LÍNGUAS CLÁSSICAS

Página de Estudos das Fontes Pesquisadas

    TEXTO ORIGINAL

    Secunda Vita (2Cel) - 134

    Caput XCVII - Verba contra se laudantes.

    134 
    1 Dicebat autem fratribus saepe: “De omni eo quod peccator potest, nemo sibi debet iniquo plausu blandiri. 
    2 Peccator”, ait, “ieiunare potest, orare, plangere, carnem propriam macerare. 
    3 Hoc vero non potest: Domino suo fidelis exsistere. 
    4 Itaque in hoc gloriandum est, si suam Deo gloriam reddimus (cfr. Sir 35,10; Ioa 9,24), si fideliter servientes, ipsi quidquid donat adscribimus. 
    5 Maior hominis inimicus caro est; nihil recogitare novit ut doleat, nihil ut timeat praevidere. 
    6 Studium eius abuti praesentibus. 
    7 Quod autem peius est, ipsa”, inquit, “sibi usurpat, ipsa in suam gloriam transfert quod non sibi, sed animae datum est. 
    8 Ipsa de virtutibus laudem, de vigiliis et orationibus favorem carpit extrinsecum. 
    9 Nihil animae relinquens, quaerit et de lacrimis obolum”.

    TEXTO TRADUZIDO

    Segunda Vida (2Cel) - 134

    Capítulo 97 - Palavras contra os que o louvavam.

    134 
    1 Dizia muitas vezes aos irmãos: “Ninguém deve felicitar-se iniquamente por coisas que qualquer pecador pode fazer. 
    2 Um pecador pode jejuar, rezar, chorar, castigar a própria carne. 
    3 Mas isto não pode: ser fiel ao seu Senhor. 
    4 Disso é que podemos nos gloriar: se prestamos a Deus a glória devida, se o servimos com fidelidade e reconhecemos como seu tudo que nos deu. 
    5 O maior inimigo do homem é a carne: não aprendeu a pensar em nada que cause arrependimento, nem a prever as coisas que deve temer. 
    6 Sua preocupação é abusar das coisas presentes. 
    7 E o que é pior: apropria-se e se gloria do que foi dado para a alma, e não para ela. 
    8 Quer ser elogiada por suas virtudes e granjear o reconhecimento dos outros por suas vigílias e orações. 
    9 Sem deixar nada para a alma, exige até a esmola das lágrimas”.