LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Vita Sancti Francisci - 6

    6.

    1 Iam vir divino munere confirmatus pium mentis desiderium complere non distulit;

    2 sed facultate se temporis offerente, laetus exsurgens confidenter se crucis signo munivit, assumptisque secum pannis venalibus pretiosis, ad vicinam, quae Fulgineum dicitur, civitatem perrexit.

    3 Quibus ibidem cum equo cui insederat, venditis, onustus pecunia repedavit; cum statim in opere Dei fervens, piis illam pauperum usibus, piis aliarum necessitatum obsequiis mancipare disposuit.

    4 Iam tam graviter ipsa pecunia cor, a curis liberum esse procurans, offendit, quod et eius, quam velut arenam reputabat, gravamen non sustinens, quantocius illam deponere festinavit.

    5 Invenit itaque prope Assisium quamdam ecclesiam, olim in honore sancti Damiani constructam, sed iam ruinae prae nimia vetustate propinquam.

    6 Cuius ipse continuo necessitatem commiserans, reverenter introivit in illam.

    7 Ubi invento quodam paupere presbytero, primum illi reverentiam, manibus deosculatis, exhibuit; deinde pecuniam pro resarciendis ecclesiae parietibus obtulit.

    8 Videns autem sacerdos virum, quem totaliter paulo ante saeculo deditum noverat, vehementer in facto illius obstupuit; et ab eo sibi illudi existimans, pecuniam non recepit.

    9 Denique propositum suum plenius exponenti vix credens, ad ultimum ut secum morari posset instanter roganti consensit, pecuniam tamen metu parentum illius omnino recipere renuit.

    10 Quam ut refutari verus ille pecuniarum contemptor aspexit, in quadam fenestra deiectam veluti pulverem vilipendit.

    TEXTO TRADUZIDO

    Vida de São Francisco - 6

    6.

    1 Uma vez confirmado pelo dom divino, ele não adiou o cumprimento do piedoso desejo,

    2 mas, na primeira oportunidade que se ofereceu, ergueu-se alegre, armou-se confiantemente com o sinal da cruz e, tomando consigo tecidos preciosos para vender, foi para a cidade vizinha, chamada Foligno.

    3 Tendo lá vendido tudo que o que levara, inclusive o cavalo que montara, voltou a pé, carregado de dinheiro que , imediatamente fervoroso na obra de Deus, resolveu destinar aos piedosos usos dos pobres e a piedosas esmolas para outras necessidades.

    4 Mas aquele dinheiro já lhe machucava o coração que estava livre de cuidados: não agüentando mais o peso de uma coisas que para ele era areia, teve pressa de largá-lo quanto antes.

    5 Encontrou perto de Assis suma igreja, construída havia tempo em honra de São Damião, mas já quase arruinada de tão velha.

    6 Logo, comovido por sua necessidade, entrou nela reverentemente.

    7 Lá encontrou um pobre presbítero: mostrou-se primeiro reverente para com ele, beijando-lhe as mãos, e depois lhe ofereceu o dinheiro para restaurar as paredes da igreja.

    8 Vendo o sacerdote quem era o homem, que até pouco antes sabia que se entregava totalmente ao mundanismo, ficou muito admirado com o fato e, achando que estava sendo enganado por ele, não recebeu o dinheiros.

    9 De­pois que ele explicou melhor seu propósito, mal acreditando, aceitou seus insistentes pedidos de morar com ele; mas, por medo dos pais, recusou absolutamente rece­ber o dinheiro.

    10 Vendo que ele não aceitava, o verdadeiro desprezador do dinheiro atirou-o numa janela, desprezando-o como pó.