LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Prima Vita (1Cel) - 36

    Caput XV - De fama beati Francisci et de conversione multorum ad Deum, et quomodo Ordo vocatus est fratrum Minorum, et qualiter religionem intrantes beatus Franciscus informabat.

    36. 
    1 Circuibat proinde fortissimus miles Christi Franciscus civitates et castella (cfr. Mat 9,35), non in persuasibilibus humanae sapientiae verbis, sed in doctrina et virtute spiritus (1Cor 2,4), annuntians regnum Dei, praedicans pacem (cfr. Mat 9,35; Act 10,36), docens salutem et poenitentiam in remissionem peccatorum (cfr. Mar 1,4). 
    2 Erat in omnibus fiducialius agens (cfr. Act 9,28) ex auctoritate apostolica sibi concessa, nullis utens adulationibus, nullis seductoriis blandimentis. 
    3 Nesciebat aliquorum culpas palpare sed pungere, nec vitam fovere peccantium sed aspera increpatione percutere, quoniam sibi primo suaserat opere quod verbis aliis suadebat; et non timens reprehensorem, veritatem fidentissime loquebatur, ita ut etiam litteratissimi viri, gloria et dignitate pollentes, eius mirarentur sermones et timore utili eius praesentia terrerentur. 
    4 Currebant viri, currebant et feminae, festinabant clerici, accelerabant religiosi, ut viderent et audirent sanctum Dei, qui homo alterius saeculi omnibus videbatur. 
    5 Omnis aetas omnisque sexus properabat cernere mirabilia, quae noviter Dominus per servum suum operabatur in mundo. 
    6 Videbatur certe tempore illo, sive per praesentiam sancti Francisci, sive per famam quaedam nova lux e caelo missa in terris, fugans universam tenebrarum caliginem, quae paene totam sic occupaverat regionem, ut vix aliquis sciret quo foret pergendum. 
    7 Sic enim alta profunditas oblivionis Dei et negligentiae sopor mandatorum eius fere omnes oppresserat, ut vix excitari a veteribus et inveteratis malis aliquatenus paterentur.

    TEXTO TRADUZIDO

    Primeira Vida (1Cel) - 36

    Capítulo 15 - Da fama de São Francisco e da conversão de muitos para Deus, e de como a Ordem se chamou dos Frades Menores. Como São Francisco instruía os que entravam na Ordem.

    36. 
    1 Valoroso soldado de Cristo, Francisco percorria as cidades e povoados anunciando o reino de Deus, proclamando a paz, pregando a salvação e a penitência para a remissão dos pecados, sem usar os argumentos da sabedoria humana, mas a doutrina e a força do Espírito. 
    2 Apoiado na autorização apostólica que lhe fora concedida, agia em tudo destemidamente, sem adular nem tentar seduzir ninguém com moleza. 
    3 Não sabia lisonjear as culpas de ninguém, mas pungi-las. Não tentava desculpar a vida dos pecadores, mas atacava-os com áspera reprimenda, tanto mais que tinha posto primeiro em prática as coisas que aconselhava aos outros. Sem medo de que o repreendessem, anunciava a verdade destemidamente, de maneira que até os homens mais letrados, que gozavam de renome e dignidade, admiravam seus sermões e em sua presença sentiam-se possuídos de temor salutar. 
    4 Acorriam homens e mulheres, clérigos e religiosos, para verem e ouvirem o santo de Deus, que a todos parecia um homem de outro mundo. 
    5 Sem distinção de idade ou sexo, corriam todos para assistir às maravilhas que Deus estava realizando outra vez por seu servo neste mundo. 
    6 Na verdade, parecia que, naquele tempo, tanto pela presença como pela simples fama de São Francisco, tivesse sido enviada uma luz nova do céu para a terra, espantando toda escuridão das trevas, que a tal ponto tinha ocupado quase toda a região, que mal dava para alguém saber onde se estava indo. 
    7 Tão profundos eram em quase todos o esquecimento de Deus e a negligência na observância de seus mandamentos, que quase não se conseguia afastar alguém um pouco de seus inveterados vícios.