LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • São Boaventura
  • Legenda Maior

TEXTO ORIGINAL

Legenda Maior - Miraculis IX,3

3 
1 Miles quidam de Burgo in provincia Massae, beati Francisci operibus et miraculorum signis impudentissime detrahebat. 
2 Inferebat multa opprobria peregrinis ad ipsius memoriam venientibus et contra fratres publica garriebat insania. 
3 Cum autem semel Sancti Dei gloriam impugnaret, addidit super peccata sua blasphemiam detestandam: 
4 “Si verum est”, inquit, ”quod Franciscus iste sit sanctus, gladio cadat hodie corpus meum; si vero sanctus non est, evadam incolumis”. 
5 Non distulit ira Dei (cfr. Ps 77,21.31) condignum inferre supplicium, cum iam facta fuisset eius oratio in peccatum (cfr. Ps 108,7). 
6 Mora enim modica interiecta, dum blasphemus nepoti suo inferret injuriam, accepit ille gladium et patrui visceribus cruentavit. 
7 Eodem die mortuus est sceleratus, inferni mancipium et filius tenebrarum (cfr. 1The 5,5), ut ceteri discerent miranda Francisci opera non blasphematoriis verbis impetere, sed devotis laudibus honorare.

TEXTO TRADUZIDO

Legenda Maior - Milagres IX,3

3 
1 Um cavaleiro de Burgo, na província de Massa falava mal, impudentemente, das obras e dos sinais de milagres do bem-aventurado Francisco. 
2 Fazia muitos insultos aos peregrinos que vinham para sua memória e espalhava doidices públicas contra os frades. 
3 Mas uma vez, quando atacou a glória do santo de Deus, acrescentou a seus pecados uma blasfêmia detestável: 
4 “Se é verdade que esse Francisco é santo, que meu corpo caia hoje pela espada; mas se ele não for santo vou escapar incólume”. 
5 A ira de Deus não demorou para lhe dar um merecido castigo, pois sua oração já se convertera em pecado. 
6 Pouco depois, o blasfemo injuriou um seu sobrinho, que pegou uma espada e atravessou as entranhas do tio. 
7 Morreu no mesmo dia o celerado, escravo do inferno e filho das trevas, para que os outros aprendessem que as obras maravilhosas de Francisco não deviam ser atacadas com palavras de blasfêmia mas honradas com devotos louvores.