LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • Tomás de Celano
  • Primeira Vida (1Cel)

TEXTO ORIGINAL

Prima Vita (1Cel) - 32

 

Caput XIII - Quomodo primo regulam scripsit undecim habens fratres, et quomodo dominus Papa Inocentius eam confirmavit, et de visione arboris.

32. 
1 Videns beatus Franciscus quod Dominus Deus quotidie augeret numerum in idipsum (cfr. Act 2,47), scripsit sibi et fratribus suis, habitis et futuris, simpliciter et paucis verbis, vitae formam et regulam, sancti Evangelii praecipue sermonibus utens, ad cuius perfectionem solummodo inhiabat. 
2 Pauca tamen alia inseruit, quae omnino ad conversationis sanctae usum necessario imminebant. 
3 Venit proinde Romam cum omnibus dictis fratribus, desiderans nimium sibi a domino Papa Innocentio tertio, quae scripserat confirmari. 
4 Erat tunc temporis Romae venerabilis Assisinatus episcopus, nomine Guido, qui sanctum Franciscum et omnes fratres in omnibus honorabat, et speciali venerabatur dilectione. 
5 Cum vidisset sanctum Franciscum et fratres eius, causam nesciens, ipsorum adventum graviter tulit; timebat enim ne patriam propriam vellent deserere, in qua Dominus per servos suos iam coeperat maxima operari. 
6 Gaudebat plurimum tantos viros in suo episcopatu habere, de quorum vita et moribus maxime praesumebat. 
7 Sed audita causa et eorum intellecto proposito, gavisus est in Domino valde (cfr. Phip 4,10; Mat 2,10), spondens eis ad hoc dare consilium et subsidium ferre.
8 Accessit praeterea sanctus Franciscus ad reverendum dominum episcopum Sabinensem, nomine Iohannem de Sancto Paulo, qui inter alios Romanae curiae principes et maiores videbatur ‘terrena despicere et amare caelestia’. 
9 Qui eum benigne atque charitative suscipiens, ipsius voluntatem et propositum plurimum commendavit.

TEXTO TRADUZIDO

Primeira Vida (1Cel) - 32

 

Capítulo 13 - Como escreveu primeiro a Regra com apenas onze irmãos. Como o Papa Inocêncio a confirmou, e visão da árvore.

32. 
1 Vendo o bem-aventurado Francisco que o Senhor aumentava cada dia o seu número, escreveu para si e para seus irmãos, presentes e futuros, com simplicidade e com poucas palavras, uma forma e Regra de vida, usando principalmente expressões do santo Evangelho, pois vivê-lo perfeitamente era seu único desejo. 
2 Acrescentou contudo algumas poucas coisas, absolutamente necessárias para o andamento da vida religiosa. 
3 Depois foi a Roma com todos os referidos irmãos, desejando ardentemente que o Papa Inocêncio III confirmasse o que tinha escrito. 
4 Achava-se naquela ocasião em Roma o venerando bispo de Assis, Guido, que estimava muito São Francisco e todos os seus irmãos, e os venerava com particular afeto. 
5 Vendo ali São Francisco e seus irmãos, e desconhecendo o motivo, não gostou. Temia que quisessem abandonar sua terra, onde o Senhor já começara a fazer coisas extraordinárias por meio de seus servidores. 
6 Gostava muito de ter esses homens de valor em sua diocese e esperava muito de sua vida e de seus bons costumes. 
7 Mas quando soube a causa e compreendeu os seus propósitos, alegrou-se muito no Senhor e lhes prometeu seu apoio e influência. 
8 São Francisco também se apresentou ao senhor bispo de Sabina, João de São Paulo, que se destacava entre os outros príncipes e dignitários da Cúria Romana por “desprezar as coisas terrenas e aspirar às celestiais” Este o recebeu com "bondade e caridade” e elogiou bastante sua resolução e seus projetos.