LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Legenda Maior - VI,9

    9 
    1 Contigit ipsum aliquando Aretium devenire, cum tota civitas intestino bello quassata propinquum sui minabatur excidium. 
    2 Hospitatus vero in suburbio, vidit supra civitatem exsultantes daemones ac perturbatos cives ad caedem mutuam succendentes. 
    3 Ut autem seditiosas illas effugaret aereas potestates, fratrem Silvestrum, columbinae simplicitatis virum, quasi praeconem praemisit, dicens: ”Vade ante portam civitatis et ex parte Dei omnipotentis daemonibus in virtute obedientiae praecipe, ut exeant festinanter”. 
    4 Accelerat verus obediens patris iussa perficere, et praeoccupans in laudibus faciem (cfr. Ps 94,2) Domini, ante portam civitatis coepit clamare valenter: ”Ex parte omnipotentis Dei et iussu servi eius Francisci procul hinc discedite, daemones universi!”. 
    5 Redit ad pacem continuo civitas, et civilitatis in se iura cives omnes cum magna tranquillitate reformant. 
    6 Expulsa quippe daemonum furibunda superbia, quae civitatem illam velut obsidione vallaverat, superveniens sapientia pauperis, videlicet Francisci humilitas, pacem reddidit urbemque salvavit. 
    7 Humilis enim obedientiae ardua promerente virtute, super spiritus illos rebelles atque protervos tam potestativum fuerat assecutus imperium, ut et ipsorum feroces protervias premeret et importunas violentias propulsaret.

    TEXTO TRADUZIDO

    Legenda Maior - VI,9

    9 
    1 Aconteceu que, uma vez, ele chegou a Arezzo, quando toda a cidade estava abalada por uma guerra interna que já ameaçava de perto uma ruína. 
    2 Hospedado num subúrbio, viu os demônios exultando sobre a cidade e atiçando os cidadãos perturbados para matarem uns aos outros. 
    3 Para afugentar aqueles sediciosos poderes aéreos, mandou adiante como um pregoeiro Frei Silvestre, homem da simplicidade de uma pomba, dizendo: “Vá diante da porta da cidade e, da parte de Deus onipotente, manda aos demônios que, em virtude da obediência, saiam rapidamente”. 
    4 O verdadeiro obediente apressou-se a cumprir o que o pai mandara e, chamando antes com louvores a atenção da face do Senhor, começou a clamar fortemente diante da porta da cidade: “Da parte de Deus onipotente, e por ordem de seu servo Francisco, ide para longe daqui, demônios todos!”. 
    5 A cidade voltou na mesma hora à paz, e os cidadãos todos reformaram em si com toda tranqüilidade os direitos da civilidade. 
    6 Expulsa, então, a soberba furibunda dos demônios que tinha cercado aquela cidade como num assédio, sobreveio a sabedoria do pobre, isto é, a humildade de Francisco, devolvendo a paz e salvando a cidade. 
    7 Pois pelos méritos da árdua virtude da obediência, o humilde tinha conseguido um domínio tão poderoso sobre aqueles espíritos rebeldes e malvados, que comprimiu suas ferozes maldades e desbaratou suas importunas violências.