LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Liber de Laudibus Beati Francisci - 9,4

    IV - De hydropicis et paralyticis.

    35 In Fanensi civitate quidam hydropicus morbo detentus per beatum Franciscum plene meruit liberari.

    36 Mulier Eugubina paralytica in lecto iacens, cum pro sui liberatione beati Francisci nomen tertio invocaret, restituta est sanitati.

    37 Puella quaedam de Arpino Soranae dioecesis paralysis morbo miserabiliter membris dissolutis oppressa, ad ecclesiam beati Francisci prope Vicum Album positam deportata, precibus et lacrymis ibi fusis, ab omni fuit infirmitatis periculo liberata.

    38 Iuvenis quidam in eodem castro cum paralysi esset detentus, ita quod oris ei clauserat ostium et oculos fecerat indirectos, ad iam dictam ecclesiam portatus, cum se movere non posset, matre pro ipso suppliciter exorante, priusquam veniret ad propria, redditus est pristinae sanitati.

    39 Petrus Greletanus, paralysis morbo perdita manu, os usque aurem retortum gerebat. Qui cum consiliis se exponeret medicorum, visum amisit pariter et auditum. Tandem beato Francisco se devovens ab omni morbo iam dicto exstitit liberatus.

    TEXTO TRADUZIDO

    Livro dos Louvores de São Francisco - 9,4

    IV - Hidrópicos e paralíticos

    35 Na cidade de Fano, um hidrópico, detido pela doença, mereceu ser plenamente libertado pelo bem-aventurado Francisco.

    36 Uma mulher de Gubbio, jazendo paralítica no leito, ao invocar três vezes o nome do bem-aventurado Francisco para sua libertação, recuperou a saúde.

    37 Uma menina de Arpino, na diocese de Sora, sofrendo muito com membros entrevados pela paralisia, levada à igreja do bem-aventurado Francisco, perto de Vicalvi, tendo aí derramado preces e lágrimas, foi libertada de toda provação da enfermidade.

    38 Um jovem, na mesma aldeia, estava detido pela paralisia, de tal modo que lhe fechava a abertura da boca e lhe tornava estrábicos os olhos; levado à já mencionada igreja, como não pudesse mover-se, rezando a mãe por ele de modo suplicante, ele recuperou a antiga saúde, antes de voltar para a própria casa.

    39 Pedro Greletano, com a mão perdida pela paralisia, tinha a boca retorcida até à orelha. Confiando nos conselhos dos médicos, perdeu a visão e a audição. Finalmente, consagrando-se ao bem-aventurado Francisco, foi libertado de toda essa doença.