LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Legenda Maior - VI,10

    10 
    1 Fugiunt quidem superbi daemones excelsas virtutes humilium, nisi cum interdum ad humilitatis custodiam divina eos clementia colaphizari permittit, sicut et Paulus Apostolus de se ipso scribit (cfr. 2Cor 12,7), et Franciscus experimento probavit. 
    2 Rogatus enim a domino Leone cardinali Sanctae Crucis, ut secum aliquantulum moraretur in Urbe, acquievit humiliter ob ipsius reverentiam et amorem. 
    3 Prima igitur nocte, cum post orationem vellet quiescere, supervenerunt daemones in Christi militem atrociter insurgentes. 
    4 Quem cum diu verberassent ac dure, ad ultimum quasi seminecem reliquerunt (cfr. Luc 10,30). 
    5 Discedentibus illis, socius vocatus advenit, cui cum vir Dei rei narrasset eventum, subiungens ait: ”Credo, frater, quod daemones, qui nihil possunt, nisi quantum providentia superna disponit, ideo in me nunc tam ferociter irruerunt, quia non bonam speciem praefert mansio mea in curia magnatorum. 
    6 Fratres mei qui in locis pauperculis commorantur, audientes me cum cardinalibus esse, suspicabuntur forsitan implicari mundanis, efferri honoribus et deliciis abundare (cfr. Luc 7,25). 
    7 Ideo melius iudico, eum qui ponitur in exempum (cfr. Iob 17,6), fugere curias et humiliter inter humiles in locis conversari humilibus, ut sustinentes penuriam fortes efficiat similia sustinendo” 
    8 Veniunt ergo mane (cfr. Mar 16,2), et humili excusatione proposita, valefaciunt cardinali.

    TEXTO TRADUZIDO

    Legenda Maior - VI,10

    10 
    1 É certo que os soberbos demônios fogem das excelsas virtudes dos humildes, a não ser quando, alguma vez, para resguardar a humildade, a divina clemência permite que seja esbofeteada, como escreve de si mesmo o Apóstolo (cfr. 2Cor 12,7), e Francisco comprovou pela experiência. 
    2 Pois convidado pelo senhor cardeal Leão da Santa Cruz para morar um pouquinho com ele em Roma, concordou humildemente, por sua reverência e amor. 
    3 Na primeira noite, quando quis descansar depois da oração, sobrevieram demônios levantando-se atrozmente contra o soldado de Cristo. 
    4 Depois de ter batido nele por muito tempo e com dureza, no fim deixaram-no meio morto. 
    5 Quando eles foram embora, o companheiro foi chamado e veio. O homem de Deus contou-lhe o acontecido e acrescentou: “Eu creio, irmão, que os demônios, que nada podem a não ser o que a providência superna dispõe, caíram tão ferozmente em cima de mim porque não dá boa impressão isso de eu ficar na casa dos magnatas. 
    6 Os meus frades que moram em lugares pobrezinhos, ouvindo dizer que estou com os cardeais, talvez suponham que estou me implicando em coisas mundanas, conseguindo honras e me enchendo de delícias. 
    7 Por isso acho melhor que aquele que é posto como exemplo fuja das cortes e viva humildemente entre os humildes nos lugares humildes, para fortalecer o ânimo dos que sofrem penúrias, suportando as mesmas coisas”. 
    8 De manhã, foram despedir-se do cardeal, apresentando uma humilde desculpa.