LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Secunda Vita (2Cel) - 113

    Caput LXXIX - Aenigma contra aspectum mulierum.

    113 
    1 Solebat autem non castos oculos aenigmate tali configere (cfr. 1Cor 13,12; Ps 118,120): 
    2 “Rex praepotens duos ad reginam successive nuncios misit. 
    3 Redit primus, et tantum verba verbis reportat. 
    4 Siquidem sapientis oculi in capite (cfr. Qo 2,14) fuerant, nec prosilierant quoquam. 
    5 Redit alius, et post brevia verba quae refert, longam de dominae pulchritudine texit historiam: “Vere, domine, vidi pulcherrimam mulierem. Felix, qui fruitur!”. 
    6 At ille: “Serve nequam (cfr. Mat 18,32), in sponsam meam oculos impudicos egisti? Liquet quod emere volueris rem prospectam subtiliter”. 
    7 Iubet revocari primum et ait: “Quid tibi de regina videtur?” 
    8 Et ille: “Optime quidem, quoniam silenter audivit, respondit sagaciter”. 
    9 “Et nihil”, inquit, “formositatis inest?”. 
    10 “Tuum”, ait, “domine mi, sit hoc inspicere: meum fuit verba proferre”. 
    11 Fertur a rege sententia: “Tu”, inquit, “oculis castus, esto in camera corpore castior! hic vero exeat domum, ne polluat thalamum!”. 
    12 Dicebat autem beatus pater: “Ex nimia securitate minus cavetur hostis. 
    13 Diabolus si de suo capillum potest habere in homine, cito illum excrescere facit in trabem. 
    14 Nec si per multos annos deicere non potuit quem tentavit, moram causatur, dummodo sibi cedat in fine. 
    15 Hoc est enim opus suum, nec est ad alia die noctuque sollicitus”.

    TEXTO TRADUZIDO

    Segunda Vida (2Cel) - 113

    Capítulo 79 - Enigma contra os olhares das mulheres.

    113 
    1 Verberava os que não tinham olhos castos com este enigma: 
    2 “Um rei poderoso enviou à rainha, um após outro, dois mensageiros. 
    3 O primeiro voltou e fez seu relatório com as palavras indispensáveis, 
    4 porque era sábio e tinha segurado os olhos em sua cabeça, sem saltar para qualquer outra coisa. 
    5 Voltou também o outro e, depois de fazer breve relatório, teceu um longo elogio à beleza da senhora: ‘Na verdade, senhor, vi que é uma mulher belíssima. Feliz de quem pode aproveitar’. 
    6 O rei respondeu: ‘Servo mau, puseste os teus olhos impuros em minha esposa? É claro que querias comprar o que sorrateiramente estiveste apreciando’. 
    7 Mandou chamar o primeiro e disse: ‘Que achaste da rainha?’ 
    8 Ele respondeu: ‘O melhor possível, porque ouviu em silêncio e respondeu com inteligência’. 
    9 - ‘E não é bonita?’ 
    10 - ‘Isso sois vós que deveis olhar, senhor. Minha obrigação era levar o recado’. 
    11 Então o rei sentenciou: ‘Tu, que és casto de olhos, continuarás a meu serviço, e serás ainda mais casto no corpo! Mas esse outro seja posto para fora, para que não me venha a desonrar o leito!’“ 
    12 Acrescentava o bem-aventurado pai: “Quem é muito seguro não toma cuidado com o inimigo. 
    13 E o diabo, se consegue se apoderar de um fio de cabelo, logo o faz crescer como uma trave. 
    14 E mesmo que fique muitos anos sem poder derrubar aquele a quem está tentando, não se importa de esperar, contanto que acabe caindo em suas mãos. 
    15 Esse é o seu trabalho, e ele não pensa noutra coisa, dia e noite”.