LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Vita Sancti Francisci - 46

    Caput X - De fructu praedicationis illius, et de devotione populi circa ipsum; et de quibusdam miraculis eius, et de solemnitate praesaepii et visione. 

    46. 1 Sanctus vir Dei Franciscus, eo tempore quo, ut dictum est, volucribus praedicavit, per civitates et castella longe lateque circuiens (cfr. Mat 9,35), tantorum divina virtute ad poenitentiam corda commovit, quod et aliquoties ad religionis habitum simul triginta recepit. 2 Tanto namque desiderio turmatim populus confluebat ad ipsum, ut si quis vel eius vestimenta (cfr. Mar 5,28) contingere posset, felicem se prae devotione permaxima reputaret. 3 Introeunte ipso civitatem aliquam vel castellum, pulsatis illum campanis solemniter exceperunt, et cum ingenti gaudio adventui eius unanimiter applaudentes, obviam sibi quandoque cum ramis arborum processerunt.4 Confundebatur haeretica pravitas, fides extollebatur catholica, quam non solum hic sanctus vita magnificavit et verbis, sed et plurimis extulit miraculorum prodigiis. 5 Nam et omnem languorem, divini nominis invocata virtute curavit, verbo magnifice daemones effugavit, nullaque oranti necessitatis seu periculi difficultas obsistere potuit.6 Cuius miracula etsi prolixiori tractatui reservemus, pauca tamen huic opuscolo breviter inseremus.

    TEXTO TRADUZIDO

    Vida de São Francisco - 46

    Capítulo X - O fruto de sua pregação e a devoção do povo para com ele; alguns de seus milagres, a solenidade do presépio e a visão. 

    46. 1 O santo homem de Deus, Francisco, no tempo que, como foi dito, pregou aos passarinhos, percorrendo as cidades e vi­las (Mt 9,35) por toda a parte, moveu por força divina os corações de tantas pessoas à penitência, que algumas vezes recebeu trinta ao mesmo tempo. 2 O povo acorria a ele em massa com tanta vontade que, pela imensa devoção, se considerava feliz se conseguisse tocar ao menos as suas vestes (Mc 5,28). 3 Quando ele entrava numa cidade ou vila, era recebido sole­nemente ao som dos sinos, e iam-lhe algumas vezes ao encontro com ramos de árvores, saudando unanimemente a sua chegada com grande ale­gria. 4Confundia-se a perversidade dos hereges, exaltava-se a fé católica que o santo não só engrandecera pela vida e pelas pa­lavras, mas também enaltecera com os prodígios dos milagres. 5 Invo­cando a força do nome divino, curava toda espécie de mal. Afugentava os demônios com a palavra e nenhuma dificuldade ou perigo podia resistir à sua oração. 6 Embora reservemos seus milagres para um trabalho mais amplo, mas inserir uns poucos, de maneira breve, neste opúsculo.