LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • Tomás de Celano
  • Segunda Vida (2Cel)

TEXTO ORIGINAL

Secunda Vita (2Cel) - 51

Caput XXII - De petrosillo ad eius iussum inter herbas agrestes de nocte invento.

51 
1 In ultimo suae infirmitatis tempore, nocturnis tenebris petrosillum comedere volens, humiliter petiit. 
2 Vocatus coquinarius ut afferret, nihil in horto tunc se colligere posse respondit, dicens (cfr. Ioa 8,14): “Petrosillos quotidie decerpsi tantumque praecidi, quod legere quidquam inde etiam luce clara vix possum. Quanto magis, oppansis nunc tenebris, discernere eos inter herbas alias non valebo”. 
3 Cui sanctus: “Vade, frater, nec sit tibi grave, et primas quas manu contigeris herbas afferto”. 
4 Ivit frater in hortum, et agrestes herbas quae nihil videnti primitus occurrerunt evellens, domum detulit. 
5 Aspiciunt fratres herbas silvestres, eisque diligentius revolutis, petrosillum frondosum et tenerum inveniunt inter ipsas. 
6 De quo parum comedens sanctus, multum confortatus est. 
7 Dixit autem fratribus pater: “Fratres carissimi (cfr. Phip 4,1), primo verbo praeceptum implete, nec exspectetis iterandum quod dicitur. 
8 Nihil enim impossibilitatis causemini, quoniam etsi supra vires ipse mandarem, viribus obedientia non careret”. 
9 Hucusque spiritus prophetiae (cfr. Apoc 19,10) praerogativam spiritus commendavit.

TEXTO TRADUZIDO

Segunda Vida (2Cel) - 51

Capítulo 22 - Sobre o aipo encontrado entre ervas agrestes, de noite, por sua ordem.

51 
1 Nos últimos tempos de sua doença, teve vontade de comer aipo, tarde da noite, e o pediu com humildade. 
2 Chamaram o cozinheiro para que o trouxesse, mas ele respondeu dizendo que não poderia colher nada na horta: “Eu apanho aipos todos os dias, e já cortei tanto, que até com a luz clara mal consigo achar algum. Quanto mais, com as trevas de agora, nem seria capaz de distinguí-lo das outras ervas”. 
3 Mas o santo disse: “Vai, meu irmão, e para não te dar trabalho, traz as primeiras ervas em que puseres as mãos”. 
4 O frade foi à horta, arrancou as primeiras plantas que encontrou, sem enxergar, e as trouxe para casa. 
5 Os frades olharam as ervas silvestres e, revirando-as, encontraram entre elas um aipo folhudo e tenro. 
6 O santo comeu um pouquinho e ficou muito confortado. 
7 E disse o pai aos irmãos: “Irmãos caríssimos, cumpri as ordens sempre à primeira palavra, sem esperar que sejam repetidas. 
8 Não fiqueis pensando na impossibilidade porque, mesmo que eu desse alguma ordem acima das forças, a própria obediência tem suas forças” 
9 Até esse ponto o dotara-o o Espírito Santo com o dom da profecia.