LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • São Boaventura
  • Legenda Maior

TEXTO ORIGINAL

Legenda Maior - III,9


1 Cum autem ad Romanam curiam pervenisset et introductus esset ante conspectum Summi Pontificis, exposuit propositum suum, petens humiliter et instanter, supradictam sibi vivendi regulam approbari. 
2 Videns autem Christi Vicarius, dominus Innocentiùs tertius, vir utique sapientia clarus, admirandam in viro Dei simplicis animi puritatem, propositi constantiam ignitumque voluntatis sanctae fervorem, inclinatus est animo, ut pium supplicanti praeberet assensum. 
3 Distulit tamen perficere quod Christi postulabat pauperculus, pro eo quod aliquibus de cardinalibus novum aliquid et supra vires humanas arduum videretur. 
4 Aderat autem inter cardinales vir venerandus, dominus Ioannes de Sancto Paulo, episcopus Sabinensis, omnis sanctitatis amator et adiutor pauperum Christi; qui divino Spiritu inflammatus, Summo Pontifici dixit et fratribus suis: 
5 ”Si petitionem pauperis huius tamquam nimis arduam novamque refellimus, cum petat confirmari sibi formam evangelicae vitae, cavendum est nobis, ne in Christi Evangelium offendamus. 
6 Nam si quis intra evangelicae perfectionis observantiam et votum ipsius dicat contineri aliquid novum aut irrationabile vel impossibile ad servandum, contra Christum, Evangelii auctorem, blasphemare convincitur”. 
7 Quibus propositis successor Apostoli Petri, conversus ad pauperem Christi, dixit: ”Ora, fili, ad Christum, ut suam nobis per te voluntatem ostendat, qua certius cognita, tuis piis desideriis securius annuamus”.

TEXTO TRADUZIDO

Legenda Maior - III,9


1 Quando chegou à cúria romana e foi introduzido na presença do sumo pontífice, expôs-lhe sua proposta, pedindo humilde e insistentemente que aprovasse a regra de vida de que já falamos. 
2 Mas o vigário de Cristo, o senhor Inocêncio III, homem respeitado por sua sabedoria, vendo que eram admiráveis no homem de Deus a pureza de ânimo, a constância no propósito e aceso o fervor da santa vontade, sentiu-se inclinado a apresentar seu piedoso consentimento ao suplicante. 
3 Mas adiou aprovar completamente o que pedia o pobrezinho de Cristo, porque para alguns dos cardeais parecia algo novo e árduo, acima das forças humanas. 
4 Mas havia entre os cardeais um varão venerando, o senhor João de São Paulo, bispo de Sabina, que amava todo tipo de santidade e ajudava os pobres de Cristo. Inflamado pelo Espírito divino, disse ao sumo Pontífice e a seus irmãos: 
5 ”Se rejeitarmos o pedido deste pobre por ser muito árduo e novo, se o que ele pede é que lhe seja confirmada uma forma de vida evangélica, temos que tomar cuidado para não ofender o Evangelho de Cristo. 
6 Pois se alguém disser que dentro da observância da perfeição evangélica e do seu voto está contida alguma coisa de novo, irracional ou impossível, esteja certo de que blasfema contra Cristo, autor do Evangelho”. 
7 Quando isso foi apresentado, o sucessor do Apóstolo Pedro voltou-se para o pobre de cristo e disse: “Ora a Cristo, filho, para que nos mostre sua vontade através de ti, para que, conhecendo-a com maior certeza, possamos concordar com maior segurança com os teus piedosos desejos”.