LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Legenda Maior - II,5


    1 Solutus exinde mundi contemptor a vinculis mundanarum cupidinum, civitate relicta, securus et liber secretum solitudinis petiit, ut solus et silens supernae audiret allocutionis arcanum. 
    2 Dumque per silvam quamdam iter faciens, laudes Domino lingua Francorum vir Dei Franciscus decantaret cum iubilo, latrones super eum ex abditis irruerunt. 
    3 Quibus ferali animo, quis esset, interrogantibus vir Dei, confidentia plenus, prophetica voce respondit:”Praeco sum”, inquiens,”magni Regis (cfr. Ps 47,3; Mat 27,4)”. 
    4 At illi percutientes eum, in defossum locum plenum nivibus proiecerunt, dicentes:”Iace, rustice praeco Dei!”. 
    5 Ipse vero illis recedentibus exsilivit de fovea, magnoque exhilaratus gaudio, altiore coepit voce per nemora laudes Creatori omnium personare.

    TEXTO TRADUZIDO

    Legenda Maior - II,5


    1 Ficando solto, a partir daí, das paixões mundanas, o desprezador do mundo abandonou a cidade, foi buscar no escondido da solidão segura e livre, para ouvir o segredo da palavra divina sozinho e em silêncio. 
    2 Quando o homem de Deus Francisco ia por um bosque, todo jubiloso cantando em língua francesa os louvores de Deus, ladrões saíram de emboscadas e caíram em cima dele.
    3 Perguntaram com ferocidade ao homem de Deus quem ele era, e ele, cheio de confiança, respondeu com voz profética: “Sou um arauto do Grande rei”. 
    4 Bateram nele e o jogaram numa fossa cheia de neve, dizendo: “Fica aí, rústico pregoeiro de Deus!”. 
    5 Quando foram embora ele saltou para fora da fossa e, muito alegre pelo gozo, começou a cantar pelos bosques com voz mais forte os louvores do Criador de todas as coisas.