LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • São Boaventura
  • Legenda Maior

TEXTO ORIGINAL

Legenda Maior - I,6


1 Induit ex tunc spiritum paupertatis, humilitatis sensum et affectum intimae pietatis. 
2 Nam cum prius leprosorum non solum consortium, verum etiam longinquum contuitum vehementer horreret, iam propter Christum crucifixam, qui iuxta verbum propheticum contemptibilis ut leprosus (cfr. Is 53,4) apparuit, ut semetipsum plene contemneret, humilitatis et humanitatis obsequia leprosis benefica pietate praestabat. 
3 Visitabat enim frequenter domos ipsorum, liberaliter eis eleemosynas erogabat et cum multo compassionis affectu manus eorum osculabatur et ora. 
4 Pauperibus etiam mendicantibus non solum sua, verum etiam se ipsum cupiebat impendere, aliquando vestimenta exuens, aliquando dissuens, aliquando scindens ad largiendum eis, cum prae manibus alia non haberet. 
5 Sacerdotibus quoque pauperibus reverenter subveniebat et pie, praecipue in ornamentis altaris, quo et cultus divini particeps fieret et cultorum inopiae supplementa praeberet. 
6 Cum autem religiosa devotione tunc temporis limina visitaret Apostoli Petri, conspecta multitudine pauperum ante fores ecclesiae, partim pietatis ductus dulcedine, partim paupertatis allectus amore, uni ex eis magis egenti proprias largitus est vestes, 
7 et semicinctiis contectus illius, diem illum in medio pauperum cum insolita spiritus iucunditate transegit, ut et saecularem gloriam sperneret et ad perfectionem evangelicam gradatim conscendendo perveniret. 
8 Mortificationi carnis invigilabat attentius, ut Christi crucem, quem interius ferebat in corde, exterius etiam circumferret in corpore. Agebat autem haec omnia vir Dei Franciscus nondum habitu vel convictu sequestratus a mundo.

TEXTO TRADUZIDO

Legenda Maior - I,6


1 Revestiu-se desde então com o espírito de pobreza, o sentido da humildade e o afeto de uma íntima piedade. 
2 Pois, como antes tinha veemente horror não só da convivência mas até de ver de longe os leprosos, agora, por causa de Cristo crucificado, que segundo o dito do profeta apareceu desprezível como um leproso (cfr. Is 53,4), para desprezar plenamente a si mesmo, prestava aos leprosos, com benéfica piedade, obséquios de humildade e humanidade. 
3 Pois visitava freqüentemente suas casas, dando-lhes esmolas liberalmente e, com muito afeto de compaixão beijava suas mãos e bocas. 
4 Queria dar aos pobres mendigos não só as suas coisas mas ele mesmo, algumas vezes despindo suas roupas, outras vezes cortando-as para dar-lhes, quando não tinha outra coisa nas mãos. 
5 Ajudava também os sacerdotes pobres, com reverência e piedade, principalmente com ornamentos do altar, para tornar-se participante do culto divino e para suplementar a pobreza dos cultos. 
6 Como visitou, nesse tempo, com religiosa devoção os lugares do Apóstolo Pedro, vendo a multidão de pobres diante das portas da igreja, em parte levado pela doçura da piedade, em parte animado pelo amor da pobreza, deu a um dos mais carentes deles as suas próprias roupas, 
7 e vestido com os seus farrapos, passou aquele dia no meio dos pobres, com insólita alegria do espírito, para desprezar a glória do século e para chegar à perfeição evangélica, subindo aos poucos. 
8 Vigiava com mais atenção a mortificação da carne, para levar exteriormente por toda parte a cruz de Cristo, que interiormente carregava no coração. Mas Francisco, o homem de Deus, fazia tudo isso quando ainda não se havia separado do mundo, nem pela roupa nem pelo modo de viver.