LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Vita Sancti Francisci - 39

    39.

    1 Confugiebant quoque saepius ad beatum Franciscum bestiae silvestres, veluti ad portum tutissimum, ac si ratione ductae ipsius erga se cognoscerent pietatis affectum.

    2 Nam cum moram faceret apud castellum nomine Graecium, quemdam lepusculum laqueo captum vivum a quodam fratre vidit adductum;

    3 ad quem pietate magna permotus, sic ait vir ille mitissimus: “Frater lepuscule, veni ad me! Quare sic te decipi permisisti?”.

    4 Qui dimissus a fratre, statim veluti securus ad virum Dei cucurrit et in sinu eius, domiti animalis more, quievit.

    5 Quoties autem a beato viro super terram depositus est ut abiret, toties ad illum, non aliam libertatem quaerendo, recurrit, donec tandem ad vicinum nemus ipsum a fratribus asportari praecepit.

    6 De cuniculo quoque, quod animal valde indomabile est, huic simile quiddam fecit, quando in insula laci Perusini tempore quodam mansit.

    TEXTO TRADUZIDO

    Vida de São Francisco - 39

    39.

    1 Muitas vezes, até os animais selvagens refugiavam-se junto do bem-aventurado Francisco, como um porto muito seguro e, guiados pela razão, soubessem do seu amor por eles.

    2 Uma vez, quando permanecia na vila de Greccio, viu que um frade carregava uma lebre viva capturada num laço.

    3 Movido por grande compaixão, aquele homem tão manso homem lhe disse: “Irmã lebrezinha, vem cá comigo! Por que te deixaste enganar assim?”

    4 Livrando-se do irmão, a lebrezinha correu logo até o homem de Deus e se abrigou tranqüilamente no seu regaço como um animal doméstico.

    5 E sempre que o homem de Deus a pu­nha no chão para que fosse embora, ela voltava para ele, como se não quisesse outra liberdade, até que ele mandou que os frades a levassem ao bosque vizinho.

    6 Com um coelhinho, que é um animal bastante indomável, também fez algo semelhante, quando esteve na ilha do lago de Perusa.