LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

  • Fontes Franciscanas
  • Fontes Biográficas
  • Tomás de Celano
  • Segunda Vida (2Cel)

TEXTO ORIGINAL

Secunda Vita (2Cel) - 70

Caput XL - Recedentes a paupertate, a necessitate corrigendos pronuntiat.

70 
1 Nonnumquam etiam haec ingeminabat sanctus: “Quantum fratres declinabunt a paupertate, tantum mundus declinabit ab eis, et quaerent”, inquit, “et non invenient (cfr. Apoc 9,6)”. 
2 Sed si dominam meam paupertatem complexi fuerint, mundus eos nutriet, quia mundo dati sunt ad salutem”.
3 Et iterum: “Commercium est inter mundum et fratres; debent ipsi mundo bonum exemplum, debet mundus eis provisionem necessitatum. 
4 Quando ipsi retraxerint bonum exemplum fide mentita, retrahit mundus manum iusta censura”. 
5 Paupertati cavens homo Dei (cfr. 4Re 1,9.10) multitudinem metuebat, quam etsi non res tamen species divitem monstrat. 
6 Unde dicebat: “O si fieri posset (cfr. Mar 14,35), poterit, inquam, ut mundus perraro fratres Minores aspiciens, paucitate miretur!”. 
7 Indissolubili itaque vinculo dominae paupertati connexus, non praesentem sed futuram eius dotem exspectat. 
8 Psalmos qui paupertatem sonant, ut illud: Patientia pauperum non peribit in finem (cfr. Ps 9,19), et: Videant pauperes et laetentur (Ps 68,33), ferventiore affectu et laetiore iubilo decantabat.

TEXTO TRADUZIDO

Segunda Vida (2Cel) - 70

Capítulo 40 - Diz que os que se afastam da pobreza deverão ser corrigidos pela necessidade.

70 
1 Algumas vezes, o santo gemeu dizendo: “Quanto mais os frades se afastarem da pobreza, mais o mundo se há de afastar-se deles. Procurarão e não hão de encontrar. 
2 Mas, se estiverem abraçados à minha senhora pobreza, o mundo os alimentará, pois foram dados para a salvação do mundo”. 
3 Também dizia: “Há um contrato entre o mundo e os frades: os frades dão bom exemplo ao mundo e o mundo provê suas necessidades. 
4 Quando forem infiéis e deixarem de dar bom exemplo, o mundo retirará sua mão, em justa repreensão”. 
5 Pelo zelo da pobreza, o homem de Deus tinha medo do número muito grande, que pode demonstrar riqueza, se não de fato, pelo menos na aparência. 
6 Por isso, dizia: “Oh! se fosse possível que o mundo só visse os frades raramente e se admirasse de serem tão poucos!” 
7 Unido assim à senhora pobreza por um vínculo indissolúvel, esperava seu dote futuro, não o presente. 
8 Cantava com maior fervor e alegria os Salmos que falam da pobreza como: “Não ficará o pobre em eterno esquecimento (cfr. Sl 9,19)”, e “Olhai, pobres, e alegrai-vos (Sl 68,33)”.