LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • Tomás de Celano
  • Primeira Vida (1Cel)

TEXTO ORIGINAL

Prima Vita (1Cel) - 104

104. 
1 Videbat enim multos ad magisterii regimina convolare, quorum temeritatem detestans, ab huiusmodi peste sui exemplo revocare studebat eos. 
2 Dicebat enim bonum fore coram Deo et acceptabile curam gerere aliorum, et sollicitudinem animarum aiebat eos suscipere decere, qui dumtaxat in ea nihil de suo quaererent (cfr. Phip 2,21) sed divinam semper in omnibus attenderent voluntatem. 
3 Qui videlicet propriae saluti nihil praeponerent et subditorum non applausus attenderent sed profectus, non coram hominibus pompam sed gloriam ante Deum (cfr. Rom 4,2); 
4 qui praelationem non affectarent sed timerent; quos habita non extolleret sed humiliaret, et ablata non deiceret sed exaltaret. 
5 Sed praecipue in tempore hoc, in quo tantum superexcrevit malitia et superabundavit (cfr. 2The 1,3) iniquitas, periculosum dicebat regere, regi vero affirmabat utilius. 
6 Dolebat quosdam prima opera (cfr. Apoc 2,5) reliquisse, et novis adinventionibus pristinam oblitos esse simplicitatem. 
7 Propterea lamentabatur eos qui quandoque magis superioribus toto desiderio intendebant, ad infima et vilia descendisse, et per frivola et inania in campo vacuae libertatis, relictis veris gaudiis, discurrere et vagare. 
8 Orabat proinde divinam clementiam pro liberatione filiorum, et conservari eos in data gratia (cfr. Rom 12,3) devotissime precabatur.

TEXTO TRADUZIDO

Primeira Vida (1Cel) - 104

104. 
1 Percebendo que muitos queriam alcançar cargos e honrarias e detestando sua temeridade, tentou afastá-los dessa peste por seu próprio exemplo. 
2 Dizia que seria coisa aceitável e boa diante de Deus assumir o governo dos outros mas só deveriam assumir o cuidado das almas os que em tal ofício não buscavam seus interesses mas acima de tudo atendiam à vontade de Deus. 
3 Que não deveriam antepor coisa nenhuma à sua própria salvação nem esperar de seus súditos aplausos mas aproveitamento, nem deviam querer os favores dos homens mas a glória de Deus. 
4 Não deveriam ambicionar cargos mas temê-los. O que possuíam não devia orgulhá-los mas humilhá-los, e o que lhes fosse tirado não os devia abater mas exaltar. 
5 Dizia que mandar era coisa muito perigosa, especialmente neste tempo em que a maldade transbordou e a iniquidade superabundou, mas que obedecer era sempre melhor. 
6 Sofria porque alguns tinham abandonado os primeiros trabalhos e se haviam esquecido da simplicidade antiga para seguirem novos rumos. 
7 Queixava-se dos que no começo tinham procurado com ardor as coisas do alto mas tinham acabado por cair em ambições vulgares e terrenas e, deixando as verdadeiras alegrias, corriam atrás de frivolidades e ambições, no campo das pretensas liberdades. 
8 Suplicava a clemência de Deus pela libertação de seus filhos e pedia com ardor que os conservasse na graça que tinham recebido.