LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Prima Vita (1Cel) - 35

    35. 
    1 Erat eis exsultatio magna, cum nihil viderent vel haberent quod eos posset vane seu carnaliter delectare. 
    2 Coeperunt propterea cum sancta paupertate ibidem habere commercium, et in defectu omnium quae sunt mundi (cfr. 1Cor 7,33) nimium consolati, disponebant, sicut ibi erant, ei ubique perpetuo adhaerere. 
    3 Et quia deposita omni solicitudine (cfr. 1Pet 5,7) terrenorum, sola eos divina consolatio delectabat, statuunt et confirmant, nullis tribulationibus agitati, nullis impulsi tentationibus, ab eius amplexibus (cfr. Qo 3,5) resilire. 
    4 Sed licet ipsius loci amoenitas, quae ad corrumpendum verum vigorem animi non mediocriter potest, eorum non detineret affectus, ne saltem longioris more assiduitas vel solum exterius eis aliquid proprietatis innecteret, loco ipso relicto, sequentes felicem patrem vallem Spoletanam tunc temporis intraverunt. 
    5 Conferebant pariter, veri cultores iustitiae, utrum inter homines conversari deberent, an ad loca solitaria se conferre. 
    6 Sed sanctus Franciscus, qui non de industria propria confidebat, sed sancta oratione omnia praeveniebat (cfr. Ps 87,14) negotia, elegit non sibi vivere soli, sed ei qui pro omnibus mortuus est (cfr. 2Cor 5,15), sciens se ad hoc missum ut Deo animas lucraretur quas diabolus conabatur auferre.

    TEXTO TRADUZIDO

    Primeira Vida (1Cel) - 35

    35. 
    1 Grande era seu regozijo por nada verem, nem possuírem que os pudesse prender às coisas vãs e agradáveis aos sentidos. 
    2 Por isso iniciaram aí sua aliança com a santa pobreza e, extraordinariamente consolados pela falta de todas as coisas que são do mundo, decidiram permanecer sempre e em toda parte unidos a ela, como estavam ali. 
    3 Pondo de lado toda solicitude pelos bens terrenos, só lhes interessava a consolação de Deus. Por isso resolveram com firmeza não se apartar dos braços da pobreza por maiores que fossem as tribulações e tentações. 
    4 Embora a amenidade daquele lugar, que bem lhes poderia debilitar não pouco o verdadeiro vigor do espírito, não os estivesse prendendo, eles o abandonaram para que uma permanência mais longa não tivesse nem exteriormente alguma aparência de posse, e, seguindo o feliz pai, entraram no vale de Espoleto daquele tempo. 
    5 Fiéis cultores da justiça, discutiam também se deveriam permanecer entre os homens ou retirar-se para lugares desertos. 
    6 Mas São Francisco, que não confiava em sua sabedoria mas prevenia tudo com a santa oração, preferiu não viver apenas para si mesmo, mas para aquele que morreu por todos, convencido de que tinha sido mandado para conquistar para Deus as almas que o demônio se empenhava em arrebatar.