LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • Tomás de Celano
  • Primeira Vida (1Cel)

TEXTO ORIGINAL

Prima Vita (1Cel) - 58

 

Caput XXI - De praedicatione avium et obedientia creaturarum.

58. 
1 Interea dum, sicut dictum est, multi appositi sunt (cfr. Act 2,41) ad fratres, beatissimus pater Franciscus iter faciebat per vallem Spoletanam. 
2 Qui ad locum quemdam applicuit prope Mevanium, in quo diversis generis congregata erat avium maxima multitudo, columbarum videlicet, cornicularum et aliarum quae vulgo monaclae vocantur. 
3 Has cum vidisset beatissi-mus servus Dei Franciscus, quia homo maximi fervoris erat, magnum etiam circa inferiores et irrationabiles creaturas pietatis atque dulcedinis gerens affectum, alacriter cucurrit ad eas, in via sociis derelictis. 
4 Cum autem satis prope iam esset, videns quod eum praestolarentur, ipsas more solito salutavit. 
5 Sed admirans non modicum, quomodo aves non surrexissent in fugam, uti facere solent, ingenti repletus gaudio, humiliter deprecatus est eas, ut verbum Dei deberent audire. 
6 Et inter plura quae locutus est eis, haec quoque adiunxit: “Fratres mei, volucres, multum debetis laudare creatorem vestrum et ipsum diligere semper, qui dedit vobis plumas ad induendum, pennas ad volandum, et quidquid necesse fuit vobis. 
7 Nobiles vos fecit Deus inter creaturas suas et in puritate aeris vobis contulit mansionem, quoniam cum neque seminetis, neque metatis (cfr. Luc 12,24), ipse nihilominus sine omni vestra sollicitudine vos protegit et gubernat”. 
8 Ad haec aviculae illae, ut ipse dicebat et qui cum eo fuerant fratres, miro modo secundum naturam suam exsultantes, coeperunt extendere collum, protendere alas, aperire os et in illum respicere. 
9 Ipse vero transiens per medium illarum ibat (cfr. Luc 4,30) et revertebatur, cum tunica sua capita earum contingens et corpora. 
10 Benedixit denique ipsis et, signo crucis facto, licentiam tribuit ut ad locum alium transvolarent. 
11 Beatus autem pater ibat cum sociis suis per viam gaudens (cfr. Act 8,39), et gratias agebat Deo (cfr. Act 27,35), quem omnes creaturae confessione supplici venerantur. 
12 Cum esset iam simplex gratia non natura, coepit se negligentiae incusare, quod olim non praedicaverit avibus, postquam audirent tanta cum reverentia verbum Dei. 
13 Sicque factum est, ut ab illo die cuncta volatilia, cuncta animalia cunctaque reptilia et etiam creaturas quae non sentiunt, ad laudem et amorem Creatoris sollicitus hortaretur, quoniam quotidie, invocato nomine (cfr. Act 22,16) Salvatoris, propria experientia ipsarum obedientiam cognoscebat.

TEXTO TRADUZIDO

Primeira Vida (1Cel) - 58

Capítulo 21 - Da pregação aos pássaros e da obediência das criaturas.

58. 
1 Enquanto, como dissemos, eram muitos os que se juntavam aos irmãos, o santo pai Francisco percorria o vale de Espoleto. 
2 Chegando perto de Bevagna, encontrou uma multidão enorme de pássaros de todas as espécies, como pombas, gralhas e outras que vulgarmente chamam de corvos. 
3 Quando os viu, o servo de Deus Francisco, que era homem de grande fervor e tinha um afeto muito grande mesmo pelas criaturas inferiores e irracionais, correu alegremente para eles, deixando os companheiros no caminho. 
4 Aproximou-se e vendo que o esperavam sem medo, cumprimentou-os como era seu costume. 
5 Mas ficou muito admirado porque as aves não fugiram como fazem sempre e, cheio de alegria, pediu humildemente que ouvissem a palavra de Deus. 
6 Entre muitas outras coisas, disse-lhes o seguinte: Passarinhos, meus irmãos, vocês devem sempre louvar o seu Criador e amá-lo, porque lhes deu penas para vestir, asas para voar e tudo de que vocês precisam. 
7 Deus lhes deu um bom lugar entre as suas criaturas e lhes permitiu morar na limpidez do ar, pois embora vocês não semeiem nem colham, não precisam se preocupar porque Ele protege e guarda vocês”. 
8 Quando os passarinhos ouviram isso, conforme ele mesmo e seus companheiros contaram depois, fizeram uma festa à sua maneira, começando a espichar o pescoço, a abrir as asas e a olhar para ele. 
9 Ele ia e voltava pelo meio deles roçando a túnica por suas cabeças e corpos. 
10 Depois abençoou-os e, fazendo o sinal da cruz, deu-lhes licença para voar. 
11 Com os companheiros, o bem-aventurado pai continuou alegre pelo seu caminho, dando graças a Deus, a quem todas as criaturas louvam com humilde reconhecimento. 
12 Como já era um homem simples não pela natureza mas pela graça, começou a acusar-se de negligente por não ter pregado antes para as aves, que tinham ouvido a palavra de Deus com tanto respeito. 
13 Daí para frente, passou a exortar com solicitude todos os pássaros, animais, répteis e até as criaturas inanimadas a louvarem e amarem o Criador, já que, por experiência própria, comprovava todos os dias como obedeciam quando invocava o nome do Salvador.