LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • São Boaventura
  • Legenda Maior

TEXTO ORIGINAL

Legenda Maior - X,7

7 
1 Contigit autem anno tertio ante obitum suum, ut memoriam nativitatis pueri Iesu ad devotionem excitandam apud castrum Graecii disponeret agere, cum quanto maiore solemnitate valeret. 
2 Ne vero hoc novitati posset adscribi, a Summo Pontifice petita et obtenta licentia, fecit praeparari praesepium, apportari foenum, bovem et asinum ad locum adduci. 
3 Advocantur fratres, adveniunt populi, personat silva voces, et venerabilis illa nox luminibus copiosis et claris laudibusque sonoris et consonis et splendens efficitur et solemnis. 
4 Stabat vir Dei coram praesepio pietate repletus, respersus lacrimis et gaudio superfusus. 
5 Celebrantur missarum solemnia super praesepe, levita Christi Francisco sacrum Evangelium decantante. 
6 Praedicat deinde populo circumstanti de nativitate pauperis Regis, quem, cum nominare vellet, puerum de Bethlehem prae amoris teneritudine nuncupabat. 
7 Miles autem quidam virtuosus et verax, qui, propter Christi amorem saeculari relicta militia, viro Dei magna fuit familiaritate coniunctus, dominus Ioannes de Graecio, se vidisse asseruit puerulum quemdam valde formosum in illo praesepio dormientem, quem beatus pater Franciscus, ambobus complexans brachiis, excitare videbatur a somno. 
8 Hanc quidem devoti militis visionem non solum videntis sanctitas credibilem facit, sed et designata veritas comprobat, et miracula subsecuta confirmant. 
9 Nam exemplum Francisci consideratum a mundo, excitativum est cordium in fide Christi torpentium, 
10 et foenum praesepii reservatum a populo mirabiliter sanativum brutorum languentium et aliarum repulsivum pestium diversarum, glorificante Deo per omnia servum suum sanctaeque orationis efficaciam evidentibus miraculorum prodigiis demonstrante.

TEXTO TRADUZIDO

Legenda Maior - X,7

7 
1 Aconteceu que, no terceiro ano antes de sua morte, resolveu celebrar com a maior solenidade possível, no castro de Grécio, a memória do nascimento do menino Jesus, para despertar sua devoção. 
2 Para que não pudessem dizer que era uma novidade, pediu e obteve a licença do sumo pontífice, fez preparar um presépio, carregar feno e levar para o lugar um boi e um burro. 
3 Os frades foram chamados, as pessoas chegaram, ressoou o bosque de vozes, e aquela venerável noite tornou-se esplendorosa e solene por numerosas luzes, claros louvores, sonoros e harmônicos. 
4 O homem de Deus estava em pé na frente do presépio, cheio de piedade, lavado em lágrimas e transbordando de alegria. 
5 Celebrou-se a missa sobre o presépio e Francisco, o levita de Cristo, cantou o Evangelho. 
6 Depois pregou ao povo presente sobre o nascimento do Rei pobre que, quando queria nomear, chamava de o menino de Belém, pela ternura do amor. 
7 Mas um certo cavaleiro, virtuoso e veraz, que, por causa do amor de Cristo, tinha deixado a milícia secular e se unira ao homem de Deus por uma grande familiaridade, senhor João de Grécio, afirmou que viu um menininho muito bonito dormindo naquele presépio, que o bem-aventurado pai Francisco parecia querer despertar do sono, abraçando-o com os dois braços. 
8 Essa visão do devoto cavaleiro não só se faz acreditável pela santidade de quem viu, mas também foi comprovada pela veracidade do que foi dito e confirmada pelos milagres que se seguiram. 
9 Pois o exemplo de Francisco, considerado pelo mundo, tem a dom de despertar os corações entorpecidos na fé de Cristo. 
10 Também o feno do presépio, guardado pelo povo, serviu admiravelmente para curar animais doentes e para afastar diversas outras pestes, sendo que em tudo Deus glorificou seu servo e demonstrou a eficácia da oração com prodígios evidentes de milagres.