LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • São Boaventura
  • Legenda Maior

TEXTO ORIGINAL

Legenda Maior - IV,8


1 Eo tempore religiosus quidam de Ordine Cruciferorum, Moricus nomine, in hospitali quodam prope Assisium languore tam gravi tamque prolixo laborans, ut iam morti foret adiudicatus a medicis, viro Dei supplex factus, per nuntium postulabat instanter, ut pro se ad Dominum intercedere dignaretur. 
2 Cui beatus pater benigne assentiens, oratione praemissa, panis micas accepit et cum oleo accepto de lampade, quae coram Virginis ardebat altari, commiscens, quasi quoddam electuarium per manus fratrum infirmanti transmisit, 
3 dicens: ”Medicinam hanc fratri nostro deferte Morico, qua ipsum Christi virtus non solum plenae sanitati restituet, verum etiam robustum bellatorem effectum, aciei nostrae perseveranter adiunget”. 
4 Statim autem, ut antidotum illud sancti Spiritus adinventione confectum aeger homo gustavit, sanus exsurgens, 
5 tantum mentis et corporis a Deo vigorem obtinuit, ut paulo post viri sancti religionem ingressus, et unica tantum operiretur tunicula, sub qua longo tempore loricam portabat ad carnem, 
6 et crudis dumtaxat cibariis, herbis videlicet, leguminibus fructibusque contentus, per plura temporum lustra nec panem gustaret nec vinum, fortis tamen et incolumis perseverans.

TEXTO TRADUZIDO

Legenda Maior - IV,8


1 Nesse tempo, um religioso da Ordem dos Crucíferos, chamado Morico, sofria, em um hospital perto de Assis, uma doença tão grave e prolongada, que os médicos já tinham decidido que estava à morte. Suplicando ao homem de Deus, pedia insistentemente por um mensageiro que se dignasse interceder por ele diante de Deus. 
2 Concordando bondosamente com ele, o bem-aventurado pai, depois de fazer uma oração, pegou migalhas de pão e, misturando-as com o óleo tirado da lâmpada que ardia diante do altar da Virgem, mandou isso ao doente através dos frades, como se fosse um remédio. 
3 Disse: “Levai este remédio o nosso irmão Morico. Com ele, pela virtude de Cristo, não só vai recobrar toda a saúde, mas também vai uni-lo perseverantemente ao nosso exército como um robusto combatente”. 
4 Logo que o doente experimentou aquele antídoto feito pela inspiração do Espírito Santo, levantou-se curado. 
5 Recebeu de Deus tão grande vigor da mente e do corpo que, ingressando na religião do santo homem e, vestido apenas com uma curta túnica, durante muito tempo usou por baixo dela um cilício junto à carne. 
6 Contente só com comidas cruas, como verduras, legumes e frutas, por muitos lustros não provou pão nem vinho, mas continuou forte e saudável.