LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Legenda Maior - XI,11

    11 
    1 Quodam namque tempore vicarius suus tenebat capitulum, ipse vero in cella orans, sequester erat et medius (cfr. Deut 5,5) inter fratres et Deum. 
    2 Cum igitur unus ex ipsis, defensionis quodam contectus pallio, non se subderet disciplinae, videns hoc vir sanctus in spiritu, vocavit quemdam de fratribus et dixit ad eum: 
    3 ”Vidi, frater, diabolum super illius fratris inobedientis dorsum, collum eius tenentem adstrictum, qui tali sessore subactus, obedientiae freno spreto, instinctus eius sequebatur habenas. 
    4 Et cum rogarem Deum pro fratre, subito daemon confusus abscessit. 
    5 Vade igitur et dic fratri, ut obedientiae sanctae iugo collum sine mora submittat!” 
    6 Monitus per internuntium frater statimque conversus ad Deum, ad pedes vicarii humiliter se proiecit.

    TEXTO TRADUZIDO

    Legenda Maior - XI,11

    11 
    1 Pois em certa ocasião seu vigário dirigia um capítulo mas ele, orando na cela, era o intermediário e mediador entre os frades e Deus. 
    2 Quando um deles, cobrindo-se com certo manto de defesa, não se submeteu à disciplina, o homem santo, vendo isso em espírito, chamou um dos frades e lhe disse: 
    3 “Irmão, vi o diabo nas costas daquele frade desobediente, apertando o seu pescoço. Submetido a esse cavaleiro, desprezou o freio da obediência e se entregou às rédeas do seu instinto. 
    4 Quando eu roguei a Deus pelo frade, o demônio foi embora confuso na mesma hora. 
    5 Vai, portanto, e diz ao frade que submeta sem demora o seu pescoço ao jugo da santa obediência!”. 
    6 Avisado pelo intermediário, o frade voltou-se imediatamente para Deus e se lançou humildemente aos pés do vigário.