LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Legenda Maior - V,8

    8 
    1 Et quoniam Agnum sine macula crucifixum non est possibile homini carnis infirmitate circumdato sic perfecte sectari, quin aliquas contrahat sordes, ideo documento certo firmabat, eos qui perfectioni vitae invigilant, quotidianis debere se lacrimarum emundare fluentis. 
    2 Licet enim adeptus iam esset cordis et corporis puritatem mirabilem, non cessabat tamen lacrimarum imbribus iugiter oculos expiare mentales, corporeorum luminum non ponderando iacturam. 
    3 Cum enim ex continuo fletu infirmitatem oculorum incurrisset gravissimam, suadente sibi medico, quod abstineret a lacrimis, si corporei visus caecitatem vellet effugere, vir sanctus respondit: 
    4 “Non est, frater medice, ob amorem luminis, quod habemus commune cum muscis, visitatio lucis aeternae repellenda vel modicum, quia non spiritus propter carnem, sed caro propter spiritum beneficium lucis accepit”. 
    5 Malebat siquidem corporalis visus lumen amittere quam lacrimas, quibus oculus mundatur interior, ut Deum videre valeat, repressa devotione spiritus impedire.

    TEXTO TRADUZIDO

    Legenda Maior - V,8

    8 
    1 E como não é possível ao homem cercado pela enfermidade da carne seguir tão perfeitamente o Cordeiro sem mácula e crucificado, sem que contraia algumas manchas, assegurava como verdade indiscutível que todos que trabalham pela vida de perfeição devem lavar-se todos os dias nos rios de lágrimas. 
    2 Pois ainda que já tivesse conseguido uma pureza admirável do coração e do corpo, não parava de lavar seus olhos da mente com rios constantes de lágrimas, não se importando com o prejuízo dos olhos corporais.
    3 E como pelo pranto contínuo caiu numa gravíssima doença dos olhos, quando o médico lhe sugeriu que devia abster-se das lágrimas se queria escapar da cegueira da visão corporal, tinha que parar de chorar, o homem santo respondeu: 
    4 “Irmão médico, por amor da luz que temos em comum com as moscas, não podemos repelir nem um pouco a visita da luz eterna, porque não é o espírito que recebe o benefício da luz por causa da carne mas a carne é que o recebe por causa do espírito”. 
    5 É claro que preferia perder a luz da visão corporal que impedir, pela repressão da visão interior, as lágrimas, pelas quais limpa-se o olho interior, para poder ver a Deus.