LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • São Boaventura
  • Legenda Maior

TEXTO ORIGINAL

Legenda Maior - X,3

3 
1 Et quia in oratione perceperat, sancti Spiritus desideratam praesentiam tanto familiarius se offerre precantibus, quanto plus invenit elongatos a strepitu mundanorum, ideo loca solitaria quaerens ad solitudines et ecclesias derelictas oraturus nocte pergebat; 
2 ubi daemonum pugnas horribiles frequenter sustinuit, qui secum sensibiliter confligentes, nitebantur ipsum ab orationis studio pertubare. 
3 Ipse vero armis munitus caelestibus, quanto vehementius impetebatur ab hostibus, tanto fortior in virtute et ferventior reddebatur in prece, 
4 fidenter dicens ad Christum: ”Sub umbra alarum tuarum protege me a facie impiorum, qui me afflixerunt (Ps 16,8-9)”. 
5 Ad daemones autem: ”Facite quidquid in me valetis, maligni spiritus et fallaces! 
6 Non enim potestis, nisi quantum vos manus superna relaxat; 
7 et ego ad perferendum omnia, quae illa infligenda decreverit, cum omni iucunditate paratus assisto”. 
8 Quam mentis constantiam superbi daemones non ferentes, abscedebant confusi.

TEXTO TRADUZIDO

Legenda Maior - X,3

3 
1 E porque tinha percebido que, na oração, a desejada presença do Espírito Santo se oferece com tanto maior familiaridade aos que a pedem quanto mais os encontra afastados das coisas humanas, procurava lugares solitários e ia à noite para solidões e igrejas abandonadas, para entregar-se à oração. 
2 Sustentou, aí, freqüentemente, lutas horríveis dos demônios, que, combatendo sensivelmente com ele, procuravam perturbar seu esforço de oração. 
3 Mas ele, munido com as armas celestes, quanto mais veementemente era atacado pelos inimigos, tanto mais forte tornava-se na virtude e mais fervoroso na prece, 
4 dizendo confiante a Cristo: Protege-me à sombra de tuas asas da face dos ímpios, que me afligiram (Sl 16,8-9)”. 
5 Aos demônios dizia: “Fazei o que puderdes, espíritos malignos e enganadores! 
6 Pois não podereis mais do que vos permite a mão do céu, 
7 e eu, para suportar tudo que ela decretou que devia ser feito, estou preparado com toda alegria!”. 
8 Não suportando essa constância da mente, os soberbos demônios iam embora confundidos.