LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • São Boaventura
  • Legenda Maior

TEXTO ORIGINAL

Legenda Maior - IX,3

3 
1 Matrem Domini Iesu indicibili complectebatur amore, eo quod Dominum maiestatis fratrem nobis effecerit, et per eam simus misericordiam consecuti (cfr. 1Pet 2,10).
2 In ipsa post Christum praecipue fidens, eam sui ac suorum advocatam constituit et ad honorem ipsius a festo Apostolorum Petri et Pauli usque ad festum Assumptionis devotissime ieiunabat. 
3 Angelicis spiritibus ardentibus igne mirifico ad excedendum in Deum et electorum animas inflammandas inseparabilis erat amoris vinculo copulatus et ob devotionem ipsorum ab Assumptione Virginis gloriosae quadraginta diebus ieiunans (cfr. Mat 4,2) orationi iugiter insistebat. 
4 Beato autem Michaeli archangelo, eo quod animarum repraesentandarum haberet officium, speciali erat amore devotior propter fervidum quem habebat zelum ad salutem omnium salvandorum. 
5 Ex recordatione sanctorum omnium tamquam lapidum ignitorum (cfr. Ez 28,14) in deificum recalescebat incendium, Apostolos omnes, et praecipue Petrum et Paulum, propter fervidam caritatem, quam habuerunt ad Christum, summa devotione complexans; 
6 ob quorum reverentiam et amorem quadragesimae specialis ieiunium Domino dedicabat. 
7 Non habebat aliud Christi pauper nisi duo minuta (cfr. Mar 12,42), corpus scilicet et animam, quae posset liberali caritate largiri. 
8 Sed haec per amorem Christi sic offerebat continue, ut quasi omni tempore per rigorem ieiunii corpus et per ardorem desiderii spiritum immolaret, exterius in atrio sacrificans holocaustum et in templo interius concremans thymiama (cfr. Ex 30,27.28).

TEXTO TRADUZIDO

Legenda Maior - IX,3

3 
1 Amava com amor indizível a Mãe do Senhor Jesus, porque tornou o Senhor da majestade irmão nosso, e por ela conseguimos a misericórdia. 
2 Confiando principalmente nela, depois de Cristo, constituiu-a advogada sua e dos seus e em sua honra jejuava com toda devoção desde a festa dos Apóstolos Pedro e Paulo até a festa da Assunção. 
3 Unira-se por um vínculo de amor inseparável aos espíritos angélicos, que ardem em um fogo mirífico para elevar-se até Deus e para inflamar as almas dos eleitos e, por devoção a eles, jejuando por quarenta dias desde a Assunção da Virgem gloriosa, insistia continuamente na oração. 
4 Mas ainda era mais devoto, por um especial amor, do Bem-aventurado Miguel arcanjo, porque tinha o encargo de representar as almas. Isso pelo fervoroso zelo que tinha pela salvação das almas. 
5 Pela recordação de todos os santos como pedras em brasa, reaquecia-se no incêndio divino. Tinha a maior devoção a todos os apóstolos por causa da férvida caridade que tiveram para com Cristo, mas principalmente por Pedro e Paulo. 
6 Por reverência e amor a eles, dedicava ao Senhor o jejum de uma quaresma especial. 
7 O pobre de Cristo não tinha para oferecer senão duas moedinhas: o corpo a alma, que podia dar com liberal caridade. 
8 Mas isso ele oferecia por amor de Cristo tão continuamente, que imolava quase todo o tempo, o corpo pelo rigor do jejum e o espírito pelo ardor do desejo, sacrificando exteriormente um holocausto no átrio, e interiormente queimando incenso no templo.