pelas muitas boas obras que podia fazer.27 Percebendo a evasiva e bem triste por isso, foi surpreendido uma vez na oração por um sono leve.28 Apareceu-lhe em visão a bem-aventurada Eufêmia, de quem era devoto, com luminosa comitiva de virgens, aconselhou-o a ingressar na Ordem dos Frades Menores, e removeu o obstáculo da sua admissão, curando-o. Deu a própria cura como sinal indubitável de que poderia facilmente agüentar a Ordem. Disse-lhe: 29 “Seja isto um sinal de que eu te curo de toda doença”.

    30 Em seguida, abriu-lhe o lugar da escrófula na garganta e, tirando toda a matéria daquele tumor, e com a mão colocada por cima curou o lugar da abertura finalmente fechado, restituindo-lhe plenamente a saúde. 31 Ao despertar, o senhor viu que estava perfeitamente curado. 32 E, recebido na Ordem em virtude do voto, aí viveu de maneira muito santa. 33 Diz-se que ele se restabeleceu no Senhor em tão grande vigor que, não impedido pela velhice nem pelas habituais coisas delicadas, suportava facilmente os trabalhos da Ordem e podia andar mais longe a pé do que antes costumava a cavalo.

    34 O muito ilustre João, imperador de Constantinopla, recebeu o hábito de São Francisco, previamente admoestado por revelação divina.35 Dizem que, tendo cada um de seus irmãos adquirido um condado, ele foi o único deixado sem herança, destinado à cavalaria do templo ou do hospital. 36 Mas, como era um jovem notável pela estirpe e distinto pelo vigor, estando Deus a guiá-lo, tendo adquirido primeiro a dignidade do reino de Jerusalém, depois a do império, fora celebrizado com muitas honras, tendo como genro o próprio imperador romano. 37 E foi grande defensor da fé ortodoxa e impugnador dos infiéis.

    38 Próximo ao fim da sua vida, ao meditar devotamente sobre quão grandes bens Deus lhe concedera em vida, foi-lhe enviado do céu, como se acredita, o maior desejo de já saber que tipo de fim lhe seria concedido ao morrer. 39 Permanecera firme nesse desejo por um tempo e por isso em contínua súplica a Deus, quando, numa noite, lhe apareceu, enquanto dormia, um venerável homem vestido de branco, trazendo nas mãos o hábito, o cordão e as sandálias dos Frades Menores, e, chamando o imperador pelo nome, disse: 40 “João, porque desejas tanto saber como será o teu fim, saibas que hás de morrer com  este hábito, e isto é da vontade divina”.

    41 Quando o imperador acordou e, por sentimento humano, temeu a humilhação que lhe adviria, despertou com um clamoroso gemido os que dormiam perto dele, como era costume dos reis. Mas não quis revelar aos que acorreram qual era a causa do grito.42 Na noite seguinte, dois homens semelhantemente vestidos de branco apareceram-lhe em sonhos, trazendo o hábito já mostrado, o cordão e as sandálias, repetindo que era da vontade divina que morresse naquele hábito. 43 Como antes, teve medo e, despertando, clamou gemendo; mas não revelou a causa aos camareiros que corriam para perto dele.44 Na terceira noite apareceram-lhe igualmente na visão três homens, vestidos de branco como os primeiros, trazendo-lhe o hábito, o cordão e as sandálias e, como antes, repetindo que com eles morreria. E acrescentaram: 45 “Não creias que isto é ilusão ou sonho vão, mas, como dizemos, deve realizar-se de verdade”.

    46 Quando acordou, o imperador mandou chamar imediatamente Frei Ângelo, seu confessor. Quando ele chegou, encontrou o imperador chorando em sua cama. E disse-lhe: “Sei por que me chamastes, e a respeito de vós foi-me revelada a mesma visão”.47 Depois de poucos dias, a febre terçã apanhou o imperador e, entrando na Ordem depois de ter tomado a resolução, de acordo como o teor da visão, consumou aí seus dias de maneira feliz: 48 Mas, enquanto ainda vivia, como estivesse impedido pelo agravamento da enfermidade e da fraqueza de exercer os habituais ofícios de humildade na Ordem, diz-se que expressou em memorável palavra o devoto afeto do espírito: 49 Disse: “Ó dulcíssimo Senhor Jesus Cristo, oxalá eu, que vivi de maneira delicada na pompa do mundo, vestido com roupas preciosas, agora, pedindo esmola neste hábito com um saco ao pescoço, possa, pobre e humilde de verdade, seguir a vós que sois pobre e humilde!”

    50 Nisto, tão grande homem deixou o maior exemplo para que, por estas coisas, que se referem à pobreza e à humildade, não se envergonhem nem os grandes nem os medíocres e muito menos os outros.51 Ele cumpriu neste voto o que os nobres costumam reivindicar para si nesta Ordem, a saber, ser mais humildes, mais mansos, mais simples; certamente, a virtude da mansidão e da humildade é a máxima insígnia da nobreza. 52 Muitas vezes, a graça enobrece os ignóbeis, e o mal da soberba e da indolência toma os nobres ignóbeis. 53 Que é mais vil do que de nobre passar a ser um rústico? 54 E não se devem desprezar os de estirpe mais baixa, aos quais o Senhor concedeu ser cavaleiros; nenhuma nobreza é maior do que ser cavaleiro de Cristo.

    55 Mas, para que eu possa continuar o que comecei, Frei Guilherme, de feliz memória, antigo ministro da Aquitânia, contava que na cidade de Chartres houve um mestre ligado por voto à Ordem dos Frades Menores. 56 Como não observou o tempo marcado pelos irmãos para entrar na Ordem, estava jogando xadrez diante da porta da igreja da Bem-aventurada Virgem Maria, quando perdeu de repente a visão. 57 Quando sentiu isso, que os circunstantes não perceberam, destruiu o jogo com a mão, chamou um menino, colocou a mão sobre o ombro dele e entrou na igreja, 58 onde, prostrado diante do altar da Virgem, prometeu à Mãe de Deus com choro e devoção que, se lhe restituísse a visão, ele entraria na Ordem dos Frades Menores sem adiar.

    59 Tendo recebido logo a luz, veio aos frades e marcou-lhes o dia em que entraria na Ordem. 60 Mas, transgredindo de novo a palavra, estava jogando de novo no mesmo lugar e ficou cego de novo. Entrou na igreja como antes e, depois de muitas lágrimas, e de ter feito de novo a promessa à Bem-aventurada Virgem de que, se lhe restituísse a visão perdida, não adiaria mais a entrada na Ordem, finalmente recebeu a visão, mas mais tarde do que na primeira vez.61 Mas estava mentindo novamente, negligenciando a promessa e adiando o ingresso na Ordem.

    62 Pela terceira vez, como antes, tornando-se cego e entrando na igreja, como antes, chorou mui devotamente diante do altar da Mãe de Deus e, com a habitual promessa a respeito de novo ingresso na Ordem, novamente recebeu a visão, embora muito mais tarde. 63 Vendo, portanto, que tinha que cumprir seu voto – que com tantas provas mostrara que seria agradável a Deus e à Bem-aventurada Virgem -, narrou aos irmãos tudo o que lhe acontecera e entrou na Ordem de acordo com as promessas.

    64 Depois do ingresso na Ordem, não depôs totalmente o velho homem nem quis seguir a vida comum da Ordem. 65 Sob pretexto de necessidade, queria sempre andar calçado, comer na enfermaria e deitar sempre no colchão; no tempo de inverno, depois da missa, ia depressa para a cozinha para se aquecer. 66 Como os irmãos tivessem tolerado por quase dois anos, nada contentes, seu doentio modo de vida, principalmente pelo fato de que fora pessoa respeitável no mundo, uma noite, o bem-aventurado Francisco apareceu-lhe numa visão, dizendo: “Rogo-te, filho, que me carregues um pouco”. 67 Ele recusou, dizendo: “Não posso carregar-te, porque sou fraco e doente, e tu és uma pessoa grande e pesada”. Mas como o santo, não obstante, rogasse para ser carregado, tomou-o pelas pernas e arrastava a cabeça dele pelo chão.

    68 O bem-aventurado Francisco gritava, dizendo: “Estás machucando, me estás machucando, me levas mal”. Mas, respondendo o outro: “Não posso carregar-te de outro jeito”, o santo, assim arrastado, muito se queixava dele. 69 De manhã, depois da missa, ele entrou na cozinha, como costumava e contou o seu sonho. 70 Um frade discreto ouviu e respondeu: “É assim mesmo como viste, pois machucas e carregas mal o bem-aventurado Francisco, isto é, a sua Ordem, que arrastas pelo chão por causa da vida terrena e má que levas, vivendo carnal e desordenadamente”.71 Ele, ao ouvir a interpretação do irmão e ao compreender que era verdade, caiu em si, tirou a pele e os calçados, não se importou mais com a enfermaria e o colchão de penas. Assumindo a vida comum da Ordem, que descuidara, converteu-se em outro homem, tornando-se todo espiritual e inteiramente religioso e, em seguida, ótimo pregador. 72 Ainda que fosse negligente adiando muitas coisas, não parecia totalmente desviado do propósito.

    73 Um exemplo terrível contra os ingratos diante da vocação à Ordem, que olham para trás com espírito endurecido, foi contado pelo venerável padre Frei João, inglês, que depois de ter sido mestre em Paris foi nomeado arcebispo de Cantuária. 74 Dizia que um clérigo em Paris prometera que entraria na Ordem dos Frades Menores; mas, quando já devia receber o hábito, recebeu uma carta de sua terra porque fora nomeado cônego de uma catedral. 75 Deixou de lado o ingresso na Ordem, mas, depois de ter estado quase meio ano em sua igreja, contraiu grave enfermidade; e, admoestado pelos cônegos a que confessasse seus pecados, ele, como que desesperado, não queria confessar-se.

    76 Então, os cônegos rogaram aos Frades Menores que viessem ter com o enfermo e o induzissem à confissão. 77 Quando os irmãos chegaram, encontrando-o já muito fraco, admoestaram-no, com toda diligência que puderam, a fazer a confissão de seus pecados como bom cristão e verdadeiro católico.78 Ele lhes respondeu: “Irmãos, não me admoesteis por isso. 79 Pois estou condenado; não posso confessar-me. Pois, antes que tivésseis vindo a mim, fui conduzido diante da face de Deus que me mostrou um rosto muito terrível e disse: “Chamei, e recusaste (cf. Pr 1,24), e por isso, vais para as penas eternas”.80 E, depois de ter dito isto, imediatamente, diante de todos concluiu seu último dia. 81 Verdadeiramente, os julgamentos de Deus são grande abismo (cf. Sl 35,7), e ninguém pode saber por que ele com misericórdia liberta a um e com justiça condena a outro. 82 Porque é o Senhor quem pesa os espíritos (Pr 16,2), julga não só as coisas exteriores, como os homens, mas entende infalivelmente as coisas interiores do coração.

    83 Creio que não devo calar o que ouvi que aconteceu em Paris, tanto para comprovar a situação quanto para recomendar a perseverança. 84 Lá, entrou na Ordem dos Frades Menores um mestre, cuja mãe o nutrira com esmolas e cuidadosamente sustentara em sua pobreza. 85 A mãe lamentou-se pelo filho, a quem ela julgava perdido para o proveito temporal. Foi ter com ele, para chamá-lo de volta ao estado antigo. 86 Mostrou-lhe o peito e os seios, clamando e dizendo repetidamente em quanta miséria o nutrira, propondo todas as outras coisas que podiam provocá-lo a sair. 87 O filho, compadecido de sua mãe, ficou de espírito abalado e de tal modo tentado que se propunha a sair no dia seguinte. 88 Mas como não agia por malícia, e sim enganado por oculta fraude do demônio sob pretexto de compaixão, entregou-se à oração, como costumava, diante da imagem do Crucificado e dizia a Deus: “Não quero deixar-vos, Senhor, mas pretendo providenciar as coisas necessárias para minha mãe, que em grande penúria me nutriu a elevado preço”. 89 E, assim rezando, ao olhar a imagem do Crucificado, viu jorrar sangue da chaga do lado do Crucificado e ouviu a voz do Senhor que assim dizia: “Eu te nutri a preço mais elevado do que tua mãe e te remi com este sangue, e não deves deixar-me por causa de tua mãe”. 90 Ele, estupefato tanto pelo sangue quanto pela voz, tendo vencido toda tentação, permaneceu na Ordem, antepondo, não sem mérito, à sua mãe o Cristo que diz no Evangelho: Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim (Mt 10,37).

    91 Girater de Barama, monge da Ordem de São Bento, não conseguindo viver em seu mosteiro como desejava, transferiu-se por isso a outro mosteiro e não encontrando aí a desejada tranqüilidade de espírito, entregou-se totalmente à oração, lendo o dia inteiro o saltério e jejuando para que o Senhor se dignasse mostrar-lhe a via da salvação pela qual pudesse servi-lo de maneira aceitável. 92 Depois de muitos dias passados em oração e jejum, viu em sonhos o bem-aventurado Francisco e, diante dele, o texto do Evangelho e a regra colocada debaixo do Evangelho. 93 O monge, questionando sobre o que via, e instruído, admirava-se de que a regra estivesse colocada debaixo do Evangelho. Disse o santo: “A regra está colocada debaixo do Evangelho, porque está fundada sobre o Evangelho”. 94 E assim, o monge, orando e jejuando por muitos dias, desejando ardentemente saber se agradava a Deus o estado que a visão pressagiava, rogava suplicante que, se assim fosse, esta visão lhe aparecesse de novo.

    95 Estava orando assim quando lhe apareceu de novo o bem-aventurado Francisco com o Evangelho e a regra, como antes. 96 Mas na terceira vez, o monge, reiterando o habitual modo de rezar e jejuar, desejava cada vez mais ficar mais seguro de que o estado que lhe fora mostrado era agradável a Deus.97 Aparecendo-lhe o bem-aventurado Francisco em tudo do mesmo modo que antes, parecia recebê-lo na Ordem. 98 Mas o monge sofria grave doença na perna e disse ao bem-aventurado Francisco: “Os frades não crerão em mim nem me receberão”. O santo disse: “Estás curado de tua perna, e isto te servirá como testemunho”, 99 Quando acordou viu que, como no sonho, estava curado. 100 Quando procurou a Ordem, ao ser considerado pelo ministro como menos digno de ser recebido, relatou a predita visão e mostrou o beneficio concedido. 101 E assim, recebido na Ordem, teve um comportamento religioso e viveu santamente na província de Colônia. 102 Foram os frades dessa região que nos contaram isso.

    103 Ouvi dizer que um frade religioso, que soubemos pelos frades ser um homem provado na Ordem, que tinham ouvido dele que um irmão cisterciense de um mosteiro da diocese de Toulouse, vindo ter com ele e pedindo para ser recebido na Ordem de São Francisco, 104 lhe disse que um irmão falecido de seu mosteiro, a quem enquanto vivo tinha como companheiro predileto entre os demais, e lhe prometera na última enfermidade, sob condição de promessa divina, numa certa noite veio a ele como antes da morte, e o chamou-o ao capítulo dos conversos. 105 Como quisesse abraçá-lo por causa por seu afeto, disse o falecido: “Não poderás tocar-me ou ver-me”. 106 Como o irmão lhe perguntasse o que tinha para contar e como passava, respondeu: “É perigoso viver; ficarei bom”. 107 Disse o outro: “Ainda não estás bem?” Respondeu: Ainda não!” Mostrou, pois, que ainda deveria purificar-se e que lhe faltavam sufrágios.

    108 Perguntando de novo o irmão sobre a situação de sua Religião e de algumas outras Ordens e a respeito de alguns religiosos, bem como de pessoas seculares que lhe eram conhecidas, respondeu que, muitos, principalmente de algumas Ordens regulares, estavam condenados, e que todas aquelas pessoas, sobre as quais perguntara nominalmente, excetuando-se poucas, estavam condenadas. 109 E disse muitas coisas conhecidas, descrevendo as causas da condenação de alguns.

    110 Eu, porém, não descrevo os estados que ele notou sobre a condenação de muitos, porque é melhor calar tudo que rebaixa os outros, se a causa não urge. Pois todas as Ordens são boas, se são observadas.111 Interrogado sobre os Frades Menores, disse que ainda não viu nenhum condenado e que aqueles que tinham descido ao purgatório voaram ao céu, imediatamente purificados. 112 E, admoestando o companheiro à perseverança, aconselhou-o a que se precavesse dos vícios que tinha.

    113 Assim, em poucas palavras, exaltou não pouco o que se refere à Ordem do bem-aventurado Francisco. 114 Se a partir de um ótimo objetivo alcançado com liberdade se avalia a sinceridade do anterior estado, o fim comprova o mérito precedente.115 E não é de se admirar se facilmente são purificados aqueles que fazem na vida presente seu purgatório, vivendo simplesmente na extrema pobreza, no frio e na nudez e em muitas outras fadigas por amor ao Senhor:

    116 Esse é um testemunho a respeito da Ordem dado por uma pessoa das regiões inferiores não suspeita de ódio ou de favor indevido, assim como por outras visões dos céus.

    117 Contam que na Gasconha houve um frade de grande virtude, antes chamado Gonçalo, depois Antônio, de nacionalidade espanhola. Quando era monge da Ordem Cisterciense, enquanto rezava devotamente, apareceu-lhe uma jovem belíssima pelo ornato e admirável pela beleza, que o convidou a unir-se com ela. 118 Resistindo fortemente, por ser monge, professava a castidade e por isso não poder casar-se, ela lhe disse: 119 “Pelo contrário, é necessário que me tomes por esposa. Pois eu falo isto em nome da Religião dos Frades Menores, de cuja beleza e imagem sou portadora; quanto à Religião, desposando-a ao entrar, nela te salvarás”. 120 E, tendo dito estas palavras, desapareceu.

    121 Outra vez, viu o bem-aventurado Francisco e com ele outro santo, Frei Guilherme, cujos ossos, conhecidos pelos milagres, repousam na igreja do bem-aventurado Francisco. 122 Viu também uma cama belíssima que, interrogado por ele, aquele santo Guilherme respondeu que era do bem-aventurado Francisco. Dizia Antônio: 123 “Eu quero me deitar nela, para poder dizer que estive deitado num leito tão belo”. 124 Depois desta visão, como os monges quisessem tomá-lo como abade, entrou na Ordem dos Frades Menores, como se fosse no leito do bem-aventurado Francisco.

    125 Os monges, chamando-o insistentemente de volta por meio da Cúria Romana, como tivessem alegado, entre outras coisas, que a austeridade de sua Ordem era maior do que a dos Frades conta-se que ele disse: “Estes não vieram à Cúria mendigando e a pé como eu”. 126 Tendo sido os monges repelidos pelo sumo pontífice, diz-se que ele, permanecendo frade na Ordem, foi de tão grande devoção que chorava, o que é admirável de se dizer, à súplica dos homens que insistiam com ele entre esses tumultos.

    127 De coisas ociosas nunca, mas falava de Deus contínua e tão fervorosamente que às vezes parecia ébrio, quando não bebia vinho, a não ser no sacrifício do Senhor, ou outra coisa que levasse à embriaguez.128 Ardia também em tão grande zelo pelas almas que se dedicava infatigável à pregação e a ouvir confissões.

    129 Ensinava os irmãos a se confessarem com pureza, a rezarem com fervor, a evitarem palavras ociosas, porque, se assim o fizessem, progrediriam na virtude mais do que podiam esperar. 130 Seus atos e as graças que recebeu em milagres requerem tempo.

    131 Agora, estamos falando de vocação. Uma Religião prova que é aceita por Deus quando ele mesmo chama as pessoas com revelação especial e ele próprio fundou primeiramente sobre homens perfeitos como sobre montanhas santas (cf. Sl 86,1) e, em seguida, ornou com pessoas notáveis como com pedras polidas. 132 Entraram bispos, abades, arquidiáconos e célebres mestres de teologia; também príncipes, próceres e inúmeros outros ilustres em dignidade, nobreza e ciência; em suma, a flor da nobreza e da ciência. 133 Se quisermos um exemplo, omitindo todos os outros, recorda-se que o mestre Frei Alexandre foi, em seu tempo, o maior clérigo e teólogo do mundo; também o senhor João, o predito rei e imperador, o cavaleiro mais valoroso nas armas, que de imperador se fez Frade Menor, para que o Senhor cumprisse em Francisco a palavra profética: Eu caminharei diante de ti e humilharei os gloriosos da terra(Is 45,2).

    134 E quem contaria os frades mais provados da Ordem e os célebres doutores em teologia? 135 E não se deve calar o louvor de Cristo que exalta os humildes, que providencia admiravelmente para que na Ordem dos Menores se encontre o maior cavaleiro em dignidade e honradez, assim como o maior mestre em filosofia e teologia 136 e também se encontrou o maior pregador, o mestre chamado Frei João de la Rochelle, notável pela religiosidade, pela ciência e discrição, de tão grande talento que, acrescentando a sutileza dos próprios mestres, ensinou na faculdade teológica a arte e métodos apurados de pregar e de lecionar. 137 Eram dele e do mencionado Alexandre escritos muito célebres e úteis.

    138 Depois dele, houve o venerável padre Frei Odo Rigaldi, de família notável e mais notável pelos costumes, mestre em teologia, depois também arcebispo da igreja de Ruão, famosíssimo pregador.139 Ele, coagido e arrastado à cúria, refulgiu no governo tão excelentemente pela vida e pela doutrina, como antes na Ordem, que era julgado o modelo dos bispos.

    140 A segunda Ordem fundada pelo bem-aventurado Francisco é a das virgens e senhoras continentes, cujo propósito é servir a Deus em clausura, em silêncio perpétuo e maceração da carne.141 A primeira foi a bem-aventurada Clara, discípula mui devota do bem-aventurado Francisco. 142 Ao ver que elas viviam de maneira muito santa de acordo com seu. ensinamento sob a profissão da mais alta pobreza, prometeu o conselho e auxílio seu e dos irmãos a ela e às outras que professavam a pobreza em semelhante modo de vida. 143 A bem-aventurada Clara manteve sempre o mesmo propósito de pobreza, e até hoje o mosteiro dela.

    144 A terceira Ordem é a dos irmãos e das irmãs da penitência, comum a clérigos, leigos, virgens, viúvos e casados, cujo propósito é viver honestamente nas próprias casas, aplicar-se às obras de piedade, fugir da pompa do mundo. 145 Por isso, entre eles podes ver às vezes nobres, cavaleiros ou outros grandes homens segundo o mundo, envolvidos com mantos discretos de peles negras, com roupa e montaria humildes, convivendo tão modestamente com indigentes que não se duvida que eles são verdadeiramente tementes a Deus. 146 No princípio, era-lhes designado um frade como ministro, mas agora são deixados a seus ministros na região, mas de modo que, como confrades e gerados pelo mesmo pai, são animados pelos frades com conselhos e auxílios.

    147 Para ditar as regras e formas de vida da Ordem deles, o senhor papa Gregório, de santa memória, constituído ainda em cargo menor, ligado ao bem-aventurado Francisco por íntima amizade, supria devotamente o que faltava ao santo homem na ciência de julgar. 148 Mas o santo, não contente com estas Ordens, esforçava-se por mostrar a todo o gênero humano o caminho da salvação e da penitência.149 Por isso, diz-se que a um sacerdote paroquial, que lhe dizia que queria ser um frade seu, mas mantendo a igreja, apresentou-lhe um modo de viver e de vestir-se, e fixou que anualmente, colhidos os frutos da igreja, desse segundo Deus o tivesse sobrado.

    150 Assim o Senhor fez seu servo Francisco crescer em grande nação (cf. Gn 12,2), assim lhe deu a bênção de todos os povos (cf. Sir 44,25).