LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • Juliano de Spira
  • Vida de São Francisco

TEXTO ORIGINAL

Vita Sancti Francisci - 72

72. 1 Facta est igitur nox illa, in qua sanctus decessit, in divinis laudibus, in multitudine populi et luminarium claritate solemnis, donec, mane facto (cfr. Ioa 21,4), cum universis qui ex circumiacentibus locis copiose confluxerant, illic civitatis Assisii communitas tota convenit. 2 Sublatum ergo sacrum corpus cum hymnis et laudibus tubarumque clangoribus honorifica detulerunt, et sacras exsequias solemniter exsequentes, ramos arborum nihilominus in manibus acceperunt (cfr. Ioa 12,13; Mat 21,8). 3 Portantes autem filii pium patrem, ad ecclesiam Sancti Damiani, quem primam, ut dictum est, ipse construxerat, substiterunt; 4 eumque filiabus ipsius, quas ibidem plantaverat, pauperibus videlicet Dominabus et sacris virginibus, ostenderunt. 5 Et ecce pia mater illarum, prima scilicet illius religionis planta, re Clara et nomine, ad videndum corpus dilectissimi patris cum filiabus admissa, coepit miserande nimium plangere super illium (cfr. Zac 12,10), nimirum cui ex cunctis mortalibus tem irrecuperabile subtrahebatur solatium. 6 Sed et caeterae, quantum pudori virgineo licuit, complanxerunt; 7 tandemque singulae manus illius pretiosissimis gemmis ornatas deosculatae sunt; et sic efferendum, prout oportuit, cum dolore permaximo dimiserunt. 8 Tunc perlatum est in civitatem corpus sanctissimum et in loco, ubi primum litteras puerulus ipse didicerat, ubique postmodum primitus praedicaverat, est sepultum, 9 ut convenienter felix initium mediumque felicius ac felicissimam consummationem per hoc sibi confluxisse pateret in unum gloriae cumulum.

TEXTO TRADUZIDO

Vida de São Francisco - 72

72. 1 Ficou solene a noite em que o santo morreu pelos louvores divinos, pela multidão de pessoas e pela claridade das tochas. Chegada a manhã (Jo 21,4), unindo-se a todos os que tinham acorrido em grande número das localidades vizinhas, reuniu-se naquele lugar toda a comunidade da cidade de Assis. 2 Tomaram, então, o sagrado corpo e, entre hinos e louvores e ao som de trombetas, o carregaram em triunfo para realizar solene­mente as exéquias, tomando nas mãos ramos de árvores (Jo 12,13; Mt 21,8). 3 Carregando o piedoso pai, os filhos pararam primeiro na igreja de São Da­mião, que, como foi dito, foi a primeira a ser reconstruída 4 e o mostraram às suas filhas, as Senhoras Pobres e santas virgens que ele havia plantado ali. 5 E eis que a piedosa mãe dela, a primeira planta dessa religião, Clara de fato e de nome, admitida para ver o corpo do tão amado pai com suas filhas, começou a chorar sobre ele (Zc 12,10) abatida demais, porque, entre todos os mortais, perdia um consolo tão irrecuperável. 6 Choraram também as outras, quanto lhes permitiu o pudor virginal; 6 depois, cada uma beijou suas mãos ornadas com as mais preciosas jóias. 7 Afinal, tendo que levá-lo embora, como era preciso, separa­ram-se com enorme dor. 8 O santíssimo corpo foi, então, levado para a cidade e, por fim, sepultado no lugar em que ele estudara quando era criança, e, mais tarde, pregara pela primeira vez, 9 para que o feliz início, o meio mais feliz e o felicíssimo final pudessem con­venientemente confluir em um ponto alto de glória.