LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • Tomás de Celano
  • Primeira Vida (1Cel)

TEXTO ORIGINAL

Prima Vita (1Cel) - 49

49. 
1 Quod vero alienorum cordium occulta cognoverit, inter multa quae multi saepius sunt experti, unum, de quo nulla potest exoriri dubitatio, in medium proferatur. 
2 Frater quidam, Riccerius nomine, nobilis genere sed nobilior moribus amator Dei et sui contemptor, cum pio spiritu et voluntate plenissima duceretur, ut sancti patris Francisci gratiam perfecte posset assequi et habere, timebat valde (cfr. Iudt 8,8), ne sanctus Franciscus eum occulto aliquo iudicio abhorreret, et sic a gratia dilectionis suae ipsum redderet alienum. 
3 Putabat frater ille, quoniam timoratus erat (cfr. Luc 2,25) quemcumque sanctus Franciscus intima charitate dilligeret, dignum etiam fore divinam gratiam promereri: e regione vero, cui non se benevolum ostenderet et placatum, arbitrabatur eum iram superni iudicis incursurum. 
4 Haec autem dictus frater volvebat in animo, haec secum frequenter tacitus (cfr. Gen 24,45) loquebatur, nulli prorsus revelans suae cogitationis arcanum.

TEXTO TRADUZIDO

Primeira Vida (1Cel) - 49

49. 
1 Para confirmar que conhecia os segredos dos corações, vou escolher, entre muitos, um caso que está acima de qualquer dúvida. 
2 Um frade, chamado Ricério, nobre de nascimento e mais ainda por sua vida, que amava a Deus e fazia pouco de si mesmo, queria piedosa e ardentemente conseguir todo afeto do santo pai Francisco e por isso tinha muito medo de que o santo deixasse de gostar dele por algum motivo oculto, privando-o assim do seu afeto. 
3 Muito timorato, julgava o frade que aquele a quem São Francisco muito amasse seria digno de merecer a graça de Deus. Pelo contrário, achava que mereceria o castigo do juiz eterno aquele que não merecesse sua benevolência e atenção. 
4 Estava sempre pensando nisso, e até falava consigo mesmo em silêncio, sem revelar a ninguém o seu segredo.