LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Prima Vita (1Cel) - 62

    Caput XXII - De praedicatione ipsius apud Esculum, et quomodo per ea quae manu tetigerat, ipso absente, sanabantur infirmi.

    62. 
    1 Tempore illo in quo, sicut dictum est, venerabilis pater Franciscus volucribus praedicavit, civitates et castella (cfr. Mat 9,35) circuiens et ubique benedictionem semina spargens, ad civitatem Esculanam applicuit. 
    2 In qua cum verbum Dei more solito ferventissime loqueretur, immutatione dexterae Excelsi (Ps 76,11), tanta gratia et devotione pene universus populus est repletus, ut ad audiendum et videndum eum anhelantes omnes se invicem conculcarent (cfr. Luc 12,1). 
    3 Nam et triginta viri, clerici et laici, tunc temporis ab ipso sanctae religionis habitum susceperunt. 
    4 Tanta erat fides virorum et mulierum, tanta devotio mentis erga sanctum Dei, ut felicem se pronuntiaret qui saltem vel vestimentum eius (cfr. Mat 21,8) contingere potuisset. 
    5 Ingrediente ipso aliquam civitatem, laetabatur clerus, pulsabantur campanae, exsultabant viri, congaudebant feminae, applaudebant pueri, et saepe, ramis arborum sumptis, psallentes obviam ei procedebant. 
    6 Confundebatur haeretica pravitas, extollebatur fides Ecclesiae, et fidelibus iubilantibus, haeretici latitabant. 
    7 Nam tanta in eo apparebant insignia santitatis, quod nemo se illi audebat verbis opponere, cum ad ipsum solummodo respiceret frequentia populorum (cfr. Num 27,22). 
    8 Inter omnia et super omnia fidem sanctae Romanae Ecclesiae servandam, venerandam et imitandam fore censebat, in qua sola salus consistit omnium salvandorum. 
    9 Venerabatur sacerdotes et omnem ecclesiasticum ordinem nimio amplexabatur affectu.

    TEXTO TRADUZIDO

    Primeira Vida (1Cel) - 62

     

    Capítulo 22 - Da sua pregação em Áscoli, e de como doentes eram curados por objetos tocados por sua mão.

    62. 
    1 No tempo em que contamos que pregou aos pássaros, andava o venerável Pai pelas cidades e povoados e, espalhando as sementes de bênção por toda parte, chegou à cidade de Ascoli. 
    2 Pregou aí com todo o fervor, como costumava e, pela mão de Deus, o povo quase todo ficou tão cheio de graça e devoção para ouvi-lo e vê-lo que se atropelavam uns aos outros. 
    3 Nessa ocasião, trinta homens, clérigos e leigos, receberam de sua mão o hábito da Ordem. 
    4 Tanta era a fé dos homens e das mulheres, e tão grande a devoção pelo santo de Deus, que se tinha por feliz quem conseguia pelo menos tocar-lhe a roupa. 
    5 Quando entrava em alguma cidade, alegrava-se o clero, os sinos tocavam, exultavam os homens, festejavam as mulheres, as crianças batiam palmas e, muitas vezes, cortando ramos das árvores, iam cantando ao seu encontro. 
    6 Cobria-se de confusão a perversa heresia, triunfava a fé da Igreja e, enquanto os fiéis rejubilavam, os hereges se escondiam. 
    7 Pois nele se viam tantos sinais de santidade que ninguém ousava contradize-lo, porque a multidão só olhava para ele. 
    8 Ele mesmo insistia acima de tudo na conservação, respeito e prática da doutrina da santa Igreja Romana, na qual somente está a salvação para todos os que devem ser salvos. 
    9 Venerava os sacerdotes e reverenciava com profundo afeto toda a hierarquia eclesiástica.