LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Secunda Vita (2Cel) - 115

    De tentationibus quas passus est.

    Caput LXXXI - De tentationibus sancti et quomodo tentationem superavit.

    115 
    1 Crescentibus meritis sancti Francisci, crescebat quoque discordia cum antiquo serpente (cfr. Apoc 12,9). 
    2 Nam quo maiora huius charismata (cfr. 1Cor 12,31), subtiliora illius tentamenta, et graviora praelia movebantur. 
    3 Licet autem virum bellatorem (cfr. Is 3,2) et strenuum saepe probasset nec ad horam cessisse (cfr. Gal 2,5) certamini, adhuc tamen aggredi nititur semper vincentem. 
    4 Quodam enim tempore immissa est sancto patri gravissima tentatio spiritus, utique ad coronae augmentum. 
    5 Angustiabatur exinde et replebatur doloribus, affligebat (cfr. Heb 11,37; Iob 7,4) et macerabat corpus, orabat et lacrimabatur acerrime. 
    6 Pluribus annis taliter impugnatus, dum oraret die quadam in Sancta Maria de Portiuncula, vocem audivit in spiritu: “Francisce, si habueris fidem ut granum sinapis, dices monti ut transeat, et transibit” (cfr. Mat 17,19). 
    7 “Respondit sanctus: “Domine, quis est mons quem velim ipse transferre?”. Et iterato audivit: “Mons est tentatio tua”. 
    8 Et ipse illacrimans dixit: “Fiat mihi, Domine (cfr. Luc 1,38), sicut dixisti!”. 
    9 Statim omni tentatione propulsa, liber efficitur et totaliter in intimis quietatur.

    TEXTO TRADUZIDO

    Segunda Vida (2Cel) - 115

    Sobre as tentações por que passou.

    Capítulo 81 - Sobre as tentações do santo e como superou uma tentação.

    115 
    1 À medida em que aumentavam os méritos de São Francisco, mais graves eram os conflitos com a “antiga serpente”. 
    2 Quanto maiores seus carismas mais sutis eram as tentações e mais pesadas as lutas. 
    3 Porque, embora o demônio tivesse comprovado muitas vezes que ele era um homem combativo e valoroso, e não abandonava a luta por uma hora sequer, estava sempre procurando a agredir o seu vencedor. 
    4 Em certa ocasião, o santo pai teve uma gravíssima tentação do espírito, certamente para engrandecimento de sua coroa. 
    5 Angustiado e repleto de dores, afligia e macerava o corpo, orava e chorava amargamente. 
    6 Depois de diversos anos nessa luta, estava um dia rezando em Santa Maria da Porciúncula, quando ouviu em espírito estas palavras: “Francisco, se tiveres fé como um grão de mostarda, dirás a uma montanha para se mudar e ela se mudará (cfr. Mt 17,19)”. 
    7 Respondeu o santo: “Senhor, que montanha haveria eu de mudar?” E ouviu outra vez: “A montanha é a tua tentação”. 
    8 Então ele disse, a chorar: “Faça-se em mim, Senhor, como dissestes”. 
    9 A tentação foi expulsa na mesma hora, ele ficou livre e absolutamente sossegado em seu interior.