LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Legenda Maior - XI,6

    6 
    1 Alio quoque tempore mulier quaedam nobilis, Deo devota, venit ad sanctum, ut suum ei explicaret dolorem ac remedium postularet. 
    2 Habebat quidem virum valde crudelem, quem adversarium patiebatur in servitio Christi; et ideo petebat a sancto, quatenus oraret pro illo, ut sua Deus cor ipsius dignaretur emollire clementia. 
    3 Ipse vero hoc audiens, ait illi: ”Vade cum pace, indubitanter exspectans de viro tuo consolationem tibi de proximo affuturam”. 
    4 Et adiecit: ”Dices ei ex parte Dei et mea, quod nunc est tempus clementiae, postmodum aequitatis”. 
    5 Benedictione accepta, revertitur mulier, invenit virum, denuntiat verbum. 
    6 Cecidit super eum Spiritus sanctus (cfr. Act 10,44) et novum factum de veteri sic facit cum omni mansuetudine (cfr. Eph 4,2) respondere: ”Domina, serviamus Domino et salvemus animas nostras (cfr. Ios 22,27; Gen 19,19)”. 
    7 Suadente igitur sancta uxore, pluribus annis coelibem vitam agentes, eodem die ambo ad Dominum migraverunt. 
    8 Miranda certe in viro Dei spiritus prophetici virtus, qua et membris iam arentibus restituebat vigorem et duris imprimebat cordibus pietatem, 
    9 quamquam non minus eiusdem spiritus sit stupenda limpiditas, qua sic futurorum praecognoscebat eventum, ut etiam conscientiarum scrutaretur arcanum, quasi alter Eliseus duplicem Eliae spiritum 9cfr. 4Re 2,9) assecutus.

    TEXTO TRADUZIDO

    Legenda Maior - XI,6

    6 
    1 Numa outra ocasião, uma mulher nobre, devota de Deus, foi procurar o santo para explicar sua dor e pedir-lhe remédio. 
    2 Pois tinha um marido muito cruel, que tinha que aguentar como um adversário no serviço de Cristo; por isso, pedia ao santo que rezasse por ele, para que Deus, por sua clemência, se dignasse amolecer seu coração. 
    3 Ouvindo isso, ele lhe disse: “Vá em paz, esperando sem duvidar que vais receber em breve uma consolação de teu marido”. 
    4 E acrescentou: “Dirás a ele, da minha parte, que agora é o tempo da clemência, depois virá o da justiça”. 
    5 Recebida a bênção, a mulher voltou, encontrou o marido e transmitiu o recado. 
    6 O Espírito Santo caiu sobre ele e, transformando-o de velho em novo, fez com que respondesse com mansidão: “Senhora, vamos servir a Deus e salvar nossas almas”. 
    7 Por sugestão da santa esposa, viveram durante muitos anos uma vida celibatária, e migraram para o Senhor no mesmo dia. 
    8 É certamente admirável a força profética do homem de Deus, pois restituiu o vigor a membros já secos e imprimiu a piedade em corações endurecidos. 
    9 Mas não foi menos estupenda sua clarividência, pela qual conhecia bem o que ia acontecer no futuro e também perscrutava os segredos das consciências, como um outro Eliseu que tivesse adquirido um duplo espírito de Elias (cfr. 4Re 2,9).