LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • Anônimo Perusino

TEXTO ORIGINAL

Anonimo Perusino - 20

20

1 Et multi qui videbant et audiebant eos, deceptores vel fatuos aestimabant. 2 Et aliquis inter eos dicebat: ‑ “Nolo eos in domum meam recipere, ne forte furentur res meas”. 3 Et propter hoc in multis locis inferebantur iniuriae multae eis. 4 Unde saepius hospitabantur in Ecclesiarum porticibus vel domorum.

5 Eodem tempore erant duo fratres apud civitatem Florentiae, qui per civitatem ibant hospitium exquirentes, et nullatenus poterant invenire. Venientes igitur ad quandam domum, cui quaedam porticus erat ante et in porticu clibanus quidam, qui dixerunt ad invicem: ‑ “Hic poterimus hospitari”. 7 Rogaverunt ergo dominam illius domus, ut in domo sua eos recipere dignaretur. 8 Qua statim hoc facere recusante, deprecati sunt eam ut vel iuxta clibanum eos illa nocte permitteret hospitari.

9 Quae concessit eis. Cum venisset autem vir eius et fratres in porticu iuxta clibanum respexisset, dixit ei: ‑ “Quare ribaldis istis hospitium contulisti?”. 10 Quae respondit: — “Ego eos in domo nolui hospitari, sed extra in porticu iacere permisi, nec inde nobis possent aliquid furari, nisi forte ligna”. 11 Et propter suspicionem istam noluerunt fratribus ad cooperiendum aliquid commodare, licet magnum eo tempore frigus esset.

12 Surgentes autem fratres nocte illa ad matutinum, ad magis vicinam sibi Ecclesiam perrexerunt.

TEXTO TRADUZIDO

Anônimo Perusino - 20

20

1 Muitos, ao vê-los e ouvi-los, achavam que eram uns impostores ou loucos. 2 Algum deles dizia: — “Não quero recebe-los em minha casa, para que não roubem o que é meu”. 3 E por isso, em muitos lugares, faziam-lhes muitas injúrias. 4 Por isso se alojavam mais vezes nos pórticos ou casas das igrejas.

5 Nesse tempo, na cidade de Florença, dois frades andavam procurando onde se hospedar na cidade mas não conseguiram encontrar nada. 6 Chegando a uma casa, que tinha na frente um alpendre com um forno, disseram um ao outro: “Podemos ficar aqui”. 7 Pediram à dona da casa que se dignasse recebê-los em sua casa. 8 Como ela se recusasse na mesma hora, suplicaram-lhe que os deixasse passar aquela noite junto do forno.

9 Ela consentiu. Mas quando o marido dela chegou e viu os frades perto do forno, disse-lhe: — “Por que deste hospedagem a esses malandros?”. 10 Ela respondeu: — “Não quis alojá-los dentro de casa, mas permiti que ficassem no alpendre: não poderão roubar-nos nada, a não ser lenha”. 11 Por causa dessa desconfiança, não quiseram emprestar aos frades nada para se cobrirem, lhes deram nada para cobrir-se, embora fizesse muito frio naquele tempo.

12 Durante a noite os frades se levantaram para Matinas, e foram à igreja próxima.