LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • São Boaventura
  • Legenda Maior

TEXTO ORIGINAL

Legenda Maior - VIII,1

Caput VIII - De pietatis affectu et quomodo ratione carentia videbantur ad ipsum affici. 

1 
1 Pietas vera, quae secundum Apostolum ad omnia (cfr. 1Tim 4,8) valet, adeo cor Francisci repleverat ac penetraverat viscera, ut totum videretur virum Dei in suum dominium vindicasse. 
2 Haec est, quae ipsum per devotionem sursum agebat in Deum, per compassionem transformabat in Christum, per condescensionem inclinabat ad proximum et per universalem conciliationem ad singula refigurabat ad innocentiae statum. 
3 Cumque per hanc pie moveretur ad omnia, specialiter tamen animas Christi Iesu sanguine pretioso redemptas, cum cerneret inquinari aliqua sorde peccati, tanta miserationis teneritudine deplorabat, ut eas tamquam mater in Christo quotidie parturiret. 
4 Et haec penes ipsum causa praecipua venerandi verbi Dei ministros, quod semen fratri suo defuncto, Christo videlicet pro peccatoribus crucifixo, per ipsorum conversionem et pia sollicitudine suscitent (cfr. Deut 25,5) et sollicita pietate gubernent. 
5 Istiusmodi miserationis officium Patri misericordiarum (cfr. 2Cor 1,3) omni sacrificio firmabat acceptius, maxime si studio fuerit perfectae caritatis impensum, ut ad id laboretur magis exemplo quam verbo, magis lacrimosa prece quam loquaci sermone.

TEXTO TRADUZIDO

Legenda Maior - VIII,1

Capítulo 8 — Sobre o sentimento de piedade e como os seres que não têm razão pareciam ter afeto por ele.

1 
1 A verdadeira piedade que, segundo o Apóstolo (cfr. 1Tm 4,8) é útil para todas as coisas, preenchera a tal ponto o coração de Francisco e penetrara em suas entranhas, que parecia ter tomado o homem de Deus integralmente sob o seu domínio. 
2 Era ela que, pela devoção, elevava-o até Deus, pela compaixão transformava-o em Cristo, pela condescendência inclinava-o para o próximo e pela conciliação universal com cada uma das criaturas fazia-o tornar ao estado de inocência. 
3 Como por ela era piedosamente movido para todas as criaturas, especialmente porém para as almas remidas pelo precioso sangue de Crito, quando as via manchadas por alguma sujeira de pecado, deplorava com tanta ternura de comiseração, que todos os dias dava-as à luz como uma mãe em Cristo. 
4 Essa era a causa principal de sua veneração pelos ministros da palavra de Deus, porque eles, pela conversão dos pecadores e piedosa solicitude por eles, suscitam com piedosa solicitude a descendência de seu irmão defunto — Cristo crucificado pelos pecadores — e os dirigem com solícita piedade. 
5 Afirmava que esse ofício de misericórdia é mais aceito ao Pai das misericórdias do que todo sacrifício, principalmente se for feito com esforço de perfeita caridade, de modo que se trabalhe mais com o exemplo do que com a palavra, mais com preces banhadas de lágrimas do que com muitas palavras.