LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • São Boaventura
  • Legenda Maior

TEXTO ORIGINAL

Legenda Maior - VII,7

7 
1 Propter sanctae paupertatis amorem omnipotentis Dei famulus eleemosynis ostiatim quaesitis utebatur multo libentius quem oblatis. 
2 Si quando enim invitatus a magnis personis, mensis esset profusioribus honorandus, prius per propinquas vicinorum domos panum fragmenta petebat ac deinde, sic ditatus inopia, discumbebat. 
3 Et cum aliquando id fecisset, invitatus a domino Ostiensi, qui pauperem Christi praecipuo complexabatur affectu, conquerenti episcopo, quod suo derogasset honori, utpote qui in eius comesturus hospitio pro eleemosynis isset, servus Dei respondit: ”Magnum, mi domine, vobis honorem exhibui, dum maiorem Dominum honoravi. 
4 Siquidem beneplacitum est Domino in paupertate, et ea maxime, quae voluntaria pro Christo mendicitas est.
5 Hanc dignitatem regalem, quam pro nobis Dominus Iesus, egenus factus, assumpsit ut sua nos ditaret inopia ac vere pauperes spiritu regni caelorum (cfr. 2Cor 8,9; Mat 5,3) reges institueret et heredes, nolo relinquere pro feudo divitiarum falsarum vobis ad horam concesso”.

TEXTO TRADUZIDO

Legenda Maior - VII,7

7 
1 Por amor da santa pobreza, o servo de Deus onipotente usava com muito mais boa vontade as esmolas pedidas de porta em porta do que as que eram oferecidas. 
2 Se fosse, alguma vez, convidado por grandes e devesse ser honrado por mesas mais abundantes, primeiro ia pedir pedaços de pão pelas casas vizinhas e depois, assim enriquecido pela escassez, sentava-se à mesa. 
3 E como fez isso uma vez em que tinha sido convidado pelo senhor de Óstia, que tinha um amor destacado pelo pobre de Cristo, como o bispo se queixasse de que estava fazendo pouco de sua honra, pois fora pedir esmolas quando estava para comer como seu hóspede, o servo de Deus respondeu: “Meu senhor, eu vos fiz uma grande honra, porque honrei o Senhor maior”. 
4 De fato, o Senhor se compraz na pobreza, principalmente na mendicidade voluntária por Cristo. 
5 Essa dignidade real, que o Senhor Jesus assumiu por nós quando se fez pobre para nos enriquecer por sua escassez, fazendo-nos verdadeiros pobres em espírito do reino de Deus, reis e herdeiros, não quero perder pelo feudo das riquezas falsas que vos são concedidas por uma hora”.