LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Secunda Vita (2Cel) - 127

    Caput XC - Quod spiritu exhilaratus sanctus gallice cantabat.

    127 
    1 Nonnumquam vero talia faciebat. 
    2 Dulcissima melodia spiritus intra ipsum ebulliens, exterius gallicum dabat sonum, et vena divini sussurrii, quam auris eius suscipiebat furtive (cfr. Iob 4,12), gallicum erumpebat in iubilum. 
    3 Lignum quandoque, ut oculis vidi, colligebat e terra, ipsumque sinistro brachio superponens arculum filo flexum tenebat in dextera, quem quasi super viellam trahens per lignum, et ad hoc gestus repraesentans idoneos, gallice cantabat de Domino (cfr. Ps 12,6). 
    4 Terminabantur tota haec tripudia frequenter in lacrimas, et in passionis Christi compassionem hic iubilus solvebatur. 
    5 Inde hic sanctus continua trahebat suspiria, et ingeminatis gemitibus, inferio-rum quae in manu erant oblitus, suspendebatur ad caelum.

    TEXTO TRADUZIDO

    Segunda Vida (2Cel) - 127

    Capítulo 90 - Que alegrado no espírito o santo cantava em francês.

    127 
    1 Às vezes, fazia essas coisas. 
    2 A suavíssima melodia do espírito, quer fervia dentro dele, expressava-se exteriormente num cântico francês. Também a veia do sussurro divino, que recebia furtivamente em seus ouvidos, prorrompia num júbilo francês. 
    3 Às vezes - como pude ver com meus olhos - pegava um pedaço de pau no chão, punha-o sobre o braço esquerdo, segurava na direita um arco retesado por um fio, passava-o no pedaço de pau como se fosse um violino e, representando os gestos adequados, cantava ao Senhor em francês. 
    4 Frequentemente toda essa festa toda acabava em lágrimas, e esse júbilo se dissolvia na compaixão para com a paixão de Cristo. 
    5 Então o santo começava a suspirar sem parar, gemendo muito, e logo, esquecido do que tinha nas mãos, era arrebatado ao céu.