LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Legenda Maior - XIV,4

    4 
    1 Illacrimantibus autem sociis Sancti, qui miro fuerant compassionis telo percussi, unus ex eis, quem vir Dei guardianum suum esse dicebat, votum ipsius divina inspiratione cognoscens, festinus surrexit et acceptam cum chorda et femoralibus tunicam pauperculo Christi obtulit, 
    2 dicens: ”Haec tibi tamquam pauperi commodo, et tu illa suscipias obedientiae sanctae mandato”. 
    3 Gaudet ex hoc vir sanctus et iubilat prae laetitia cordis (cfr. Cant 3,11), quoniam fidem tenuisse dominae paupertati usque in finem se vidit, palmasque levans ad caelum (cfr. 2Par 6,13), Christum suum magnificat, pro eo quod, exoneratus ab omnibus, liber vadit ad ipsum. 
    4 Fecerat enim haec omnia paupertatis zelo, ut nec habitum quidem vellet habere nisi ab alio commodatum. 
    5 Voluit certe per omnia Christo crucifixo esse conformis, qui pauper et dolens et nudus in cruce pependit. 
    6 Propter quod et in principio conversionis suae nudus remansit coram antistite et in consummatione vitae nudus voluit de mundo exire, 
    7 fratribusque sibi assistentibus in obedientia caritatis iniunxit, ut, cum viderent eum iam esse defunctum, per tam longum spatium nudum super humum iacere permitterent, quod unius milliarii tractum suaviter quis perficere posset. 
    8 O vere christianissimum virum, qui et vivens Christo viventi et moriens morienti et mortuus mortuo perfecta esse studuit imitatione conformis et expressa promeruit similitudine decorari!

    TEXTO TRADUZIDO

    Legenda Maior - XIV,4

    4 
    1 Choravam os companheiros do santo, pois tinham sido feridos pelo dardo admirável da compaixão, e um deles, que o homem de Deus dizia que era seu guardião, sabendo por divina inspiração qual era o seu desejo, levantou-se depressa, pegou a corda com a túnica e as calças e ofereceu ao pobrezinho. 
    2 Disse: “Eu te empresto isso como a um pobre, e tu o recebas por mandato da santa obediência”. 
    3 O homem santo se alegrou com isso e se rejubilou com a alegria do coração, porque viu que foi fiel à senhora pobreza até o fim e, levantando as mãos para o céu, glorificou o seu Cristo porque, despojado de tudo, ia livre para Ele. 
    4 Fizera tudo isso pelo zelo da pobreza, pois não queria ter nem um hábito, a não ser emprestado. 
    5 Quis certamente ser em tudo conforme ao Cristo crucificado, que pendeu na cruz pobre, doente e nu. 
    6 Por isso, também no princípio de sua conversão ficou nu diante do bispo e na consumação da vida quis sair do mundo nu. 
    7 Aos frades que o assistiam impôs, pela obediência da caridade, que, quando vissem que ele já tinha morrido, deixassem-no nu no chão tanto tempo quanto uma pessoa precisa para percorrer devagar uma milha. 
    8 Ó homem verdadeiramente cristianíssimo, que procurou ser conforme pela imitação: vivo ao Cristo vivo; morrendo, ao Cristo moribundo; e morto ao Cristo morto, e mereceu ser ornado com essa semelhança expressa.